fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Primeiros lotes da vacina serão limitados e governos terão que definir prioridades, como idosos e enfermos, alerta diretor da organização na Europa

 

MUNDO - O potencial das vacinas contra covid-19 é "fenomenal" e "pode virar o jogo", disse Hans Kluge, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Europa, nesta quinta-feira (3).

Falando de Copenhague, ele disse que a expectativa é de que os imunizantes serão muito limitados nos primeiros estágios e que os países precisam decidir quem será priorizado, mas a OMS afirma que existe um "consenso crescente" de que os primeiros atendidos deveriam ser idosos, profissionais de saúde e pessoas com comorbidades.

O Reino Unido aprovou na quarta-feira a vacina contra Covid-19 da parceria Pfizer e BioNTech, passando na frente do resto do mundo na corrida para começar o programa de inoculação em massa mais importante da história.

Leia mais: Reino Unido deve receber primeiras doses de vacina hoje

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, comemorou a aprovação da autoridade médica de seu país como uma vitória global, mas reconheceu os desafios logísticos de se vacinar uma população de 67 milhões de habitantes.

Agências reguladoras dos Estados Unidos e da União Europeia estão analisando os mesmos dados dos testes da vacina da Pfizer, mas ainda não deram sua aprovação.

Na quarta-feira, a OMS disse que recebeu dados da Pfizer e da BioNTech sobre a vacina e que está avaliando-os para uma "possível listagem de uso emergencial", uma referência para países autorizarem o uso nacional.

Copyright © Thomson Reuters.

Por R7

MUNDO - Portugal registrou entre janeiro e setembro quase 10 milhões de turistas estrangeiros a menos do que no mesmo período do ano passado, consequência da crise da covid-19, o que representa uma queda de 73,8%, revelou nesta segunda-feira (16) o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

No total, o setor português de hotelaria recebeu 8,7 milhões de pessoas durante nove meses, equivalente a 59,3% menos no número de hóspedes e, portanto, um colapso em seu faturamento de 64,5%, o que representa 1,23 bilhão de euros (cerca de 1,45 bilhão de dólares).

Neste contexto, o número de turistas estrangeiros caiu para apenas 3,4 milhões, contra 13 milhões entre janeiro e setembro de 2019.

O mercado interno apresentou melhores resultados, com uma queda de 36,9% - cerca de 5,3 milhões de hóspedes.

No que refere-se aos turistas estrangeiros, "os principais mercados [turísticos] também registraram quedas significativas, acima de 60%", destacou o INE português.

Portugal, cuja maior fonte de turistas é o Reino Unido, beneficiou-se entre o final de agosto e meados de setembro de uma suspensão temporária das restrições às viagens impostas no Reino Unido.

Entre abril e julho, o número de diárias contratadas por hóspedes procedentes do Reino Unido caiu mais de 90%. Depois, a queda em ritmo anual passou a 79,9% em agosto e 70,7% em setembro.

O turismo é o principal setor para a renda de Portugal, representando 8,7% do PIB do país.

Em 2019, em seu conjunto, apenas o mercado britânico gerou 3,3 bilhões de euros (cerca de 3,9 bilhões de dólares) em renda, à frente do mercado francês com 2,6 bilhões de euros (cerca de 3,07 bilhões de dólares).

 

 

*Por: AFP

MUNDO - O brasileiro Nicholas Santos, que faz parte da equipe Team Iron, aproveitou na sexta-feira (6), segundo dia da sétima etapa da Liga Internacional de Natação (ISL, sigla em inglês), em Budapeste, para cravar mais uma boa marca. O paulista venceu os 50 metros borboleta com 22seg08. O tempo foi o quarto melhor da carreira do brasileiro, que é o recordista mundial da prova com os 21seg75, obtidos na Copa do Mundo de 2018.

O resultado veio um dia depois de o atleta de 40 anos ter feito a melhor marca pessoal nos 100 metros borboleta, os 50seg18 que deram a ele a segunda posição na prova, ficando só atrás do campeão olímpico nos 200 metros, Chad Le Clos. Na semana passada, durante a etapa anterior da ISL, Santos já havia vencido outra prova dos 50 metros borboleta. Na ocasião, com o tempo de 22seg30.

Outro brasileiro que foi bem é Brandonn Almeida, do NY Breakers. O nadador fechou em segundo lugar os 400 metros medley com a melhor marca da carreira, 4min03seg61. O tempo anterior era 4min03seg71, que rendeu o bronze no Campeonato Mundial de Piscina Curta em 2018.

Brandonn, nesta sexta-feira, ficou atrás apenas do japonês Kosuke Hagino, que é o campeão olímpico da prova.

Nos 100 metros peito, Felipe Lima, da equipe Energy Standard, ficou em terceiro com a marca de 57seg31. Outro atleta nacional que foi ao pódio é Guilherme Basseto, da Iron Aquatics, nos 100 metros costas. O paulista marcou 50seg30.

A ISL, disputada em piscina curta (25 metros), é o maior evento da modalidade neste ano de 2020. São aproximadamente 400 atletas divididos em 10 times de vários países. Essas equipes se enfrentam em dez etapas classificatórias até o fim de novembro. A etapa decisiva está prevista para os dias 21 e 22.

 

 

*Por Juliano Justo - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional - Agência Brasil

MUNDO - O nível de ameaça de terrorismo do Reino Unido foi elevado para "grave" por precaução, depois dos ataques na França e na Áustria, comunicou a ministra do Interior, Priti Patel, nessa terça-feira (3).

A mudança, que significa que agora um ataque é considerado altamente provável, foi adotada um dia depois de um atirador, identificado como um jihadista condenado, matar quatro pessoas de madrugada em Viena. A França também sofreu três ataques nas últimas semanas.

"Esta é uma medida preventiva na esteira das instâncias terríveis que vimos na França na semana passada e dos eventos que vimos na Áustria", disse Patel em pronunciamento pela televisão.

Ela afirmou que a população não deve ficar alarmada e que a mudança do nível de ameaça não se baseia em nenhuma ameaça especifica. O novo nível de ameaça significa que um ataque é altamente provável, de acordo com o sistema de classificação do governo. O nível anterior, "considerável", significava que um ataque era provável.

O nível de ameaça britânico é avaliado pelo Centro Conjunto de Análise de Terrorismo, responsável pela agência de inteligência doméstica MI5 e composto por representantes de 16 departamentos e agências governamentais.

 

 

*Por William James e David Milliken - Repórteres da Reuters

MUNDO - A trading de grãos norte-americana Archer Daniels Midland reportou nesta quinta-feira uma queda de 44,7% no lucro do terceiro trimestre, afetada por custos maiores e por perdas com seguros relacionadas à unidade de serviços agrícolas e oleaginosas (Ag Services & Oilseeds).

A ADM disse que as despesas gerais, administrativas e com vendas avançaram para 636 milhões de dólares, ante 578 milhões de dólares em igual período do ano passado, devido principalmente aos gastos variáveis com remunerações por desempenho, que foram baixos no ano anterior.

Os resultados nos negócios não essenciais da empresa também foram menores, afetados pela queda nos lucros em serviços ao investidor e por perdas com o seguro cativo, incluindo um impacto de 17 milhões de dólares em um acordo fechado pela Ag Services & Oilseeds.

O lucro líquido atribuível à ADM recuou para 225 milhões de dólares, ou 0,40 dólar por ação, nos três meses encerrados em 30 de setembro. No mesmo período do ano passado, havia atingido 407 milhões de dólares, ou 0,72 dólar por ação.

Já a receita da empresa caiu para 15,13 bilhões de dólares, ante 16,73 bilhões de dólares no terceiro trimestre de 2019.

 

 

*Reportagem de Arundhati Sarkar / REUTERS

MUNDO - O grupo IAG anunciou nesta quinta-feira uma queda de 83% do faturamento no terceiro trimestre e um prejuízo operacional de 1,3 bilhão de euros (1,54 bilhão de dólares) devido ao impacto da pandemia no tráfego aéreo

No ano passado, no terceiro trimestre o grupo registrou um lucro operacional de 1,4 bilhão de euros (1,65 bilhão de dólares) no período, antes de gastos excepcionais.

Em seus resultados preliminares, o grupo matriz da British Airways e da Iberia, entre outras companhias aéreas, adverte que devido às novas restrições de viagens pela segunda onda de covid-19 sua capacidade de voo será de apenas 30% no quarto trimestre na comparação com 2019.

 

 

*Por: AFP

MUNDO - Acelerar a recuperação da recessão causada pelo coronavírus pode adicionar US$ 9 trilhões de dólares à renda global até 2025, disse ontem (15) a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. De acordo com ela, isso depende de uma forte cooperação internacional, incluindo vacinas.

Em entrevista coletiva após uma reunião do comitê diretor do FMI, Kristalina Georgieva pediu a Estados Unidos e China que mantenham um forte estímulo econômico que possa ajudar a impulsionar a recuperação global.

"Se conseguirmos progredir rapidamente em todos os lugares, poderemos acelerar a recuperação. E podemos adicionar quase US$ 9 trilhões à renda global até 2025, o que, por sua vez, poderia ajudar a diminuir a diferença de renda entre as nações mais ricas e mais pobres", disse a diretora do FMI.

"Precisamos de forte cooperação internacional, e isso é mais urgente hoje para o desenvolvimento e distribuição de vacinas", acrescentou.

O acesso equitativo e econômico a tratamentos e vacinas para a covid-19 em todo o mundo será a chave para evitar uma recuperação econômica que deixe "cicatrizes duradouras", diz comunicado do Comitê de Aconselhamento.

 

Mais participantes

Segundo o comitê, a participação dos credores privados e dos credores bilaterais oficiais no alívio da dívida dos países pobres é essencial. Para Kristalina Georgieva, a participação do setor privado ainda é necessária e continua sendo uma questão pendente.

O G20 (grupo formado pelas principais economias do mundo) aprovou na quarta-feira (14) uma prorrogação de seis meses, até meados de 2021, da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI, na sigla em inglês), que congela os pagamentos da dívida bilateral oficial, e disse que consideraria uma nova extensão de seis meses em abril. No entanto, credores privados e os de fora do Clube de Paris não estão participando totalmente.

"Estamos decepcionados com a ausência de progresso na participação dos credores privados no DSSI e os encorajamos fortemente a participar em termos comparáveis ​​quando solicitados pelos países elegíveis", disse o comitê, ao mesmo tempo que estimulou "a plena participação dos credores bilaterais oficiais".

 

 

*Por David Lawder e Rodrigo Campos - Repórteres da Reuters

MUNDO - Neste último domingo, o Los Angeles Lakers atropelou o Miami Heat, fechou as Finais da NBA em 4 a 2 e conquistou o 17º título da história da franquia.

Anthony Davis, que chegou neste ano na franquia, conquistou o primeiro título de sua carreira em um ano que ficou marcado pela trágica morte de Kobe Bryant, em janeiro.

Na entrevista ainda na quadra após a conquista, o camisa 3 dos Lakers falou sobre a sensação de vencer em um ano tão emocionante e dedicou o título ao "irmão mais velho" Kobe Bryant.

"Nós não o desapontamos. Desde a tragédia, tudo que queríamos era vencer para ele. E não o desapontamos. Seria ótimo que tivesse sido coma camisa dele, mas não ter acontecido só deixou a gente mais agressivos nos dois lados da quadra e prontos para fechar hoje. Tenho certeza que ele está orgulhoso de nós, Vanessa está orgulhosa de nós, a organização está... Significa muito para nós. Ele foi um irmão mais velho para todos nós e fizemos isso para ele", disse.

O título foi o primeiro da carreira de Anthony Davis e seu companheiro de dupla estelar, LeBron James, falou sobre a sensação de poder fazer parte dessa história.

"Existem alguns anos que você sente que não consegue dar o próximo passo. Eu senti isso por sete anos e que precisava de alguém para me ajudar a dar o próximo passo por isso fui para Miami, para ter a ajuda de Bosh e Wade. Fizemos isso agora pelo Anthony Davis e saber que ele confiou em mim para isso, para mostrar o quão grande ele é, o quão espetacular ele é, é maravilhoso", comentou.

 

 

* Por: ESPN.com.br

MUNDO - O Google retirou a Austrália da lista de países incluídos em parceria que pagará a empresas por conteúdo jornalístico –o Google News Showcase, lançado em 1º de outubro.

A big tech argumenta não ter certeza se o programa seria viável no país por causa de 1 projeto de lei, proposto em 31 de julho, que determina o pagamento a veículos de mídia por conteúdo reproduzido no Google e no Facebook.

A vice-presidente do Google na Austrália, Melanie Silva, disse que o “sistema de arbitragem” proposto no texto é “impraticável”.

“Não nos opomos a 1 código e a 1 sistema para resolver disputas entre as partes. Mas o sistema de arbitragem delineado no projeto é impraticável. Temos preocupações sobre suas condições de pagamento injustas e definições e obrigações pouco claras”, afirmou.

A decisão pode ser revista, segundo Melanie. No texto, a vice-presidente afirma que as condições “podem ser alteradas” para tornar o projeto “justo e viável“.

CONTEXTO

O ministro das Finanças da Austrália, Josh Frydenberg, determinou em abril que Google e Facebook negociassem a porcentagem de remuneração por material de empresas de jornalismo.

Como explicou o articulista Mario Cesar Carvalho em artigo no Poder360, a Austrália quer 1 produto mais profundo de regulamentação. Investigação do governo concluiu que Google e Facebook cometem violações que vão desde a invasão de privacidade ao monopólio.

O que a Austrália defende, em suma:

  • publicidade e usuários comerciais – já que Facebook e Google atuam como agências e também intermediadores de negócios;
  • mídia – objetivo seria esclarecer o que pode ou não nas redes sociais como veículos de comunicação e distribuidores de notícias;
  • relação comercial e monetização de notícias – intenção é gerar renda para jornais e outros meios de comunicação que têm seu material veiculado no Facebook –e que não recebem nada por isto.

GOOGLE NEWS SHOWCASE

O novo acordo da empresa com veículos em vários países (Alemanha, Argentina, Brasil, Canadá e Reino Unido) para pagar por conteúdo jornalístico apresenta cláusula controversa: impede que as companhias de mídia, que aderirem ao projeto, cobrem algum tipo de reparação judicial pelo uso que considerarem indevido de seu material na plataforma da big tech.

É como se jornais impressos ou digitais, revistas ou qualquer veículo jornalístico renunciassem ao direito de cobrar do Google por alguma irregularidade cometida com uso impróprio de conteúdo. A empresa de jornalismo que buscar alguma reparação judicial terá seu contrato com o Google imediatamente rompido –o que pode tornar muitos negócios de comunicação ainda mais dependentes dos serviços da big tech.

A controvérsia foi apontada de maneira bem direta e crítica numa nota do Conselho Europeu de Publishers, publicada em 1º de outubro de 2020.

A crítica que os europeus fazem é sobre a tentativa do Google de se antecipar a legislações nacionais que estão em fase de implantação e que pretendem impor à big tech pagamentos muito mais pesados pelo uso de conteúdo jornalístico de terceiros.

 

 

*Por: PODER360

MUNDO - Eleitores suíços rejeitaram por maioria esmagadora, nesse domingo (27), a tentativa de um partido de direita de eliminar o pacto que permite a livre movimentação de cidadãos da União Europeia (UE), optando por estabilidade em meio à incerteza econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

O Partido do Povo Suíço (SVP) havia forçado um referendo sobre o pacto da UE, em uma tentativa de limitar a imigração para o país, onde um quarto da população é de estrangeiros. A medida perdeu, como esperado, por 62% a 38%.

“O pacto bilateral é correto para a Suíça e para a União Europeia. O povo suíço confirmou o pacto novamente”, afirmou a Ministra da Justiça, Karin Keller-Sutter, a repórteres, em Berna.

“É um grande dia para as relações entre a União Europeia e a Suíça”, afirmou o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no Twitter. “O povo suíço falou e enviou uma mensagem clara: juntos, temos um grande futuro”.

O SVP, maior partido do Parlamento suíço, há tempos pressiona para recuperar o controle sobre a imigração, ecoando alguns argumentos de políticos pró-Brexit utilizados antes da saída do Reino Unido da União Europeia. Eles venceram um referendo de 2014 sobre o assunto, mas apenas para ver o Parlamento minar sua implementação.

Adversários afirmaram que o plano teria diminuído as oportunidades de negócios para trabalhadores qualificados e prejudicariam acordos que reforçam o acesso da Suíça, que não é membro da UE, ao crucial mercado único do bloco.

Por volta de dois terços dos 2,1 milhões de estrangeiros vivendo na Suíça em 2019 são cidadãos da UE ou da Islândia, Noruega e Liechtenstein, que ao lado da Suíça são membros da Associação de Livre Comércio Europeia (Efta, a sigla em inglês). Mais de 450 mil suíços vivem na União Europeia.

Os eleitores também bloquearam a tentativa de facilitar a caça a lobos, considerados uma ameaça ao gado. Eles ainda aprovaram, com pequena margem, os planos do governo de comprar novos jatos de guerra por até 6 bilhões de francos suíços (US$ 6,46 bilhões).

 

 

*Por Michael Shields - Repórter da Reuters

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Dezembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31