fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

PEQUIM - Os Estados Unidos frequentemente enviam navios e aeronaves ao Mar da China Meridional para "flexionar seus músculos" e isso não é bom para a paz, disse o Ministério das Relações Exteriores da China na segunda-feira, depois que um grupo de porta-aviões dos EUA navegou para a disputada hidrovia.

O estratégico Mar da China Meridional, por meio do qual trilhões de dólares em fluxos comerciais a cada ano, há muito é um foco de contenção entre Pequim e Washington, com a China particularmente irritada com a atividade militar dos EUA naquele país.

O grupo de porta-aviões norte-americano liderado pelo USS Theodore Roosevelt e acompanhado por três navios de guerra, entrou na hidrovia no sábado para promover a “liberdade dos mares”, disseram os militares americanos, poucos dias depois de Joe Biden se tornar presidente dos Estados Unidos.

“Os Estados Unidos freqüentemente enviam aeronaves e navios ao Mar da China Meridional para exercitar seus músculos”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, a repórteres, em resposta à missão dos EUA.

“Isso não conduz à paz e estabilidade na região.”

A China tem se queixado repetidamente de navios da Marinha dos EUA chegando perto das ilhas que ocupa no Mar da China Meridional, onde Vietnã, Malásia, Filipinas, Brunei e Taiwan têm reivindicações concorrentes.

O grupo de porta-aviões entrou no Mar da China Meridional ao mesmo tempo em que Taiwan relatou incursões de jatos da força aérea chinesa na parte sudoeste de sua zona de identificação de defesa aérea, gerando preocupação em Washington.

A China não comentou o que sua força aérea estava fazendo e Zhao encaminhou as questões ao ministério da defesa.

Ele reiterou a posição da China de que Taiwan é uma parte inalienável da China e que os Estados Unidos devem obedecer ao princípio de “uma China”.

O presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, visitou uma base de radar no norte da ilha na segunda-feira e elogiou sua capacidade de rastrear as forças chinesas, disse seu gabinete.

“Desde o ano passado até agora, nossa estação de radar detectou cerca de 2.000 aeronaves comunistas e mais de 400 navios comunistas, permitindo-nos monitorá-los e afastá-los rapidamente e proteger totalmente o mar e o espaço aéreo”, disse ela aos oficiais.

O novo governo de Biden diz que o compromisso dos Estados Unidos com Taiwan é “sólido como uma rocha”.

Os Estados Unidos, como a maioria dos países, não têm laços diplomáticos formais com Taiwan, mas são o mais importante financiador internacional da ilha democrática e o principal fornecedor de armas, para raiva da China.

 

 

*Reportagem de Cate Cadell / REUTERS

EUA - Um único bilhete premiado da loteria Mega Millions de 1,05 bilhão de dólares, o terceiro maior prêmio da história dos Estados Unidos, foi vendido em um supermercado em um subúrbio de Detroit, disseram os organizadores da loteria neste último sábado.

O titular do bilhete vencedor, ao custo de 2 dólares, ainda não havia contatado a loteria na manhã de sábado após o sorteio de sexta-feira à noite, disse a Mega Millions em comunicado. O bilhete foi comprado em um supermercado Kroger em Novi, no Michigan, segundo a nota.

O vencedor pode optar por receber o prêmio em pagamentos anuais ao longo de 29 anos, embora 24% terão que ser dados em impostos para o Internal Revenue Service, ou, em vez disso, solicitar um pagamento único em dinheiro, recebendo 530 milhões de dólares após os impostos.

O prêmio cresceu ao longo de quatro meses após 36 sorteios anteriores não produzirem nenhum vencedor.

O maior prêmio de loteria de todos os tempos nos EUA foi 1,586 bilhão de dólares acumulado em janeiro de 2016 na Powerball, outra loteria multiestadual do país.

 

 

 

*Reportagem de Jonathan Allen / REUTERS

EUA - A NBA (liga de basquete profissional dos Estados Unidos) anunciou nesta quinta-feira (21) que os três próximos jogos do Memphis Grizzlies foram adiados em razão dos protocolos de saúde e segurança da competição.

Assim, os jogos dos Grizzlies em Portland, nesta sexta-feira (22), e em Sacramento, nos próximos domingo (24) e segunda-feira (25), terão as datas mudadas.

“Os jogos foram adiados por causa do número de jogadores do Grizzlies disponíveis e pelo rastreamento de contato para outros membros da lista, e para garantir a saúde e segurança dos jogadores em ambas as equipes”, diz o comunicado da liga norte-americana.

 

 

*Por Agência Brasil

MUNDO - A Amazon ofereceu nessa última 4ª feira (20), dia da posse do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, seu sistema operacional para ajudar a vacinar a população norte-americana. A meta de Biden é imunizar 100 milhões de pessoas nos primeiros 100 dias de mandato.

O chefe de negócios internacionais da Amazon, Dave Clark, enviou uma carta a Biden para pedir que seus funcionários sejam vacinados o quanto antes. A Amazon é o 2º maior empregador do país. A empresa tem 800 mil funcionários e a maioria é de trabalhadores essenciais, que não podem fazer o trabalho de casa.

Na carta, a empresa oferece recursos para ajudar no plano nacional de vacinação.

“Estamos comprometidos a ajudar seu governo nos esforços de vacinação, enquanto trabalhamos juntos para proteger nossos funcionários e continuamos oferecendo serviços essenciais durante a pandemia”, diz o texto.

A Uber também ofereceu apoio logístico para ajudar na campanha. Em dezembro, o chefe executivo da empresa, Dara Khosrowshahi, pediu aos governos estaduais que os motoristas sejam rapidamente vacinados para que possam colaborar mais com o plano de distribuição de vacinas.

Além de vacinar pelo menos 100 milhões de pessoas até 30 de abril, Biden prometeu aprovar um pacote de estímulos de US$ 1,9 trilhão para reduzir impacto econômico e social da pandemia.

No dia 14 de janeiro, ao apresentar o plano de resgate econômico, Biden considerou que a distribuição da vacina “tem sido um fracasso” e ressaltou que eles “não têm tempo a perder” para enfrentar a situação atual.

Antecipando as críticas de que esse novo plano poderia aumentar o endividamento do país e prejudicar as finanças públicas, o presidente norte-americano destacou que “o retorno dos investimentos em termos de emprego evitará prejuízos econômicos no longo prazo”.

 

 

*Por: PODER360

BRASÍLIA/DF - Após perder seu principal e talvez único aliado internacional, o presidente Jair Bolsonaro deu dois passos atrás e hasteou uma bandeira branca para Joe Biden, recém-empossado presidente nos Estados Unidos que substitui Donald Trump. Em carta enviada ao novo presidente, Bolsonaro fez o primeiro gesto para evitar que o Brasil se isole mais internacionalmente, num momento em que o Governo está sob pressão interna por falhar na “diplomacia da vacina” com a China e a Índia. Desejou êxito ao democrata e demonstrou que o país está preocupado com a manutenção do Acordo de Paris, o acordo global contra a crise climática que Biden acaba de retomar após a retirada determinada por Trump. Bolsonaro e equipe sempre demonstraram pouco apreço pelo trato que prevê que os países devam cumprir metas para frear o aquecimento global.

“Estamos prontos, ademais, a continuar nossa parceria em prol do desenvolvimento sustentável e da proteção do meio ambiente, em especial a Amazônia, com base em nosso Diálogo Ambiental, recém-inaugurado. Noto, a propósito, que o Brasil demonstrou compromisso com o Acordo de Paris com a apresentação de suas novas metas nacionais”, disse Bolsonaro.

Ao citar a política ambiental, o mandatário brasileiro muda o tom empregado em boa parte de sua gestão. No ano passado, após um debate entre Biden e Trump, no qual o democrata criticou o desmatamento e prometeu angariar 20 bilhões de dólares para o Brasil não queimar mais a Amazônia, Bolsonaro reagiu de maneira contundente. Considerou o comentário lamentável e desastroso. A questão ambiental, a economia verde, são questões centrais na agenda de Biden.

Nos últimos dias, o EL PAÍS ouviu de diplomatas europeus e asiáticos que os chanceleres de países europeus, principalmente, darão suporte a qualquer veto ou restrição que Biden fizer ao Brasil por conta política ambiental, daí a preocupação de Bolsonaro. De acordo com esses interlocutores, os europeus já pediram que o presidente americano faça essa pressão.

Na carta, Bolsonaro também demonstrou que espera um “excelente futuro para a parceria Brasil-EUA”. A carta foi publicada na íntegra em suas redes sociais. No documento, o brasileiro ainda expressou que espera que Biden cumpra um compromisso feito por seu antecessor, o de apoiar o ingresso do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “Na OCDE, com o apoio dos EUA, o Brasil espera poder dar contribuição mais efetiva e aumentar a representatividade da organização. Nosso processo de acessão terá, também, impacto fundamental para as reformas econômicas e sociais em curso em nosso país”.

A entrada na OCDE foi debatida por Bolsonaro e Trump, mas o americano deixou o tema apenas nos discursos. A carta entregue nesta quarta-feira tenta reparar a demora que o presidente brasileiro teve em reconhecer a vitória de Biden. Ele levou quase um mês para admitir que o democrata havia derrotado seu preferido declarado nas urnas. Ainda assim, aderiu, até o início de janeiro, à teoria infundada de Trump de que as eleições foram fraudadas e, ao contrário de vários líderes mundiais e de vizinhos, como o argentino Alberto Fernández, não criticou o ataque ao Capitólio.

Ampla crise diplomática

Para um futuro de algum sucesso entre os dois países a partir de agora era esperado esse primeiro gesto do Brasil para tentar acalmar os ânimos. A nova gestão democrata é considerada pragmática na seara internacional e não se espera que se atue para exacerbar conflitos, nem mesmo para com o Planalto. A guinada de Bolsonaro acenando a Biden e publicando nas redes sociais, sua principal correia de transmissão com sua base radical, é feita em um momento em que a política de relações exteriores do Brasil tem sido colocada em xeque. Nas últimas semanas, o Brasil fracassou em importar 2 milhões de doses da vacina de um laboratório Índia e não obteve aprovação para comprar insumos da China para produzir o imunizante em solo brasileiro. Enquanto isso, vê a Argentina obter acordo parecido.

Ideologizada, a política externa brasileira tem cometido vários deslizes. Em vários momentos seus protagonistas são personagens-chaves que deveriam apaziguar ao invés de estressar o relacionamento. Só com a China já houve sinais negativos enviados pelo próprio presidente, pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pelo deputado federal e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Eduardo Bolsonaro, e pelo ex-ministro da Educação Abraham Weintraub.

Diante da atual crise com os chineses, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, interveio e se encontrou com o embaixador do país em Brasília. Encontro que foi celebrado pelo embaixador Yang Wanming. O que forçou o Governo brasileiro a emitir uma nota dizendo que representantes do Itamaraty, da Saúde, da Agricultura e das Comunicações debateram o tema com a embaixada chinesa. E ainda ressaltou que “o Governo Federal é o único interlocutor oficial com o Governo chinês”.

 

 

*Por: Afonso Benites / EL PAÍS

MUNDO - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou, nesta quarta-feira (20), o retorno dos Estados Unidos ao Acordo de Paris. Biden prometeu colocar os Estados Unidos no caminho do saldo zero em emissões de gases de efeito estufa até 2050. Biden e a vice-presidente Kamala Harris tomaram posse na tarde de ontem, 20.

Biden também revogou uma licença que era essencial para o projeto de oleoduto Keustone XL e uma moratória a atividades de exploração de óleo e gás no Refúgio Nacional da Vida Selvagem no Ártico.

O presidente também assinou pelo menos seis decretos relacionados à imigração. Entre os decretos, está a suspensão imediata da proibição da entrada nos Estados Unidos de pessoas oriundas de diversos países, principalmente muçulmanos ou africanos, interromper a construção de um muro na fronteira com o México e reverter uma ordem do ex-presidente Donald Trump que impedia que imigrantes ilegais fossem contados na próxima redefinição dos distritos eleitorais para o Congresso dos EUA.

Biden ainda assinou um memorando direcionando o Departamento de Segurança Nacional e o procurador-geral dos EUA a preservar o programa Daca, que protege de deportação imigrantes que chegaram ao país como crianças, e para reverter a ordem executiva de Trump que pede fiscalização interna mais rígida à imigração.

O presidente também enviou ao Congresso um projeto de lei de imigração que abre caminho para a cidadania de imigrantes que vivem ilegalmente no país.

 

 

* Com informações da Agência Reuters

*Por Agência Brasil

EUA - Joe Biden assume nesta quarta-feira (20) como o 46º presidente dos Estados Unidos em uma cerimônia com limitações provocadas pela pandemia do novo coronavírus e com segurança reforçada, após o ataque ao Capitólio no início do mês. Acompanhado pela vice-presidente Kamala Harris eles tomam posse às 12h (14h no horário de Brasilia).

Devido à pandemia, a cerimônia de posse do democrata terá poucos convidados e não terá público, ao contrário do que tradicionalmente ocorre.

A equipe de transição de Biden já previa um evento limitado devido à covid-19, que nos Estados Unidos matou mais de 400 mil pessoas, mas o ataque ao Capitólio no dia 6 de janeiro fez com que a prefeitura de Washington reforçasse a segurança da cidade. Na tarde ontem, 25 mil membros da Guarda Nacional aguardavam a chegada de Biden, mais que o dobro do efetivo de cerimônias passadas.

A posse de Biden e Kamala Harris não terá desfile, multidões ou baile, mas estão previstos atos virtuais e televisionados para compensar a falta de público. O atual presidente, Donald Trump, não vai comparecer à posse e será substituído pelo vice, Mike Pence.

O número de convidados será limitado. Além de congressistas e dos membros do governo, estarão presentes os ex-presidentes Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton, acompanhados de suas esposas, e o vice-presidente Mike Pence. Segundo os organizadores, serão colocadas 200 mil bandeiras dos estados para representar aqueles que não poderão participar do ato.

Biden fará o juramento em uma Bíblia que está com sua família desde o século 19 e o padre jesuíta Leo O'Donovan, amigo de Biden, fará a oração inaugural. O juramento à bandeira será feita por uma chefe dos bombeiros de South Fulton (Geórgia) e Lady Gaga vai cantar o Hino Nacional.

Segundo a mídia local, a poetisa Amanda Gorman lerá um poema e haverá apresentações musicais de Jennifer López e de Garth Brooks.

Na conclusão da cerimônia, Biben fará a tradicional inspeção das tropas como novo comandante-chefe do país. O desfile até a Casa Branca, no entanto, será substituído por um desfile virtual com a participação de pessoas de todo os EUA, segundo informaram os organizadores. Já o baile foi substituído por um especial de 90 minutos apresentado pelo ator Tom Hanks com a participação de vários artistas como Justin Timberlake, Bruce Springsteen, Bon Jovi e Demi Lovato. O evento será transmitido em vários canais, além das redes sociais.

 

Donald Trump

Ontem (19), Donald Trump exibiu um vídeo com seu discurso de despedida, divulgado no canal da Casa Branca no YouTube. Trump disse que encerra seu mandato como 45º presidente dos EUA orgulhoso de sua gestão. "Nós fizemos o que viemos aqui para fazer - e muito mais".

Trump desejou que a administração de Joe Biden mantenha “a América a salvo e próspera". "Nós estendemos nossos melhores desejos e também queremos que eles tenham sorte - uma palavra muito importante."

O presidente também falou sobre o ataque ao Capitólio. "Todos os americanos ficaram horrorizados com o ataque ao nosso Capitólio. Violência política é um ataque a tudo que celebramos como americanos. Nunca pode ser tolerada."

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retorna à Casa Branca depois que a mídia declarou o candidato democrata dos Estados Unidos à presidência, Joe Biden, como o vencedor das eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2020, em

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em discurso que encerra seu mandato como 45º presidente dos EUA orgulhoso de sua gestão - Reuters/Carlos Barria/Direitos Reservados

 

 

Invasão do Capitólio

A vitória de Biden foi confirmada pelo Congresso norte-americano no dia 7 de janeiro. Biden teve 306 votos confirmados contra 232 para Donald Trump.

No dia anterior, logo após o início da sessão para confirmação dos votos, o Capitólio, sede do Parlamento norte-americano, foi invadido por manifestantes, em uma ação que resultou na morte de cinco pessoas, sendo uma delas um policial, e mais de 50 detidos. A Guarda Nacional precisou intervir para que a sessão conjunta entre Câmara e Senado, que foi suspensa com a invasão, pudesse ser retomada. Washington declarou toque de recolher.

Donald Trump chegou a afirmar por meio das redes sociais que a transição desta quarta-feira será pacífica, apesar de novamente falar em fraude no processo eleitoral. No dia 13, Trump foi acusado formalmente de incitar uma insurreição contra o governo dos Estados Unidos e a Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) abriu um processo de impeachment contra presidente sete dias antes dele deixar o cargo.

As eleições americanas ocorreram no dia 24 de outubro, mas, este ano, a disputa foi acirrada e o resultado oficial ocorreu praticamente com a confirmação do resultado pelo Congresso. Nos Estados Unidos, cada estado tem autonomia e o anúncio oficial de cada uma das unidades federativas deve ser feito até dia 14 de dezembro, quando o Colégio Eleitoral confirma um vencedor a partir da somatória do número de delegados de cada estado – que varia de 3 a 55 – são esses delegados que escolhem o vencedor do pleito. Os votos de delegados vão para o partido que receber 50% dos votos mais um.

Tradicionalmente, os principais veículos de mídia dos Estados Unidos antecipam o vencedor e, normalmente, os próprios candidatos “confiam” nesta apuração informal e “aceitam” a derrota ou “comemoram” a vitória.

Donald Trump sustentou desde a divulgação desse resultado preliminar que houve fraude nas eleições e apresentou diversos recursos e ações judiciais para recontagem em vários estados alegando, por exemplo, que os votos enviados pelo correio estariam sujeitos a adulterações. No entanto, Trump não conseguiu nem uma vitória nos tribunais.

 

Apioadores do presidente Donald Trump fizeram protesto em frente ao Congresso norte-americano.

Os protestos e a invasão ao Capitólio marcaram as eleições de 2020 e a história dos Estados Unidos - Reuters/Direitos Reservados©

 

Internacionalmente alguns chefes de estado preferiram esperar uma definição mais clara da situação eleitoral para cumprimentar Biden, como foi o caso da China, da Rússia e do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

O comunicado de Bolsonaro ocorreu um dia depois da votação do Colégio Eleitoral que confirmou a eleição do democrata como próximo presidente norte-americano.

“Estarei pronto a trabalhar com vossa excelência e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos", disse Bolsonaro.

 

Relação Brasil-EUA

Para o professor Relações Internacionais da UnB, Juliano Cortinhas, a vitória de Biden nos Estados Unidos representará mais pragmatismo na relação entre os dois países e mais cobrança em relação a temas como o meio ambiente e direitos humanos.

"O pragmatismo me parece, do lado dos Estados Unidos, que será a palavra chave para a gente entender como eles vão olhar o Brasil. O Brasil está longe de ser prioridade para os Estados Unidos e vai continuar longe de ser. E certamente haverá muito mais cobranças em relação ao meio ambiente e em relação a direitos humanos."

Para Cortinhas, o Brasil precisa fazer a "lição de casa" para mostrar ao governo Biden que é um país importante com o qual os EUA tem interesse e legitimidade para negociar. "Hoje o que eu vejo nessa relação bilateral será muito mais cobranças vindas de lá. O foco [tende a ser] nos grandes parceiros dos Estados Unidos, [como] China, União Europeia principalmente, e outros países com os quais eles têm parcerias mais estratégicas."

Para o professor o Brasil terá um cenário diferente e bastante difícil pela frente.

 

 

 

* Com informações de agências internacionais

Por Agência Brasil*

 

MUNDO - Donald Trump, que deixa o cargo na próxima quarta-feira (20), rescindiu as restrições de viagens impostas em meados de março de 2020 em um de seus últimos atos antes de ser sucedido pelo presidente eleito Biden.

As restrições de entrada da Covid-19 impediram quase todos os cidadãos não americanos que, nos últimos 14 dias, estiveram no Brasil, Reino Unido, Irlanda e nos 26 países do espaço da UE que permitem viagens através das fronteiras abertas.

Mas a oferta do presidente para abrir as viagens anglo-americanas e impulsionar a indústria da aviação foi frustrada pela porta-voz do presidente eleito Biden na segunda-feira (18), poucos minutos depois que a agência de notícias Reuters deu a notícia.

O secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, twittou: “Com o agravamento da pandemia e mais variantes contagiosas emergindo em todo o mundo, este não é o momento de suspender as restrições às viagens internacionais.”

‘Seguindo o conselho de nossa equipe médica, a administração não pretende suspender essas restrições em 26/01/2021. Na verdade, planejamos fortalecer as medidas de saúde pública em relação às viagens internacionais, a fim de reduzir ainda mais a disseminação da Covid-19'.

Na semana passada, o chefe dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) assinou uma ordem exigindo que quase todos os passageiros aéreos apresentassem um teste negativo ou prova de recuperação da Covid-19 para entrar nos Estados Unidos a partir de 26 de janeiro.

Marty Cetron, diretor da divisão global de migração e quarentena do CDC, disse que as proibições de entrada foram uma ‘estratégia de ação inicial’ para lidar com a disseminação do vírus e agora devem ser ‘reconsideradas ativamente’.

As companhias aéreas esperavam que os novos requisitos de teste abrissem caminho para o governo suspender as restrições que reduziram as viagens de alguns países europeus e Brasil em 95% ou mais.

Eles pressionaram altos funcionários da Casa Branca sobre o assunto nos últimos dias. Muitos funcionários do governo por meses argumentaram que as restrições não faziam mais sentido, já que a maioria dos países não estava sujeita às proibições de entrada.

 

 

*Por: PaiPee

MUNDO - O Departamento de Justiça dos EUA disse no domingo que prendeu uma autoridade eleita do Novo México que prometeu viajar a Washington com armas de fogo para protestar contra a posse do presidente eleito Joe Biden.

Cuoy Griffin, um comissário do condado do Novo México e fundador de um grupo chamado “Cowboys for Trump”, foi preso em Washington por acusações relacionadas ao ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos, segundo documentos publicados no site do Departamento de Justiça.

Griffin estava entre os milhares que invadiram o Capitólio na tentativa de impedir o Congresso de certificar a vitória do democrata Biden sobre o presidente republicano Donald Trump, de acordo com documentos de acusação. Ele parou na escada do prédio, mas não entrou.

Após o motim, Griffin disse que planejava retornar antes da posse de Biden nesta quarta-feira. “Se fizermos isso, então será um dia triste, porque vai haver sangue correndo daquele prédio”, disse ele em um vídeo postado no Facebook, de acordo com um documento do FBI.

De volta ao Novo México, Griffin disse em uma reunião na quinta-feira do Conselho do Condado de Otero que planejava dirigir a Washington com um rifle e um revólver. Ele enfrenta acusações de invasão de propriedade.

As autoridades federais apresentaram acusações criminais contra mais de 100 pessoas até agora em conexão com o motim de 6 de janeiro, no qual os partidários de Trump invadiram o Capitólio, saquearam escritórios e atacaram a polícia. Os investigadores estão vasculhando mais de 140.000 vídeos e fotos do cerco no qual cinco pessoas morreram, incluindo um policial.

Autoridades americanas prenderam mais 10 pessoas no sábado e no domingo. Entre eles estava Chad Barrett Jones, de Kentucky, que as autoridades disseram ter sido capturado em vídeo usando um mastro de madeira para tentar quebrar os painéis das portas de vidro na Câmara dos Representantes. Ele enfrenta várias acusações, incluindo agressão a um oficial federal.

Dois primos, Daniel Adams do Texas e Cody Connell da Louisiana, também enfrentam acusações de agressão a um oficial federal por supostamente forçar a passagem pela Polícia do Capitólio e entrar no prédio. Connell postou vídeos de suas atividades nas redes sociais e disse a outras pessoas que planejava voltar a Washington com armas de fogo e coletes à prova de balas, de acordo com documentos do FBI.

Os encarregados da aplicação da lei estão se preparando para mais violência. Mais de uma dúzia de estados ativaram as tropas da Guarda Nacional após um alerta do FBI sobre manifestações armadas de extremistas de direita. Mas no final da tarde de domingo, apenas um punhado de manifestantes havia saído às ruas.

 

 

 

*Reportagem de Andy Sullivan / REUTERS

MUNDO - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, assinará ordens executivas no dia de sua posse, na próxima semana, para lidar com a pandemia, a debilitada economia americana, as mudanças climáticas e a injustiça racial, disse um assessor sênior neste sábado (16).

"Todas essas crises exigem ação urgente", afirmou seu novo chefe de gabinete, Ron Klain, em um comunicado, acrescentando que Biden assinará "cerca de uma dúzia" de decretos depois de assumir o cargo na quarta-feira.

"Em seus primeiros dez dias de mandato, o presidente eleito Biden tomará medidas decisivas para enfrentar essas quatro crises, prevenir outros danos urgentes e irreversíveis e restaurar o lugar da América no mundo", acrescentou Klain.

Ao ocupar a Casa Branca deixada por Donald Trump, Biden também herdará uma série de desafios.

Os Estados Unidos estão se aproximando rapidamente de 400.000 mortes pela covid-19, registrando mais de um milhão de novos casos por semana à medida em que o coronavírus se espalha de maneira incontrolável.

A economia também está fraca, com 10 milhões de empregos a menos disponíveis em comparação com o início da pandemia. E os consumidores e empresas americanas estão lutando para se manter à tona.

Biden revelou esta semana planos para arrecadar 1,9 trilhão de dólares para impulsionar a economia por meio de novos pagamentos de estímulo e outras ajudas, e disse que planeja acelerar os esforços para distribuir a vacina contra a covid-19 em todo o país.

Conforme prometido anteriormente, entre os decretos que serão assinados em seu primeiro dia estão um plano para os EUA retornarem ao acordo climático de Paris e outro para reverter a proibição, estabelecida por Trump, da entrada de pessoas de certos países de maioria muçulmana no país, de acordo com a nota de Klain.

"O presidente eleito Biden tomará medidas, não apenas para reverter os danos mais graves da administração Trump, mas também para começar a fazer nosso país avançar", declarou Klain.

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral