fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

EUA - Além da pandemia provocada pelo novo coronavírus, a economia global sofre outra grave ameaça: crimes cibernéticos. Segundo a Av-Test, instituição de segurança digital que compila estatísticas do mercado de tecnologia e proteção de dados, surgem 350 mil novas ameaças digitais diariamente.

Para se ter dimensão do dano, o FBI, polícia federal nos Estados Unidos, publicou em 2019 um balanço anual que estipula que crimes digitais denunciados somaram US$ 3,5 bilhões de prejuízo (mais de R$ 15 bilhões) às vítimas.

Já o IDC, especializado em segurança digital, aponta que o mercado global de segurança da informação movimentou, também em 2019, US$ 107 bilhões. O gasto brasileiro foi de US$ 1,6 bilhão – o décimo país que mais investiu na área naquele ano.

Já a CSIS, empresa americana que protege dados do governo canadense, diz que crimes cibernéticos causavam prejuízo de US$ 445 bilhões de dólares em 2014; atualmente a cifra passa dos US$ 600 bilhões, o que representa 0,8% do PIB mundial.

 

 

*Por: ISTOÉ DINHEIRO

FRANÇA - Enquanto a economia mundial desperta novamente, escassez de produtos e alta de preços afetam diversos setores, desde o fornecimento de chips taiwaneses até o preço do café da manhã na França. Mas um tipo de gargalo merece atenção especial: os problemas no lado da oferta, tais como escassez de metais e limitações de espaço, que ameaçam diminuir o boom no setor da energia verde.

Longe de serem passageiros, esses gargalos arriscam tornar-se uma característica recorrente da economia mundial nos anos que se seguirão, porque a mudança para um sistema mais limpo de energia ainda está na infância. Governos devem responder a esses sinais do mercado, facilitando um enorme boom de investimento do setor privado ao longo da próxima década que aumente essa capacidade. Se não fizerem isso, terão pouca chance de manter promessas de zerar emissões.

Cientistas e ativistas preocupam-se há décadas com as mudanças climáticas. Recentemente, políticos têm dado mais sinais de comprometimento: países responsáveis por mais de 70% do PIB mundial e das emissões de gases de efeito estufa estabeleceram metas para zerar as emissões, em geral até 2050.

E houve uma mudança dramática de atitude entre as empresas. Investidores estão exigindo que as corporações mudem o curso, estimulados pela nova realidade de que tecnologias limpas são mais competitivas em relação a custos. Os gigantes da era dos combustíveis fósseis, como Volkswagen e ExxonMobil, estão tendo de alterar seus planos de investimento, enquanto pioneiros da energia limpa aumentam as despesas de capital. A Orsted, que defende a energia eólica, planeja aumento de 30% este ano; a Tesla, fabricante de carros elétricos, elevação de 62%. Enquanto isso, US$ 178 bilhões foram injetados em fundos de investimentos amigáveis ao meio ambiente no primeiro trimestre.

Essa súbita mudança na maneira como os recursos são alocados está causando tensões e pressões, enquanto a demanda por matérias-primas aumenta e problemas ocorrem em relação aos poucos projetos com aprovação regulatória. Calculamos que o preço de uma cesta de investimentos composta por cinco minerais usados em carros elétricos e redes de transmissão de energia subiu 139% no ano passado. Máfias de madeireiros estão vasculhando florestas equatorianas para encontrar a madeira de balsa usada nas lâminas das turbinas eólicas.

 

Visibilidade

Em fevereiro, um leilão britânico de direitos de uso do espaço marinho para instalar usinas eólicas captou até US$ 12 bilhões, porque empresas de energia se apressaram para obter visibilidade a qualquer custo. A escassez se estende às finanças: enquanto enormes quantias são aplicadas em poucas companhias de energia renovável, as avaliações se estenderam a um efervescente território. Apesar de o peso da indústria da energia renovável ainda ser pequeno nos indicadores de preços ao consumidor, alguns financiadores temem que a escassez em fornecimento ao longo dos anos poderia finalmente alimentar altas de inflação.

O que faz esses sinais de aquecimento excessivo tão marcantes é o fato de eles se materializarem mesmo enquanto menos de 10% da transição energética foi completada (medida com base na fatia de investimento cumulativo no setor necessário até 2050 que já foi alocada).

As projeções para a próxima década chamam a atenção. Para se manter a caminho da emissão zero até 2030, a produção anual de carros elétricos precisa ser dez vezes maior do que no ano passado. A base instalada de geração de energia renovável tem de aumentar em três vezes. Companhias globais de mineração têm de elevar a produção anual de minerais essenciais para o setor em 500%. Talvez 2% do território americano tenha de ser coberto por turbinas eólicas e painéis de energia solar.

Tudo isso requererá um vasto investimento: aproximadamente US$ 35 trilhões ao longo da próxima década, equivalente a um terço do volume movimentado pela indústria global de gestão de fundos hoje em dia. O sistema mais bem equipado para isso é a rede internacional de cadeias de fornecimento e mercados de capitais, que revolucionou o mundo a partir dos anos 1990. Ainda assim, até esse sistema é insuficiente, com o investimento em energia em torno da metade do nível necessário e assimétrico em favor de países ricos e da China.

A principal razão para a insuficiência de investimento é que a aprovação dos projetos leva muito tempo, e o risco e o retorno esperados ainda são opacos demais. Governos estão piorando as coisas usando a política climática como veículo de outros objetivos políticos. A União Europeia aspira a uma autonomia estratégica em relação a baterias, e sua agenda ambiental direciona parte de seu orçamento a áreas desfavorecidas.

A China está considerando limitar preços domésticos de commodities nos próximos cinco anos. De maneira similar, o nascente plano para o meio ambiente do presidente Joe Biden prioriza empregos sindicalizados e manufaturas locais. Essa mistura de metas difusas e protecionismo brando tolhe o investimento necessário.

 

Pragmatismo

Governos precisam ser mais pragmáticos. Existe uma função crucial para um Estado ativista no apoio à construção de uma infraestrutura essencial, como linhas de transmissão, e em pesquisa e desenvolvimento. Mas a contundente prioridade deve ser catalisar o aumento do investimento privado de duas maneiras.

Primeiramente, suavizando regras de planejamento. Um projeto de mineração leva globalmente 16 anos para ser aprovado, em média; o típico projeto de usina eólica nos EUA leva mais de uma década para obter aprovações e concessões de exploração, o que é uma das razões para a capacidade de geração de energia eólica na costa do país representar menos de 1% da capacidade europeia. Rapidez exige decisões centralizadas, e isso com frequência significa decepcionar conservacionistas e habitantes de regiões que recebem essas instalações.

Em segundo lugar, governos são capazes de ajudar empresas e investidores a lidar com riscos. Governos ocidentais também têm a obrigação de prover financiamentos baratos para elevar o investimento em países pobres. Mas a chave é a introdução de preços de carbono que incorporem sinais de mercado em milhões de decisões comerciais diariamente e dão a empreendedores e investidores mais visão de um horizonte a longo prazo.

Atualmente, apenas 22% das emissões de gases de efeito estufa são compensadas financeiramente, e essas compensações não são unificadas. Gargalos ambientais são um sinal de que a descarbonização está pelo menos deixando de ser uma ideia abstrata e virando realidade. Um estímulo poderoso é necessário agora para fazer a revolução acontecer.

 

 

The Economist*

*ESTADÃO

MUNDO - Na madrugada desta quarta-feira, 26 maio, partes do mundo observaram o primeiro eclipse lunar de 2021, que também foi uma superlua e uma "lua de sangue".

Uma rara "superlua sangue" em meio a eclipse lunar pode ser vista no céu acima de Wollongong, na Austrália, em 26 de maio

© EPA/DEAN LEWINS Uma rara "superlua sangue" em meio a eclipse lunar pode ser vista no céu acima de Wollongong, na Austrália, em 26 de maio

 

Um eclipse lunar total ocorre quando a Terra passa entre a Lua e o Sol, lançando uma sombra na lua. Os três corpos celestes devem estar perfeitamente alinhados para que isso aconteça.

Uma superlua ocorre quando uma lua cheia ou nova coincide com uma maior proximidade do satélite da Terra. Isso faz a Lua parecer maior.

Continua depois da publicidade

A lua cheia desta quarta-feira é a maior "superlua" do ano e aconteceu na mesma noite do primeiro eclipse lunar total em mais de dois anos.

Uma superlua, a maior e mais brilhante lua cheia do ano, coincide com um eclipse lunar total, fazendo com que a lua pareça vermelha no céu de Honolulu, Havaí, nos EUA

© REUTERS/Marco Garcia Uma superlua, a maior e mais brilhante lua cheia do ano, coincide com um eclipse lunar total, fazendo com que a lua pareça vermelha no céu de Honolulu, Havaí, nos EUA

 

A superlua brilha atrás da estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro

© REUTERS/Pilar Olivares A superlua brilha atrás da estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro

 

A órbita da Lua é elíptica e um lado (apogeu) está cerca de 50 mil km mais distante da Terra do que o outro mais próximo (perigeu).

A superlua surge atrás da Sydney Opera House em noite de eclipse lunar, em Sydney, na Austrália

© REUTERS/Loren Elliott A superlua surge atrás da Sydney Opera House em noite de eclipse lunar, em Sydney, na Austrália

 

Portanto, uma lua cheia que ocorre perto do perigeu é chamada de superlua.

A lua cheia é vista sobre o Anitkabir, o mausoléu do fundador da Turquia moderna Mustafa Kemal Ataturk, em Ancara

© REUTERS/Cagla Gurdogan A lua cheia é vista sobre o Anitkabir, o mausoléu do fundador da Turquia moderna Mustafa Kemal Ataturk, em Ancara

 

Durante o eclipse, a Lua aparece avermelhada porque a luz do sol não chegará diretamente a ela, mas parte dessa luz será filtrada pela atmosfera da Terra e as cores avermelhadas e laranja serão projetadas em nosso satélite.

Este efeito misterioso é popularmente conhecido como "lua de sangue".

 

 

*Por: BBC NEWS

BRUXELAS - A inflação na zona do euro acelerou como esperado em abril devido a uma forte alta nos custos de energia e serviços, informou a agência de estatísticas europeia, Eurostat, nesta quarta-feira (19).

A Eurostat informou que os preços ao consumidor nos 19 países que usam o euro subiram 0,6% em abril sobre o mês anterior e 1,6% na base anual, de 1,3% em março sobre o ano anterior.

Continua depois da publicidade

O Banco Central Europeu quer ver a inflação perto de 2% no médio prazo, mas alertou que o aumento mais rápido se deve principalmente a efeitos de comparação, com preços de energia muito baixos um ano antes.

Os preços de energia, como petróleo e gás, subiram 10,4% em abril sobre o ano anterior, acrescentando 0,96 ponto percentual ao dado final. Por outro lado, os custos de alimentos não processados, outro componente volátil, caíram 0,3% nessa base de comparação.

Sem esses dois fatores, ou o que o BCE chama de núcleo da inflação, os preços subiram 0,5% no mês e 0,8% na comparação anual, desacelerando sobre a alta anual em março de 1,0%.

Mas os preços de serviços, que respondem por quase dois terços do Produto Interno Bruto da zona do euro, avançaram 0,9% na base anual em abril, colaborando com 0,37 ponto percentual para o número final da inflação e dando continuidade à forte tendência desde o início do ano.

 

 

*Reportagem de Jan Strupczewski / REUTERS

EUA - As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte de mulheres no mundo, representando 35% dos óbitos anuais, alertam especialistas na revista médica The Lancet, criticando o pouco reconhecimento dado a essas patologias nas mulheres.

No artigo, que cita dados de 2019 na escala global sobre prevalência, mortalidade e fatores de risco em mulheres, 17 especialistas pedem medidas urgentes, como diagnóstico precoce e programas de saúde específicos em regiões populosas e subdesenvolvidas, para reduzir em um terço as mortes prematuras por doenças não transmissíveis, incluindo as cardiovasculares, até 2030.

Em 2019, segundo nota da The Lancet, cerca de 275 milhões de mulheres tiveram uma doença cardiovascular em todo o mundo. A isquemia cardíaca e o Acidente Vascular Cerebral foram as que mais mataram mulheres, representando, respectivamente, 47% e 36% das mortes associadas.

Continua depois da publicidade

O Egito, Irã, Iraque, a Líbia, o Marrocos e os Emirados Árabes Unidos figuram na lista de países com as taxas mais altas de doenças cardiovasculares entre mulheres, enquanto a Bolívia, o Peru, a Colômbia, o Equador e a Venezuela têm as taxas mais baixas.

Apesar de a prevalência mundial de doenças cardiovasculares nas mulheres ter diminuído desde 1990, países populosos como a China, Indonésia e Índia registraram aumento, respectivamente de 10%, 7% e 3% de casos.

A Ásia Central, Europa do Leste, o Norte da África, o Oriente Médio e a África Subsaariana Central são as regiões com as taxas de mortalidade mais altas, mais de 300 mortes por 100 mil mulheres.

Em contrapartida, a Europa Ocidental, América do Norte, Austrália, Nova Zelândia, Nova Guiné e algumas ilhas vizinhas no Pacífico, além da América Andina (Argentina, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Chile e Venezuela) são as regiões com taxas de mortalidade mais baixas, menos de 130 por 100 mil mulheres.

Hipertensão, colesterol elevado, menopausa precoce e complicações na gravidez são apontados como fatores de risco nas mulheres.

De acordo com os especialistas, as doenças cardiovasculares continuam, apesar das más estatísticas, a ser "pouco estudadas e pouco reconhecidas" nas mulheres.

 

 

*Por RTP

AUSTRÁLIA - A brasileira Tatiana Weston-Webb alcançou as quartas de final da etapa de Margaret River (Austrália) do Circuito Mundial de Surfe após vencer a norte-americana Sage Erickson na noite de segunda-feira (3).

A gaúcha, atual número três do mundo, superou a californiana por 13,27 a 9,00. Na próxima fase Weston-Webb mede forças com a australiana Tyler Wright, que bateu a costa-riquenha Brisa Hennessy. A bicampeã mundial venceu a disputa por 11,83 a 11,13.

No masculino, a expectativa é que as oitavas de final aconteçam na madrugada desta terça-feira (4). O Brasil conta com seis representantes na disputa: Gabriel Medina, Ítalo Ferreira, Caio Ibelli, Filipe Toledo, Jadson André e Peterson Crisanto.

 

 

*Por Agência Brasil

CHILE - O presidente chileno, Sebastián Piñera, anunciou nesse domingo (28) o adiamento para maio das eleições previstas para 10 e 11 de abril, devido ao aumento de casos de covid-19, uma decisão que ainda tem de ser ratificada pelo Parlamento.

"Na segunda-feira vamos enviar ao Congresso um projeto de reforma constitucional para adiar, por cinco semanas, as eleições constituintes para designar os membros da Assembleia que deverão redigir a futura Constituição do país, presidentes de câmaras municipais, senadores e governadores. Se esse projeto for aprovado, as eleições previstas para os dias 10 e 11 de abril serão realizadas em 15 e 16 de maio", disse o presidente Sebastián Piñera no Palácio La Moneda, sede do governo chileno.

"O segundo turno da eleição de governadores, prevista para 9 de maio, será em 4 de julho", acrescentou.

O presidente chileno explicou que há duas razões para o adiamento: proteger a saúde dos chilenos, num período em que se registram recordes diários de contágios por covid-19, e "a saúde da democracia", para que o processo eleitoral tenha participação e segurança.

Segundo a consultora Cadem, 73% dos chilenos concordam em adiar as eleições. A intenção de votar em 10 e 11 de abril é de 52%, menos 17 pontos do que o registado na consulta popular de outubro passado, quando os chilenos deram luz verde à reforma da Constituição de 1980, herdada do antigo ditador Augusto Pinochet.

Aos 14,7 milhões de eleitores foi pedido que respondessem a duas perguntas: "Querem uma nova Constituição?" e "Que órgão deve redigir a nova Constituição?", tendo a esmagadora maioria (79%) optado por uma Assembleia Constituinte composta apenas por cidadãos, contra 21% para uma assembleia composta por cidadãos e parlamentares.

Sobre a "saúde da democracia", o presidente chileno considerou que "a situação atual da pandemia e o risco de contágio inibem muitos de votar, diminuindo a participação e a legitimidade do processo eleitoral".

No Chile, o voto não é obrigatório. Para aumentar a participação e evitar aglomerações, o país já tinha decidido ampliar para dois dias as eleições, originalmente previstas para 11 de abril (um domingo).

 

Pandemia

O Chile atravessa o pior momento da pandemia até aqui. Nas últimas 24 horas, foram diagnosticadas 7.326 novas infeções, elevando para 41.767 o total de casos ativos.

O sistema de saúde do país, com 19 milhões de habitantes, está à beira do colapso, com 95% dos leitos de unidades de terapia intensiva ocupados.

Desde o início da pandemia, o Chile acumulou 977.243 contágios e 22.754 mortes provocadas pela doença. Só nas últimas 24 horas, morreram 101 pessoas.

Apesar dos recordes diários de contágios, o Chile é atualmente um dos países com campanhas de vacinação mais bem sucedidas.

O país já vacinou 6,3 milhões de pessoas, equivalentes a 33,4% da sua população, sendo o terceiro país que mais vacinou no mundo, atrás apenas de Israel e dos Emirados Árabes Unidos.

 

 

*Por RTP 

ROMA / BERLIM - A França expressou esperança de que especialistas médicos europeus esclareçam as questões sobre a segurança do COVID-19 disparado pela AstraZeneca na quinta-feira, já que especialistas alertaram que a decisão dos principais estados europeus de interromper o uso representa um risco maior para a saúde pública.

Em uma etapa coordenada, os maiores membros da União Europeia - Alemanha, França e Itália - suspenderam o uso da vacina da AstraZeneca na segunda-feira enquanto se aguarda o resultado de uma investigação pelo regulador de medicamentos do bloco em casos isolados de sangramento, coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas.

A Suécia e a Letônia se juntaram a eles na terça-feira, elevando para mais de uma dúzia o número de países da UE que agiram desde que surgiram os primeiros relatos de tromboembolias que afetaram as pessoas depois que eles receberam a injeção de AstraZeneca.

A Organização Mundial da Saúde e a Agência Europeia de Medicamentos se uniram à AstraZeneca para afirmar que não há uma ligação comprovada.

“A escolha é política”, disse Nicola Magrini, diretor-geral da autoridade italiana de medicamentos AIFA, ao jornal La Repubblica em uma entrevista.

Magrini chamou a vacina AstraZeneca de segura e disse que sua relação benefício-risco era “amplamente positiva”. Houve oito mortes e quatro casos de efeitos colaterais graves após a vacinação na Itália, acrescentou.

O ministro da Saúde da França, Olivier Veran, também disse a repórteres que a relação risco-recompensa da vacina permanecia positiva.

“Esperamos algum tipo de veredicto da comunidade científica europeia até quinta-feira à tarde, permitindo-nos retomar a campanha”, disse Veran. O chefe de vacinação da França, Alain Fischer, disse esperar que a suspensão seja temporária.

Os governos dizem que agiram por excesso de cautela, com o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, afirmando na segunda-feira que a decisão de suspender a AstraZeneca não era política, mas baseada em conselhos de especialistas.

Ele agiu depois que o cão de guarda de vacinas da Alemanha identificou um número incomum de casos de uma rara trombose venosa cerebral. De 1,6 milhão de pessoas na Alemanha que pegaram o AstraZeneca, sete adoeceram e três morreram.

O risco de morrer de COVID ainda é ordens de magnitude maior, especialmente entre os mais vulneráveis, como os idosos, disse Dirk Brockmann, epidemiologista do Instituto Robert Koch de Doenças Infecciosas.

“Nos grupos de risco, o risco de morrer de COVID é muito, muito maior. Isso significa que é provavelmente 100.000 vezes mais provável morrer de COVID do que por causa de uma vacina AstraZeneca”, disse Brockmann à televisão pública ARD.

 

 

*Por Giulia Segreti , Caroline Copley / REUTERS

BRUXELAS - O sentimento econômico na zona do euro subiu mais do que o esperado em fevereiro, impulsionado por mais otimismo na indústria, nos serviços e entre consumidores, aumentando as expectativas de inflação, mostraram dados nesta quinta-feira.

A pesquisa mensal de sentimento da Comissão Europeia mostrou que o otimismo econômico nos 19 países que usam o euro subiu a 93,4 pontos este mês de 91,5 em janeiro, superando as expectativas em pesquisa da Reuters de alta a 92,0.

O sentimento industrial melhorou a -3,3 em fevereiro de -6,1 pontos e contra expectativas de -5,0. No setor de serviços, o maior da zona do euro, o sentimento foi a -17,1 de -17,7 e expectativa de queda para -18,1.

Entre os consumidores, o otimismo subiu a -14,8 pontos de -15,5.

O cenário mais otimista se traduziu também em expectativas de preços de venda mais fortes entre os produtos -- 9,7 pontos de 4,8--, e entre consumidores -- a 15,7 de 15,4.

 

 

 

*Reportagem de Jan Strupczewski / REUTERS

EUA - Nesta quarta-feira, 24, o Google abre inscrições para o seu programa de treinamento e capacitação para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras ou negócios no meio digital. O Cresça com o Google para Mulheres (“Women Will”) acontece em sua primeira edição on-line no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, com a presença de convidadas como as executivas Rachel Maia e Sofia Esteves. As inscrições são gratuitas.

Serão lançadas duas trilhas de conhecimento: uma voltada às mulheres que querem empreender e evoluir seus próprios negócios e outra para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras. Nesta primeira trilha serão compartilhadas técnicas de gestão, liderança feminina, técnicas de vendas, finanças e, ainda, formas de construir sua marca pessoal. Já a segunda vai abordar temas como autoconhecimento, técnicas de entrevistas, apresentação pessoal e dicas para acelerar seu crescimento e alcançar objetivos profissionais.

Continua depois da publicidade

A programação inclui a participação de Susana Ayarza (Diretora de Marketing do Google Brasil), Rachel Maia (CEO e Fundadora da RM Consulting), Paula Bellizia (VP de Marketing do Google Brasil), Sofia Esteves (fundadora  do Grupo Cia de Talentos), além de palestrantes especialistas da Rede Mulher Empreendedora.

Para saber mais, confira a agenda completa abaixo:

Cresça com o Google para Mulheres que querem Empreender

 

  • Liderança para empreendedoras
  • Networking: Construindo redes de relacionamento
  • Desenvolva uma marca forte para o seu negócio
  • Aprenda a vender o seu peixe
  • Organização financeira como um hábito de vida
  • Trajetória empreendedora de Rachel Maia

Cresça com o Google para Mulheres que querem desenvolver suas carreiras

 

  • Autoconhecimento para escolhas profissionais
  • Comunicação eficaz para conversas profissionais
  • Melhorando a sua apresentação pessoal
  • Usando a sua experiência como diferencial no mercado de trabalho
  • Como se preparar  para entrevistas de emprego
  • Mudança de Carreira e a história Inspiracional de Sofia Esteves

“A pandemia afetou negativamente a todos, mas especialmente as mulheres. São muitas as que têm que fazer dupla jornada em casa, trabalhando e cuidando da família”, diz Susana Ayarza, diretora de Marketing do Google Brasil. “Com o Cresça, queremos mostrar histórias inspiradoras e garantir que todas as mulheres terão acesso ao conhecimento e às ferramentas necessárias para inovar em seus negócios e desenvolver suas carreiras por meio do digital”.

As inscrições podem ser feitas a partir desta quarta-feira, 24, na nova plataforma de treinamentos on-line do Cresça com o Google em g.co/TreinamentosCresca.

O conteúdo do treinamento estará disponível a partir do dia 8, às 9h.

 

 

*Por: ISTOÉ DINHEIRO

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30