fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

O novo canal foi criado para facilitar as contribuições dos voluntários. O hospital enfrenta uma crise financeira, agravada pelo corte de verbas do Governo do Estado

 

SÃO CARLOS/SP  - A Santa Casa disponibiliza um novo canal de doações para quem quiser fazer contribuições mensais ao hospital. A partir de agora, os moradores de São Carlos vão receber um informativo na conta de água.

Quem quiser aderir, só precisa entrar em contato com o Setor de Captação de Recursos do hospital (confira os telefones abaixo). Então, uma equipe vai até à casa do morador uma única vez para entregar um termo de adesão. O valor mínimo de contribuição é de R$ 5,00.

Todos os valores doados vão ser direcionados para uma conta específica criada apenas para esse projeto. A cada seis meses, a Santa Casa vai prestar contas do montante das doações e informar para que ações e obras os recursos foram usados.

O novo canal de doação é mais uma ferramenta para ajudar a Santa Casa a arrecadar recursos. Com a pandemia do COVID-19, cerca de 2 mil doadores fixos deixaram de contribuir com a Santa Casa, uma queda de 25%. Além disso, os preços dos medicamentos, materiais e equipamentos de proteção individual aumentaram em torno de 11% em 2020. E para agravar a situação, o Governo do Estado cortou 12% das verbas destinadas às Santas Casas e hospitais filantrópicos paulistas.                                                                                

 “Nós disponibilizamos contas bancárias para transferências, criamos o Cartão Fidelidade +30 e, agora, a conta de água é mais um instrumento para facilitar as doações”, explica a coordenadora do Setor de Captação de Recursos, Ariellen Guimarães.

                        

POR QUE DOAR?

A Santa Casa é o principal hospital da região para média e alta complexidade (urgência e emergência, cardiologia, neurologia, neurocirurgia, cirurgia ortopédica, oftalmologia, maternidade e, também, referência no enfrentamento à COVID-19). A Instituição atende 6 municípios (São Carlos, Dourado, Ribeirão Bonito, Porto Ferreira, Descalvado e Ibaté), em um total de 400 mil habitantes.

Por conta da pandemia, o hospital vem enfrentando uma série de dificuldades financeiras. Os preços dos medicamentos, materiais e equipamentos de proteção individual aumentaram em torno de 11% em 2020. Os valores de alguns produtos, como máscaras, luvas, aventais e anestésicos, subiram ainda mais, cerca de 300%.

Além disso, com a decisão do Governo do Estado de cortar 12% as verbas para as Santas Casas e hospitais filantrópicos, a Santa Casa de São Carlos vai deixar de receber R$ 128.388,48 por mês. No ano, são R$ 1.540.661,76 a menos para o hospital. “Esses recursos são usados para o custeio da operação da Instituição, ou seja, pagamento de materiais, medicamentos, produtos de limpeza, gases medicinais, tudo aquilo que a gente usa para manter o hospital em funcionamento”, explica o Diretor de Operações da Santa Casa, Everton Beggiato.

O corte de 12% das verbas vai atingir 180 unidades hospitalares de todo o Estado de São Paulo, que deixarão de receber, ao todo, R$ 80 milhões de reais.

“Nossa preocupação é com a manutenção dos serviços oferecidos pelo hospital. Com certeza, essa redução de verbas pode trazer consequências para os atendimentos pelo SUS. Nós, da Provedoria e da Diretoria da Santa Casa estamos pedindo ajuda às autoridades municipais, aos deputados amigos das Santas Casas. Mas precisamos também do apoio e das doações da população para nos ajudar a fechar as contas e manter os atendimentos”, explica o Provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior.  

SERVIÇO:

CAMPANHA “DOE AMOR PELA CONTA DE ÁGUA”

Valor mínimo: R$ 5,00

Mais informações: 3509-1270/ (16) 99230-9294

A taxa de ocupação da UTI COVID da Santa Casa também volta a aumentar

 

SÃO CARLOS/SP - O número de óbitos por COVID-19 em São Carlos voltou a subir nas duas últimas semanas. De 14 a 20 de dezembro, o município não registrou nenhum óbito. De 21 a 27 de dezembro, 5 mortes foram registradas. De 28 de dezembro de 2020 a 3 de janeiro, 2 mortes foram registradas. De 4 a 10 de janeiro o número de óbitos voltou a aumentar e foram registradas 3 mortes. E nesta semana, até agora, já são 3 falecimentos. A análise foi feita pelo Serviço de Controle de Infecção Relacionada à Assistência em Saúde (SCIRAS) da Santa Casa.

A ocupação dos leitos de UTI da Santa Casa também aumentou no mesmo período. De 14 a 20 de dezembro, a média da taxa de ocupação foi de 43%. Subiu para 51% entre 21 e 27 de dezembro. Diminuiu para 39% entre 28 de dezembro de 2020 e 3 de janeiro. E de 4 a 10 de janeiro, voltou a subir e ficou em 52%.

“Os números começaram a subir depois das festas de Natal e Ano Novo, provavelmente porque muita gente viajou ou passou a folga em lugares com aglomeração. E os reflexos estão aparecendo. No momento, 90% dos leitos da cidade estão lotados. Vemos isso em todo o país. Por isso, reforçamos mais uma vez que é preciso continuar usando máscara, higienizando as mãos e a manter o distanciamento social. Sabemos que as pessoas estão cansadas, mas nós, profissionais da saúde também. E continuamos a lutar pela vida nos hospitais”, afirma o infectologista e gerente médico da Santa Casa, Roberto Muniz Junior. 

A Santa Casa possui 18 leitos de UTI (14 em funcionamento), 24 leitos de enfermaria (14 em funcionamento) na ALA COVID, 3 leitos pediátricos (2 em funcionamento) e 3 leitos neonatal (2 em funcionamento) e uma equipe altamente capacitada formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e nutricionistas para garantir o melhor atendimento aos nossos pacientes. Diferentemente de outros lugares do país, em São Carlos não faltaram leitos para atendimento.

“Temos 4 leitos de UTI COVID Adulto, 10 leitos de enfermaria e 2 leitos pediátricos preparados que podem ser colocados em operação diante de uma necessidade. Mas é preciso que a população continue respeitando as medidas de segurança e de isolamento social. E também respeite o fluxo de atendimento. Quem apresentar os primeiros sintomas respiratórios ou suspeita de COVID- 19 deve, primeiro, procurar o Centro de Atendimento e Triagem de Síndrome Gripal (Covidário), instalado no Ginásio Milton Olaio Filho. Os profissionais de saúde de lá é que avaliam a necessidade de encaminhar o paciente para a Santa Casa e solicitam o transporte do SAMU para isso”, explica o infectologia e Diretor Técnico da Santa Casa, Vitor Marim.

 

O número de voluntárias caiu mais de 70%. Para ser doadora, basta fazer um cadastro, passar por exames e a equipe do Banco de Leite vai buscar as doações

 

SÃO CARLOS/SP - O Banco de Leite da Maternidade da Santa Casa precisa de mães doadoras de leite materno.

O número de voluntárias caiu mais de 70%. Até o fim de 2020, 60 mães estavam cadastradas e faziam as doações. Hoje, o Banco conta com apenas 16 voluntárias.

“Normalmente, nessa época do ano, em função das férias e das viagens em família, as doações diminuem. Mas neste ano, a queda foi mais acentuada”, explica o pediatra e coordenador do Banco de Leite, André Giusti.

O leite materno doado é oferecido para os bebês prematuros internados na UTI Neonatal e também na UCIN (Unidade de Cuidados Intermediários). Importante ressaltar que é o alimento ideal para os recém-nascidos. O Ministério da Saúde recomenda que os bebês mamem exclusivamente no peito até os seis meses. E continue sendo amamentados até 2 anos ou mais. “Além de ser rico em anticorpos, ele tem outros fatores que ajudam a combater uma possível infecção, o que faz com o que o bebê se desenvolva de maneira melhor e mais segura e, dessa forma, receba alta mais rapidamente”, afirma o coordenador do Banco de Leite.

COMO SE TORNAR UMA DOADORA

Para ser doadora, basta procurar o Banco de Leite, que fica dentro da Maternidade da Santa Casa. A candidata à doação passa por exames e faz um cadastro. Ela recebe frascos e outros materiais para fazer a doação. Então, uma vez por semana, a equipe do Banco passa para buscar o leite.  O atendimento é feito todos os dias, incluindo feriados, das 7h às 18h. O telefone para contato é o (16) 3509-1175.

“Nós do Banco de Leite precisamos somente da ‘sobra’. Ou seja, a mãe amamenta o seu bebê até que ele fique satisfeito e faz a ordenha e o armazenamento apenas do excedente. Então, ela guarda essa doação no congelador ou no freezer e nós vamos buscar na casa dela”, ressalta o pediatra e coordenador do Banco de Leite, André Giusti.

SEGURANÇA NO PROCESSO DE CONTROLE E ARMAZENAMENTO

Para que o leite materno doado possa ser ofertado aos bebês prematuros internados na Santa Casa, o processo de controle de qualidade é rigoroso. A equipe do Banco de Leite busca as doações na casa das voluntárias. O frasco com o leite doado é colocado numa caixa térmica com um termômetro para o controle da temperatura. Quando chegam no Banco de Leite, os frascos são higienizados e o leite é avaliado e congelado.

De uma a duas vezes por semana, a equipe do Banco de Leite faz a pasteurização usando equipamentos adequados para esse processo. Depois, o leite pasteurizado é distribuído em frascos. Um detalhe importante é que antes e depois da pasteurização, o leite materno doado passa por exames e aquele que não estiver dentro dos padrões é descartado.

 

SERVIÇO

BANCO DE LEITE

LOCAL: Maternidade da Santa Casa

HORÁRIO: 7h às 18h – todos os dias, incluindo feriados

CONTATO: (16) 3509-1175.         

A Santa Casa de São Carlos vai deixar de receber mais de R$ 1,5 milhões de reais. Os recursos serão retirados de dois programas de auxílio: Pró-Santa Casa e Programa Sustentável.

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos vai deixar de receber do Governo de São Paulo R$ 128.388,48 por mês. No ano, são R$ 1.540.661,76 a menos para o hospital. Os recursos serão retirados de dois programas de auxílio: Pró-Santa Casa e Programa Sustentável. A decisão foi publicada no Diário Oficial nesta última quarta-feira (6).

“Os dois programas são destinados para o custeio da operação do hospital, ou seja, pagamento de materiais, medicamentos, produtos de limpeza, gases medicinais, tudo aquilo que a gente usa para manter o hospital em funcionamento”, explica o Diretor de Operações da Santa Casa, Everton Beggiato.

O corte de 12% das verbas vai atingir 180 unidades hospitalares de todo o Estado de São Paulo, que deixarão de receber, ao todo, R$ 80 milhões de reais. A resolução publicada no Diário Oficial na quarta-feira (6) torna a situação dos hospitais filantrópicos ainda mais delicada em meio ao enfrentamento da pandemia.

“O momento de tomar essa decisão é lamentável, porque a nossa perda financeira é dobrada. Isso porque, em função da pandemia, os preços dos medicamentos, materiais e equipamentos de proteção individual aumentaram em torno de 11% em 2020. Os preços de alguns produtos, como máscaras, luvas, aventais e anestésicos, subiram 300%”, afirma o Diretor de Operações da Santa Casa, Everton Beggiato.

A preocupação da Santa Casa é com a manutenção dos serviços oferecidos pelo hospital.  Segundo o Provedor Antonio Valério Morillas Júnior, “com certeza, essa redução de verbas pode trazer consequências para os atendimentos pelo SUS. Nós, da Provedoria e da diretoria da Santa Casa, não estamos medindo esforços para minimizar os prejuízos aos nossos pacientes.  Nesse sentido, esperamos que a população e as autoridades se unam e nos ajudem a defender o nosso hospital, porque é aqui que resolvemos a grande maioria dos problemas de saúde da nossa comunidade”

Foram 556 cartas e bombons entregues aos profissionais da saúde, hotelaria e área administrativa como forma de agradecimento.

 

SÃO CARLOS/SP - Um grupo de voluntários da Congregação de Língua Espanhola das Testemunhas de Jeová de São Carlos preparou 556 cartas com bombons para os profissionais da Santa Casa. No total, 46 pessoas entre idosos, adultos e crianças prepararam as cartas escritas à mão. Dessas, 310 cartas foram destinadas aos médicos, 133 aos enfermeiros, 60 para a equipe da limpeza e 53 cartas foram entregues para as áreas administrativas.

De acordo com o representante do grupo, Juliano Linares Santos, a ação visa valorizar a dedicação dos profissionais da saúde pelo cuidado oferecido aos pacientes, principalmente durante todo esse ano de pandemia. “Com o passar dos meses, temos observado o grande esforço de todos os profissionais que trabalham na linha de frente no combate à pandemia.  Um integrante do nosso grupo contraiu a doença e precisou de cuidados especiais. Por esse motivo, decidimos escrever cartas de agradecimento aos profissionais da Santa Casa de São Carlos que atuam no combate da COVID-19 e todas as equipes em geral do hospital que trabalham arduamente arriscando suas próprias vidas para cuidar da saúde de tantas pessoas que necessitam de cuidados”, explica o representante.

Juliano ressalta que o trabalho terá continuidade e o grupo já está escrevendo cartas para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de São Carlos e Araraquara.

As cartas foram entregues aos profissionais de diversos setores através da equipe do Centro Integrado de Humanização da Santa Casa. Segundo a coordenadora do Centro Integrado de Humanização da Santa Casa, Juliana Tedesco “ações como estas são importantes para valorizar o trabalho dos profissionais que se dedicam ao cuidado do próximo em um momento tão ímpar. Os profissionais de saúde também sentem medo da doença e, mesmo assim, em um ato de coragem, se expõem para cuidar das pessoas que necessitam”, conta a coordenadora.

“Só tenho a agradecer a todos pelo carinho recebido, nos sentimos vistos e isso nos conforta e nos dá mais força para seguir em frente e a fazer o melhor por cada paciente. Gratidão por cada palavra recebida através da carta. Esse gesto nos tirou tantos sorrisos nesse momento difícil que estamos passando. Obrigada por nos proporcionarem esse sentimento de felicidade”, ressalta a psicóloga da Santa Casa, Jaqueline Triani.

Para o nefrologista e Responsável Técnico da Nefrologia da Santa Casa, Douglas Pinotti, esse gesto é muito importante para demonstrar, em um momento em que todos estão fragilizados. “Por conta da pandemia, muitos abriram mão de muitos projetos pessoais para se empenhar nesse trabalho árduo. Por isso, receber um alento de uma comunidade tão importante e religiosa da cidade, só nos faz acreditar que estamos no caminho certo. Em nome de toda equipe da Nefrologia, quero agradecer o carinho do grupo e dizer que isso nos dá forças”, agradece Pinotti.

“Acredito que influenciamos a vida do próximo. Deixamos marcas na vida das pessoas, assim como os pacientes deixam marcas em nossas vidas. Esse gesto foi genuíno e nos trouxe mais ânimo, coragem e vontade de lutar ainda mais pela cura de cada paciente”, ressalta a Nefrologista da Santa Casa, Ana Paula Giraldes.

A Escriturária do setor da Nefrologia da Santa Casa, Silvia Marques, afirma que “esse gesto tão simples me encheu de alegria e mostrou que não devemos desanimar durante esse momento de pandemia. Cada pessoa que se dedicou a escrever essas cartas me fez lembrar do tempo em que recebíamos cartas. Fiquei muito feliz com esse gesto e estou profundamente emocionada com esse carinho”. 

De acordo com o Coordenador de Enfermagem da Nefrologia, Elio Vieira da Silva Júnior, o gesto de solidariedade levou alegria e conforto aos profissionais que receberam a carta. “Essas ações nos trazem uma emoção muito grande. É um cenário crítico para toda população e uma exposição muito grande para todos nós. Receber esse carinho é uma demonstração de afeto que nos motiva cada vez mais a enfrentar os novos desafios, a equilibrar a nossa equipe nessa atuação e a vencer esses novos obstáculos que podem surgir. Todos nós juntos podemos ser muito mais fortes nesse momento de tamanha dificuldade”, conta o Coordenador.  

O projeto “Saúde em Nossas Mãos” foi uma iniciativa do PROADI-SUS em parceria com o Ministério da Saúde e envolveu 120 hospitais públicos e filantrópicos de todo o país

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos conseguiu reduzir em mais de 50% o número de casos de Pneumonia Associada ao Uso de Ventilador Mecânico na UTI Adulto de 2017 a 2020. E, durante esse período, nenhum caso de infecção do Trato Urinário Associada a Cateter Vesical foi registrado. Esses dois tipos de infecção hospitalar são algumas das principais causas de complicações e mortes dentro de uma UTI.

Com a redução desses dois índices de infecção, a estimativa é de que pelo menos 66 vidas tenham sido salvas nesse período. Além disso, os custos com medicamentos e internação em função de infecções hospitalares também diminuiu e representou uma economia de mais de R$ 6,6 milhões nesses 3 anos. 

Com esses resultados, a Santa Casa foi premiada com o segundo lugar no Projeto “Saúde em Nossas Mãos – Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”. O projeto faz parte do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) em parceria com o Ministério da Saúde e contou com a expertise de cinco dos principais hospitais de excelência do país: Hospital Alemão Oswaldo Cruz, HCor, Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Moinhos de Vento e Hospital Sírio-Libanês.

Esses 5 hospitais foram responsáveis por aprimorar a segurança dos pacientes e dos profissionais de saúde de 120 hospitais públicos e filantrópicos, com medidas simples de segurança e mudanças de hábitos. A Santa Casa de São Carlos e outros 21 hospitais ficaram sob a tutoria do HCor. E foi dentre esses 22 hospitais, que a Santa Casa ganhou destaque na segunda colocação.

“Conseguimos conquistar esses resultados graças ao envolvimento de todo o hospital. Contamos com o apoio da diretoria técnica, gestores, coordenadores e com a participação efetiva de todos os profissionais de saúde. Médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais vêm trabalhando de forma conjunta para oferecer o melhor atendimento ao nossos pacientes da UTI. E tudo isso com o apoio da equipe da Central de Relacionamento que, com a Pesquisa de Satisfação de pacientes e funcionários, nos ajudou a melhorar o atendimento e a oferecer uma assistência mais humanizada”, explica a coordenadora do Gerenciamento de Risco da Santa Casa, Maria Carolina Bonelli.

 

 

O PROJETO “SAÚDE EM NOSSAS MÃOS

O projeto começou em dezembro de 2017. Para participar, os hospitais tinham que atender a dois requisitos: possuir 10 leitos de UTI SUS e ter um controle de infecção hospitalar instituído.

O programa tinha três objetivos: capacitar as equipes para aumentar a segurança do paciente; reduzir o desperdício e minimizar os custos hospitalares. Para isso, ao longo desse período, os hospitais, periodicamente, participavam de Sessões de Aprendizagem Presenciais, nas quais trocavam experiências, avaliavam indicadores e resultados, estabeleciam novos planos de ação, tudo de uma forma colaborativa.

“Conhecer as práticas e resultados de outros hospitais nos ajuda a encontrar soluções e a implementar medidas que fazem diferença na nossa rotina. Por isso, acredito que essa troca de experiências foi bem positiva”, explica a coordenadora o Serviço de Infecção Relacionada à Assistência em Saúde da Santa Casa (SCIRAS), Carolina Toniolo Zenatti.

As crianças internadas ganharam roupas e naninhas almofadadas

 

SÃO CARLOS/SP - Com a chegada do Natal, muitos voluntários costumam preparar atividades e entregam presentes para as crianças internadas. Em virtude da pandemia da COVID-19, essas ações não puderam acontecer neste ano. O que não foi um empecilho para a solidariedade.

O Grupo Amor em Gotas, por exemplo, que há 21 anos realiza atividades recreativas na Pediatria, doou 25 almofadas personalizadas conhecidas como naninhas. “Junto com as naninhas, preparamos mensagens de Natal que foram colocadas em cada pacote. Como a nossa atuação sempre foi na Pediatria e neste ano não foi possível fazer esse trabalho, queremos que eles saibam que a alegria e o amor são sempre uma possibilidade, mesmo no ambiente hospitalar. Não estamos presentes, mas as crianças do hospital estão sempre no coração do grupo Amor em Gotas”, afirma uma das coordenadoras do grupo, Solange Rezende.

O grupo Artesãs com Vida, composto por 19 voluntárias, também preparou naninhas para presentear as crianças. Foram confeccionadas e entregues 195 peças. “Nosso objetivo é criar uma memória positiva para as crianças hospitalizadas, presenteando-as com as naninhas que são travesseiros acolhedores. Ao imaginar o sorriso de uma criança, a alegria estampada em seus olhos, mesmo em um ambiente hospitalar, vibro de alegria e isso me impulsiona a continuar. Somos artesãs voluntárias em busca de um mundo com mais amor”, comenta a coordenadora do grupo, Glaucia Elena de Moura Dotta.

Uma das crianças presenteadas é a Mariá, de 6 anos. O pai, Danilo da Silva, conta que o presente foi fundamental para que ela pudesse se distrair durante o período de internação.  “Estava longe e bastante preocupado com a recuperação dela. Quando ela recebeu a Naninha, correu para fazer uma chamada de vídeo e me mostrou o presente que havia ganhado. Ela ficou muito feliz e esqueceu um pouco do ambiente hospitalar. Por isso, só quero agradecer às voluntárias que fizeram essa doação. Foi muito importante para a recuperação dela”, conta Silva, emocionado.

 

SOLIDARIEDADE NÃO TEM IDADE

Dona Myrthes Schutzer, de 85 anos, confeccionou, sozinha, 68 roupas para as crianças da Pediatria. As peças foram feitas com algodão, poliéster e linho. “A costura faz parte da minha vida. Sempre costurei para ajudar as entidades que necessitam de apoio.  Fico muito feliz em poder ajudar as crianças da Santa Casa. Fiz tudo com muito carinho”, conta Dona Myrthes.

Para alegrar as crianças, a psicóloga e cantora Anaisa Mazari, do Projeto Missionário Sede de Almas, vestiu-se de princesa e encantou as crianças. Ela levou brinquedos arrecadados por meio de bazares virtuais, rifas e doações que recebeu de pessoas que ajudam o projeto. “É o terceiro ano que promovo essa ação no hospital. Passamos por várias entidades e notamos que cada vez mais esse cuidado é importante. É um ato bastante singelo, mas que faz toda diferença na vida de cada criança. Fico muito feliz em contribuir de alguma maneira”, explica Anaisa.

A Coordenadora da Pediatria da Santa Casa, Michela Pereira, reforça que todas essas ações são fundamentais para a recuperação dos pacientes. Devido à pandemia, para a segurança das crianças internadas, a Brinquedoteca do hospital está fechada. Por isso, doações como essas são extremamente importantes. “A hospitalização é momento muito difícil para a criança e também para o familiar. Essas doações dão um conforto e ajudam a amenizar o sofrimento da criança, já que proporcionam momentos lúdicos. Em nome da instituição e da equipe da Pediatria, agradeço pelo gesto de solidariedade de cada voluntário. Essas ações de humanização são muito importantes para o hospital, comenta Michela”. 

Dúvidas, elogios ou críticas agora também podem ser enviadas por WhatsApp

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa criou mais um canal de Comunicação para a sua Central de Relacionamento. As sugestões, dúvidas, elogios ou críticas podem ser enviados agora também por WhatsApp. O contato é o (16) 99145-4550.

A equipe da Central de Relacionamento atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Além do WhatsApp, o paciente ou acompanhante podem entrar em contato pelo telefone (16) 3509-1379 ou e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A Central de Relacionamento da Santa Casa foi criada em 2015. O objetivo do serviço é medir a satisfação dos pacientes e acompanhantes atendidos pelo hospital, a fim de aprimorar os serviços oferecidos. As dúvidas, sugestões, críticas ou elogios são encaminhados ao gestor da área em questão. Essas informações são compartilhadas, mensalmente, com o Centro Integrado de Humanização. A partir desses dados, a equipe discute ações para melhoria dos serviços.

“O objetivo do nosso trabalho é aprimorar ainda mais a qualidade do atendimento. Para isso, todas as informações que chegam até nós são compartilhadas com a diretoria do hospital, no intuito de contribuir para a redução das queixas e para implantar novas práticas. Nesse sentido, é que criamos mais um canal de atendimento”, explica a Supervisora da Central de Relacionamento, Cleonice Faria.

SERVIÇO:

CENTRAL DE RELACIONAMENTO DA SANTA CASA

Segunda a sexta-feira – 8h às 20h

WhatsApp: (16) 99145-4550.

Telefone: (16) 3509-1379

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Site: www.santacasasaocarlos.com.br

Com a revitalização, o espaço ficou mais amplo, iluminado e com mais conforto para os pacientes e colaboradores

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos reinaugurou, na última segunda-feira (14), a Unidade Coronariana (UCO) que funciona como uma UTI Cardiológica. O espaço foi todo revitalizado com pintura nova, troca da rede de ar e gás, troca da bancada de trabalho e da mobília, divisórias de Drywall e banheiros novos. Com a nova reforma será possível oferecer um tratamento ainda mais humanizado aos pacientes.

Segundo o coordenador das UTIs da Santa Casa, o médico cardiologista Bento Gomes de Moraes Neto, “com a revitalização, a Unidade Coronariana oferece mais conforto aos pacientes. Além disso, o ambiente de trabalho para os profissionais ficou muito melhor, mais iluminado, agradável e mais amplo”.

O provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Júnior, reforça que o objetivo da reforma é proporcionar mais qualidade assistencial.

“Os investimentos na adequação da UTI Coronariana foram fundamentais. Temos trabalhado para oferecer tratamento com qualidade aos pacientes do SUS e Conveniados. Ao mesmo tempo, temos buscado dar condições melhores de trabalho para o nosso corpo clínico”, afirma.

Quem aderir ao projeto, terá descontos em exames e consultas no Santa Casa Clínicas

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos criou o Projeto Cartão Fidelidade +30, com o objetivo de fidelizar os contribuintes do hospital e buscar novos doadores. Funciona assim: você passa a doar 30,00 reais ou mais por mês e recebe o cartão fidelidade. Em contrapartida, ganha vantagens nos serviços oferecidos no Santa Casa Clínicas, com descontos nas consultas, exames de imagens e laboratório, procedimentos ambulatoriais e pacotes cirúrgicos.

Com a pandemia da COVID-19, cerca de 2 mil doadores fixos deixaram de contribuir com a Santa Casa, uma queda de 25%. Além disso, os preços dos medicamentos e equipamentos de proteção individual aumentaram consideravelmente. De janeiro a agosto deste ano, os 10 principais medicamentos usados no hospital subiram, em média, 85%. Já os valores dos equipamentos de proteção individual aumentaram 102% durante este mesmo período. E com as dificuldades para se realizar as cirurgias eletivas, a receita da Santa Casa diminuiu 12%. Esses fatores agravaram a situação financeira não apenas da Santa Casa de São Carlos, mas dos hospitais filantrópicos do país que, há anos, lutam para driblar a defasagem da tabela de repasses do Sistema Único de Saúde.

“Esse ano foi muito difícil, devido à pandemia e o apoio dos doadores foi fundamental para garantir um atendimento de qualidade aos pacientes que necessitam dos nossos serviços. A Santa Casa pensou neste projeto como uma forma de reconhecer os doadores que, ao longo dos anos, fazem suas doações mensalmente. Pensamos, então, em proporcionar algo diferenciado em prol desse doador que é tão importante para a Santa Casa”, comenta a Gerente de Vendas da Santa Casa, Angela Oioli.

O Santa Casa Clínicas oferece mais de 35 opções de especialidades como Pediatria, Clínica Geral, Ginecologia e outros.  Além disso, atende 13 convênios e consultas particulares. Para mais informações sobre a adesão ao CARTÃO FIDELIDADE +30, basta entrar em contato pelo (16) 3509-1270.

 

SERVIÇO:

PARA ADESÃO DO CARTÃO FIDELIDADE +30

CONTATO: (16) 3509-1270

 

HORÁRIO DE ATENDIMENTO DO SANTA CASA CLÍNICAS:

SEGUNDA A SEXTA-FEIRA, DAS 7H ÀS 18H

E AOS SÁBADOS DAS 7H30 ÀS 11H30.

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral