fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Prova que reestreou no ano passado para ‘cobrir’ calendário prejudicado pela pandemia volta a fazer parte.

 

MUNDO - O campeonato de 2021 da Fórmula 1 nem começou e o calendário começa a se modificar, ainda por consequências da pandemia do novo coronavírus. Nesta segunda-feira (11) foi confirmado que Ímola voltará à maior categoria do automobilismo mundial, com corrida a ser realizada no dia 18 de abril, além de diversas outras modificações que incluem uma mudança de data para o GP do Brasil

O GP da Emilia Romagna será realizado pelo segundo ano consecutivo, sendo que, desta vez, na primeira metade da temporada, diferente de 2020, quando foi realizado no mês de novembro, iniciando a reta final do campeonato.

Além disso, a F1 confirmou que o GP da Austrália foi transferido para novembro, logo após o GP do Brasil, em 21 de novembro. Com isso, o Bahrein passa a ser a abertura oficial da temporada 2021, em 28 de março.

Para comportar a chegada da Austrália em novembro, três GPs passaram por mudanças em suas datas, incluindo o Brasil, que passa a ser uma semana mais cedo: em vez de 14 de novembro, 07 de novembro. A estreante Arábia Saudita, que seria em 28 de novembro, passa a ocupar a data que seria originalmente de Abu Dhabi, 05 de dezembro, enquanto a prova nos Emirados, que fecha 2021, foi jogada para uma semana mais tarde, 12 de dezembro.

Nesta nova versão do calendário ainda, a China não aparece mais com uma data oficial, com a categoria comunicando que as discussões com a organização local seguem em aberto. Já a vaga que seria originalmente do Vietnã, em 25 de abril, segue no cronograma, mas agora uma semana depois, em 02 de maio

No calendário divulgado ainda em 2020, o GP da China estava marcado para 11 de abril, mas, com a organização do evento preocupada com a situação da pandemia do novo coronavírus, já era previsto a transferência da corrida para o segundo semestre.

Outro local que esteve no campeonato de 2020 e que ganha força nos bastidores é Portimão. O circuito português, assim como vinha Ímola, é tratado como plano B para compor a parte europeia do calendário deste ano.

A confirmação do adiamento do GP da Austrália já era esperado também, com o governo local adotou medidas restritivas à chegada de voos internacionais, o que representa um desafio logístico e financeiro impossível de ser superado.

Mas, em meio a uma série de problemas que a F1 deve enfrentar com seu calendário de 2021, o anúncio de Ímola não foi a única confirmação da semana. Na segunda (11), o Circuito de Barcelona confirmou a realização do GP da Espanha, prova que seguia com um asterisco devido à falta de contrato entre a organização e a categoria.

Confira como ficou o calendário da F1 2021 até o momento

Etapa Local Data
1 GP do Bahrein (Sakhir) 28 de março
2 GP da Emilia Romagna (Ímola) 18 de abril
3 A confirmar 02 de maio
4 GP da Espanha (Barcelona) 9 de maio
5 GP de Mônaco (Mônaco) 23 de maio
6 GP do Azerbaijão (Baku) 6 de junho
7 GP do Canadá (Montreal) 13 de junho
8 GP da França (Paul Ricard) 27 de junho
9 GP da Áustria (Red Bull Ring) 4 de julho
10 GP da Grã-Bretanha (Silverstone) 18 de julho
11 GP da Hungria (Hungaroring) 1º de agosto
12 GP da Bélgica (Spa Francorchamps) 29 de agosto
13 GP da Holanda (Zandvoort) 5 de setembro
14 GP da Itália (Monza) 12 de setembro
15 GP de Rússia (Sochi) 26 de setembro
16 GP da Singapura (Marina Bay) 3 de outubro
17 GP do Japão (Suzuka) 10 de outubro
18 GP dos EUA (Circuito das Américas) 24 de outubro
19 GP do México (Hermanos Rodriguez) 31 de outubro
20 GP do Brasil (Interlagos) 07 de novembro
21 GP da Austrália (Melbourne) 21 de novembro
22 GP da Arábia Saudita (Jeddah) 05 de dezembro
23 GP de Abu Dhabi (Abu Dhabi) 12 de dezembro

 

 

*Por: Motorsport.com

MUNDO - Sergio Pérez traz experiência e velocidade para a Red Bull, já tendo contrato assinado para substituir Alexander Albon em 2021. Só que um dos conhecimentos do mexicano é mais importante do que os outros: de acordo com o consultor Helmut Marko, a escuderia tem interesse nas informações de Pérez sobre o comportamento do motor da Mercedes.

É que Pérez, apesar de nunca de fato pilotar pela Mercedes, passou a maior parte da carreira usando tal motor. De 2013 para cá, passando por McLaren, Force India e Racing Point, Sergio competiu sempre com a unidade de potência alemã. A Red Bull não viu nenhum outro piloto tão bem posicionado para dar o feedback necessário.

“Há o fato de que ele passou muitas temporadas pilotando com motor Mercedes e entende bem sua dirigibilidade, suas reações”, disse Marko, entrevistado pelo Motorsport.com. “Essas são coisas que já falamos com ele. O Hülkenberg esteve com a Renault. Não dá para usar como referência as três corridas dele com motor Mercedes, até porque ele estava mais preocupado em se acostumar com o carro”, seguiu, fazendo referência às corridas como substituto na Racing Point em 2020.

O motor é um aspecto importante para a Red Bull. A escuderia tenta aproveitar ao máximo qualquer evolução possível com a Honda, sabendo que a marca japonesa deixa a F1 ao fim de 2021. Depois disso, os taurinos ficam na torcida por um congelamento das unidades de potência para seguir competindo.

Além das informações trazidas, há também um interesse na inteligência de Pérez. Principalmente ao poupar pneus, um traço visto desde a estreia na F1.

“A primeira coisa que conversei com ele foi sobre a evolução inacreditável que ele teve. Diria que essa foi certamente a melhor temporada desde a chegada dele na F1. Esse é um ponto. O outro é que, na corrida que ele venceu, o Russell não ficou significativamente mais próximo, apesar de ter pneus melhores. Ter a capacidade de julgar esse ritmo, de andar rápido a ponto de preocupar o adversário e ao mesmo tempo não gastar demais os pneus, é algo que o Pérez já mostrou muito bem em algumas corridas”, seguiu.

Pérez forma dupla com Max Verstappen em 2021. O plano inicial do mexicano era seguir na Racing Point, mas esta decidiu assinar com Sebastian Vettel e romper com o mexicano.

 

 

*Por: GRANDE PRÊMIO

MUNDO - A Fórmula 1 anunciou a realização de um GP no Brasil em Interlagos até 2025. O próximo evento está previsto para ocorrer em 14 de novembro de 2021 e passará a ter o nome de GP de São Paulo. No pré-calendário divulgado recentemente a prova em Interlagos estava como condicional e dependia de um acerto entre os promotores e a Liberty Media, que controla a F1. Agora, a corrida em 14 de novembro de 2021 está confirmada. O calendário completo da próxima temporada já foi homologado pela Federação Internacional de Automobilismo e contará com 23 provas, número recorde.

O anúncio da assinatura do contrato é o capítulo final de numa novela que se arrastou durante todo o ano de 2020. São Paulo tinha contrato com a F1 apenas até este ano, e o Rio de Janeiro fez uma investida para sediar o GP do Brasil a partir de 2021. No entanto, a falta de uma licença ambiental para a construção de um autódromo numa área cedida pelo exército no bairro de Deodoro impediu o começo das obras, e a F1 entrou num acordo com São Paulo até 2025.

- Temos o prazer de anunciar que a cidade de São Paulo continuará a sediar o Grande Prêmio do Brasil até 2025 e esperamos trabalhar com nosso novo promotor nos próximos anos. O Brasil é um mercado muito importante para a Fórmula 1, com fãs dedicados e uma longa história no esporte. A corrida no Brasil sempre foi um destaque para nossos fãs, pilotos e nossos parceiros e estamos ansiosos para proporcionar aos fãs da Fórmula 1 uma corrida emocionante em Interlagos em 2021 e nos próximos cinco anos - disse Chase Carey, CEO da F1.

CALENDÁRIO PROVISÓRIO DA FÓRMULA 1 2021

DATA GRANDE PRÊMIO CIRCUITO
21 DE MARÇO AUSTRÁLIA MELBOURNE
28 DE MARÇO BAREIN SAKHIR
11 DE ABRIL CHINA XANGAI
25 DE ABRIL A CONFIRMAR A CONFIRMAR
9 DE MAIO ESPANHA BARCELONA*
23 DE MAIO MÔNACO MONTE CARLO
6 DE JUNHO AZERBAIJÃO BAKU
13 DE JUNHO CANADÁ MONTREAL
27 DE JUNHO FRANÇA PAUL RICARD
4 DE JULHO ÁUSTRIA SPIELBERG
18 DE JULHO INGLATERRA SILVERSTONE
1º DE AGOSTO HUNGRIA HUNGARORING
29 DE AGOSTO BÉLGICA SPA-FRANCORCHAMPS
5 DE SETEMBRO HOLANDA ZANDVOORT
12 DE SETEMBRO ITÁLIA MONZA
26 DE SETEMBRO RÚSSIA SOCHI
3 DE OUTUBRO SINGAPURA MARINA BAY
10 DE OUTUBRO JAPÃO SUZUKA
24 DE OUTUBRO ESTADOS UNIDOS AUSTIN
31 DE OUTUBRO MÉXICO HERMANOS RODRÍGUEZ
14 DE NOVEMBRO SÃO PAULO INTERLAGOS
28 DE NOVEMBRO ARÁBIA SAUDITA JIDÁ
5 DE DEZEMBRO ABU DHABI YAS MARINA

*SUJEITO À ASSINATURA DE CONTRATO COM OS PROMOTORES

 

 

*Por Redação do ge — São Paulo

Piloto teve a oficialização de sua promoção para F1 nesta quarta-feira e volta colocar o Japão no grid, após ausência do país desde 2014.

 

MUNDO - Agora é oficial: o japonês Yuki Tsunoda será piloto da AlphaTauri a partir da temporada de 2021 da Fórmula 1 e ocupará o lugar deixado pelo russo Daniil Kvyat ao lado do francês Pierre Gasly.

O japonês nascido no ano 2000, em apenas duas temporadas de corridas na Europa, conseguiu impressionar Helmut Marko, consultor de automobilismo da Red Bull, e conquistou a promoção à F1 após terminar o campeonato de Fórmula 2 em terceiro lugar com a Carlin.

A promoção de Tsunoda na AlphaTauri já estava prevista há algum tempo, mas a equipe de Faenza quis aguardar a conclusão dos testes de jovens pilotos, realizados nesta terça-feira após o GP de Abu Dhabi, em Yas Marina.

Para Tsunoda, é um sonho que se tornou realidade. Além disso, o Japão voltará a ter um piloto na F1 após uma ausência que perdura desde 2014, quando Kamui Kobayashi encarou uma temporada pouco competitiva pela Caterham.

Além da temporada de destaque em 2020 junto à Carlin na F2, em que venceu três provas, fez quatro pole positions e conquistou sete pódios, Tsunoda também foi o vencedor do título da Fórmula 4 Japonesa em 2018.

O piloto de apenas 20 anos também tem força política, já que é 'apadrinhado' pela Honda, fornecedora de motores de Red Bull e AlphaTauri na F1, e também é integrante da academia de pilotos da Red Bull.

Tsunoda falou da alegria pela promoção: “Como a maioria dos pilotos, meu objetivo sempre foi correr na Fórmula 1, por isso estou muito feliz com esta notícia. Quero agradecer à Scuderia AlphaTauri, à Red Bull e ao Dr. Marko por me darem esta oportunidade e, claro, também à Honda por me apoiar até agora na minha carreira, dando-me a grande oportunidade de correr na Europa."

“Agradeço também às equipes com as quais corri por eu ter conseguido chegar a esse ponto, principalmente à Carlin, equipe com a qual aprendi muito. Sei que no próximo ano trarei comigo as esperanças de muitos fãs japoneses e farei o meu melhor por eles também."

O chefe da AlphaTauri, Franz Tost, falou: “A Red Bull vem acompanhando a carreira de Yuki há algum tempo e tenho certeza que ele será um grande trunfo para nossa equipe. Este ano na F2 ele mostrou a combinação certa de agressividade e bom conhecimento técnico."

"Em Ímola, em novembro passado, quando dirigiu nosso carro de 2018, em simulação de corrida, seus tempos de volta foram muito constantes e ele progrediu ao longo do dia, dando um feedback útil aos nossos engenheiros. Além disso, sua integração com os engenheiros da Honda estava perfeita, o que ajuda. Durante os testes em Abu Dhabi, ele mostrou que estava aprendendo rápido e estava pronto para dar o passo em direção à F1."

 

 

*Por: Redação Motorsport.com

MUNDO - Aleluia! A RBR finalmente voltou a conquistar uma pole position na Fórmula 1: na última volta do Q3 da classificação do GP de Abu Dhabi, Max Verstappen fez o tempo de 1m35s246 e bateu o segundo colocado Valtteri Bottas por apenas 0s025, enquanto o heptacampeão Lewis Hamilton, que volta a correr depois de perder o GP de Sakhir por ter sido infectado com o coronavírus, acabou em terceiro, a 0s086 do tempo da pole.

O brasileiro Pietro Fittipaldi vai largar na 17ª posição, três à frente do que conseguiu no GP do Sakhir. No Q1, o piloto da Haas foi o 19º colocado, à frente de Nicholas Latifi, da Williams, mas será beneficiado pelas punições a Kevin Magnussen e Sergio Pérez, que largam na última fila devido à troca de componentes nos carros.

O GP de Abu Dhabi de Fórmula 1 começa às 10h10 (de Brasília) deste domingo, com transmissão ao vivo pela Globo. A narração será de Cleber Machado, com os comentários de Luciano Burti e Felipe Giaffone.

 

 

*Por: GE

MUNDO - Na hora da verdade, Valtteri Bottas espantou a sombra de George Russell e conquistou a pole position do GP de Sakhir, penúltima prova da temporada 2020 da Fórmula 1. Mas não foi nada fácil para o finlandês da Mercedes: apenas 0s026 o separaram do inglês, substituto de Lewis Hamilton, que está em isolamento por Covid-19. Numa classificação bastante equilibrada, Max Verstappen também brigou pela pole, mas ficou em terceiro, a 0s056 do melhor tempo.

A grande surpresa da sessão foi Charles Leclerc, que levou a Ferrari a uma improvável segunda fila, em quarto, à frente de Sergio Pérez, da Racing Point. Completaram os dez primeiros, da sexta à décima posições, Daniil Kvyat (AlphaTauri), Daniel Ricciardo (Renault), Carlos Sainz Jr. (McLaren), Pierre Gasly (AlphaTauri) e Lance Stroll (Racing Point).

Substituto de Romain Grosjean, que sofreu grave acidente no último domingo Pietro Fittipaldi ficou em 20º lugar no treino, mas, punido por troca de componentes do motor, ele já largaria nessa posição de qualquer forma.

O GP de Sakhir de Fórmula 1 começa às 14h10 (de Brasília) deste domingo, com transmissão ao vivo pelo SporTV2.

 

 

*Por: REDAÇÃO GE

MUNDO - Na noite do Barein, Lewis Hamilton mostrou mais uma vez sua capacidade nas voltas de classificação e conquistou neste sábado sua 98ª pole position na Fórmula 1. Na etapa final da sessão, Hamilton quebrou o recorde da pista ao cravar 1m27s264, e Valtteri Bottas completou a dobradinha da Mercedes, com 1m27s553 na última volta no Q3. Max Verstappen ameaçou brigar pela pole, mas ficou mesmo em terceiro, a 0s414 do tempo da pole.

Alexander Albon garantiu pela segunda vez seguida o quarto lugar no grid, à frente de Sergio Pérez (Racing Point). Completaram os dez primeiros Daniel Ricciardo (Renault), Esteban Ocon (Renault), Pierre Gasly (AlphaTauri), Lando Norris (McLaren) e Daniil Kvyat (AlphaTauri).

O GP do Barein de Fórmula 1 começa às 11h10 (de Brasília) deste domingo, com transmissão ao vivo pela TV Globo.

 

 

*Por Redação GE

MUNDO - O Grande Prêmio do Vietnã não consta de um esboço do calendário de 2021 publicado pela Fórmula 1 nesta terça-feira, que conta com o recorde de 23 corridas, uma estreia na Arábia Saudita e a volta do Brasil, apesar dos temores com o futuro da prova.

O Vietnã deveria sediar uma corrida de rua em Hanói pela primeira vez em abril, mas a pandemia de Covid-19 provocou seu cancelamento.

A ausência do GP do calendário do ano que vem foi atribuída a problemas locais, mas a F1 não deu um motivo nem mencionou o Vietnã em um comunicado em que delineou a temporada planejada.

A rede BBC noticiou que a decisão de não sediar a prova veio na esteira da prisão do presidente do Comitê Popular de Hanói, Nguyen Duc Chung, em agosto.

A corrida de 25 de abril está vaga, e vários circuitos estão sendo cogitados. A F1 nunca teve mais de 21 corridas em uma temporada.

A modalidade disse que acredita que os torcedores voltarão às arquibancadas depois de uma temporada de 2020 com 17 rodadas realizadas ou a portas fechadas, ou com público muito limitado e sobretudo na Europa devido ao novo coronavírus.

“Para 2021, estamos planejando eventos com torcedores que proporcionem uma experiência parecida com o normal, e esperamos que nossos acordos sejam honrados”, disse o presidente e executivo-chefe demissionário, Chase Carey.

A volta da prova em Interlagos em 14 de novembro ainda depende de um novo contrato.

 

 

*Por: Alan Baldwin / REUTERS

MUNDO - O inglês Lewis Hamilton venceu o Grande Prêmio de Portugal, neste domingo (25) e entrou para a história ao se tornar o piloto com maior número de vitórias na Fórmula 1: 92. Ele superou o então recordista, o ex-piloto Michael Schumacher.

Assim que recebeu a bandeirada, Hamilton comemorou com sua equipe, que se mostrou emocionada, na comunicação pelo rádio. "Você está reescrevendo a história", ouviu o piloto. Ele respondeu, humilde. "Eu não chegaria até aqui sem vocês, muito obrigado".

A vitória também ampliou a vantagem do piloto, que tem 8 primeiros lugares nesta temporada, em 12 corridas, na liderança do campeonato mundial.

O companheiro de Lewis na Mercedes, Valtteri Bottas, ficou em segundo, numa corrida eletrizante, principalmente em seu início.

Portugal estava fora da Fórmula 1 desde 1996 e, no novo Autódromo Internacional do Algarve, circuito de Portimão, o que mais influenciou foi a pista lisa, de baixa aderência, principalmente por quase não ter sida utilizada ainda.

A estratégia, com isso, foi o tipo de pneu utilizado na largada. Hamilton e Bottas começaram com pneus médios. Hamilton teve dificuldades nas primeras voltas, com os pneus demorando para se aquecer. Quanto mais duro o pneu, maior a durabilidade, mas menor a aderência.

Lewis, porém, logo recuperou o equilíbrio e brigava pelas primeiras colocações. Na volta 20, ele ultrapassou Bottas e não mais foi incomodado. Ele só perdeu a posição quando foi trocar os pneus, na volta 41. Mas a ordem das posições logo foi retomada, com a troca de Bottas.

A largada se tornou um verdadeiro "sonho de uma noite de verão" para alguns pilotos que largaram com pneus macios, como Carlos Sainz, da McLaren, que chegou à liderança.

Mas ele logo foi ultrapassado por Bottas e foi perdendo posições, inclusive para o bom Pierre Gasly (Alpha Tauri), que terminou em quinto.

A partir das paradas, o cenário foi se embaralhando e as estratégias, ficando mais claras. Max Verstappen (RBR), que não largou bem, fez sua parada e trocou os pneus macios, recuperando a estabilidade e se mantendo equilibrado, terminando na terceira colocação.

Charles Leclerc, por sua vez, era um dos destaques da corrida, chegando a ficar em terceiro, mas terminando em quarto lugar, graças, conforme ele mesmo disse, a um trabalho de correção aerodinâmica que a Ferrari vem fazendo de forma emergencial.

Outro destaque foi o mexicano Sérgio Perez, da Racing Point, que foi tocado por Verstappen no início e se recuperou, ultrapassando o francês Esteban Ocon (Renault) na volta 35, numa bela manobra. Faltando duas voltas, Perez e Gasly fizeram boa disputa pela quinta colocação e Gasly conseguiu a ultrapassagem.

A próxima corrida, em um total de 17 na temporada, ocorrerá no dia 1 de novembro, no autódromo de Ímola. O campeonato se encerra no dia 13 de dezembro próximo, com o GP de Abu Dabi, a ser realizado no circuito de Yas Marina.

 

 

*Por: Eugenio Goussinsky, do R7

MUNDO - A Fórmula 1 anunciou nesta sexta-feira (16) o cancelamento do Grande Prêmio do Vietnã, o primeiro que ocorreria no país. A corrida seria em abril, mas foi suspensa em março, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). A etapa asiática não havia sido remarcada desde a reformulação do calendário da temporada 2020, que teve a versão definitiva publicada em agosto.

A prova no circuito urbano na capital Hanói foi a 13ª cancelada pela categoria em 2020. Também ficaram fora do calendário os GPS de Austrália, Azerbaijão, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, França, Holanda, Japão, México, Mônaco e Singapura.

"Foi uma decisão difícil, mas extremamente necessária, em razão da contínua incerteza causada pela pandemia global de coronavírus", disse a nota oficial divulgada pela organização. "Não poderemos receber a mais emocionante e prestigiada competição automobilística do planeta. Foi a única solução possível, após revermos, cuidadosamente, todos os critérios de segurança, assim como a eficiência deles diante das atuais condições. Agradecemos pelo apoio e compreensão", declarou o chefe-executivo do GP vietnamita, Le Ngoc Chi.

Segundo o Ministério da Saúde do Vietnã, o país registrou mais de 1,1 mil casos confirmados de covid-19 e 35 óbitos causados pela doença desde o início da pandemia.

Mundial adaptado

Adaptada às restrições da pandemia da covid-19, a edição 2020 do Mundial de Fórmula 1 tem 17 corridas programadas, em 12 países. A Itália receberá três provas ao todo, em três cidades diferentes. Além disso, dois dos 14 circuitos selecionados (Red Bull Ring, em Spielberg, na Áustria, e Silverstone, na Inglaterra) já abrigaram duas etapas.

A sete GPs do fim do campeonato, o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, lidera com 230 pontos, contra 161 do companheiro de equipe e finlandês Valtteri Bottas. A próxima corrida será no próximo dia 25, em Portugal, no Autódromo Internacional do Algarve, na cidade de Portimão.

 

 

*Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional

*Agência Brasil

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral