fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Evento no dia 10/12 é aberto ao público e pretende encaminhar propostas de políticas públicas

 

SÃO CARLOS/SP - A cidade de São Carlos tem sido afetada por inundações, em decorrência de chuvas torrenciais combinadas à falta ou deficiência de políticas públicas ambientais e urbanísticas. Diante desse cenário, o Departamento de Ciências Ambientais (DCAm) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) realiza, no dia 10 de dezembro, o encontro online "Inundações em São Carlos/SP: da crise persistente ao planejamento de uma cidade saudável". O objetivo é discutir o problema das inundações que afetam algumas regiões do Município, de modo a apresentar propostas de projetos, planos e políticas públicas.
O webinário, aberto a toda a população, será o primeiro evento de um ciclo de palestras e encontros para discussão da temática, abrindo espaço para discussões interdisciplinares, com envolvimento de profissionais de diversas áreas e de representantes da sociedade. 

Programação
A abertura tem início às 8h30. Às 9 horas, será realizada a Mesa 1 - Aspectos Ambientais; das 10h40 às 12h10, acontece a Mesa 2 - Aspectos urbanísticos. No período da tarde, das 14 às 15h30, ocorre a Mesa 3 - Aspectos jurídicos e, na sequência, das 15h40 às 17h10, a Mesa 4 - Gestão de desastres. A parte final será destinada à sessão de síntese das discussões e sugestões de encaminhamento. 
"O Departamento de Ciências Ambientais da UFSCar abre esse importante canal de participação e espera que a população venha discutir o problema de forma a contribuir com a busca das melhores soluções, dentro de um processo democrático participativo", convidam os organizadores. A intenção é redigir um documento propositivo para subsidiar as ações e a reflexão política e técnica sobre o tema. 
O webinário é gratuito e sem necessidade de inscrição prévia. A transmissão ao vivo acontece pelo canal do DCAm no YouTube (https://cutt.ly/2hx01Ah). Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

SÃO CARLOS/SP - Participando de uma entrevista na quinta-feira, 03, o presidente da ACISC (Associação Comercial e Industrial de São Carlos), José Fernando Domingues, destacou que a região da Baixada do Mercado Municipal está tentando se recompor e aguarda pelos consumidores.

“Existem alguns comentários negativos de que as lojas estão impróprias para que os consumidores façam suas compras, mas temos andado e notado que as calçadas estão livres e o comércio está aberto, tentando se reerguer”, destacou.

Zelão ressaltou que esse é um momento muito importante para que a sociedade são-carlense possa contribuir efetuando suas compras e contribuindo com esses comerciantes.

Sobre a interdição de um trecho na rua Episcopal, entre as ruas Geminiano Costa e Bento Carlos, o presidente relatou que entrou em contato com a prefeitura e cobrou celeridade. “Já falamos com a Secretaria Municipal de Serviços Públicos e solicitamos para que recomponham o mais breve possível esse trecho da Episcopal, que está intransitável, para que a gente volte à normalidade nessa área tão importante do comércio da nossa cidade”, afirmou.

Levantamento da Defesa Civil de São Carlos aponta que o prejuízo do comércio, que compreende as lojas instaladas nas ruas Geminiano Costa, Jesuino de Arruda, Episcopal, Nove de Julho e José Bonifácio, foi de R$ 42 milhões entre mercadorias, infraestrutura dos prédios e veículos danificados.

Em nova visita àquela região, Zelão falou aos comerciantes que solicitou da secretária estadual de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, que seja viabilizado empréstimos, com juros subsidiados, por meio do Banco do Povo Paulista. “Os comerciantes precisam se recuperar e salvar os empregos e famílias que dependem do comércio. Solicitamos uma análise diferenciada para que esses comerciantes afetados recebam essa ajuda emergencial, porque senão o crédito não conseguirá atendê-los”, relatou.

Zelão lembra que em dezembro, o comércio está com horário especial do dia 01 até o dia 23 (de segunda a sexta-feira), funcionando das 10h às 20h. Nos sábados 05, 12 e 19, das 9h às 17h. Nos dias 06, 13 e 20 (domingos), o comércio funcionará das 09h às 17h. No dia 24 (quinta-feira), véspera de Natal, o horário de funcionamento será das 9h às 18h. Nos dias 25 e 26, respectivamente, sexta-feira e sábado, o comércio permanecerá FECHADO. Já na véspera do Ano Novo, dia 31 (quinta-feira), o comércio funciona das 09h às 17h, e ficará fechado nos dias 01 e 02 de janeiro.

A sobrecarga de atendimentos se deve à falta de regulação da saúde no município. 70% dos pacientes poderiam ter sido atendidos nas UPAs, UBs e AME, mas foram encaminhados ao hospital

 

SÃO CARLOS/SP - Os 30 leitos disponíveis no Pronto-Socorro da Santa Casa voltaram a ficar lotados nesta quarta-feira (2). E mais de 20 pacientes tiveram que esperar por uma vaga em macas no hospital.

“Nos últimos dias, a gente tem visto um fluxo de pacientes bastante grande, tanto dos pacientes que dão entrada no hospital através do Pronto-Atendimento quanto daqueles que são trazidos pelo SAMU ou por ambulâncias das outras cinco cidades da região atendidas pela Santa Casa. E grande parte desses pacientes, poderia ter sido atendida na UPA, em uma Unidade Básica de Saúde ou no AME, mas acaba vindo para Santa Casa, tomando lugar de quem precisa de uma atendimento mais complexo”, afirma o gerente médico da Santa Casa, Roberto Muniz Junior.

O Pronto-Socorro da Santa Casa conta com 7 macas na Sala Amarela para os casos de emergência, 3 macas na Sala Vermelha para os casos de urgência e 20 macas e poltronas para aqueles pacientes que estão aguardando internação ou que ficam em observação depois de tomarem algum medicamento. Além da falta de organização do fluxo de saúde do município, a pandemia é outro agravante.

“Devido à COVID-19, pacientes com doenças graves, como insuficiência cardíaca, câncer, infartos, têm procurado por atendimento, por conta do agravamento dessas doenças, o que contribui para o aumento da nossa demanda”, explica o gerente médico.

Além da espera por atendimento, uma das consequências dessa lotação, é a retenção de ambulâncias no hospital. Há uma semana, três ambulâncias do SAMU ficaram retidas na Santa Casa, porque não havia macas disponíveis para acomodar os pacientes e, assim, liberar as macas de transporte.

“Como a porta do hospital não é referenciada, os pacientes chegam “sem aviso”. A Santa Casa não tem outra opção a não ser reter as macas do SAMU ou da ambulância que está transportando o paciente para a Santa Casa, até conseguir um leito para acomodar adequadamente o paciente. E isso prejudica a todos. Prejudica a Santa Casa, prejudica o serviço do SAMU, que está fazendo o transporte do paciente e fica com uma maca retida e prejudica a população, que precisa do atendimento.

Segundo o diretor técnico da Santa Casa, Vitor Marim, não adianta ampliar leitos ou comprar macas, se não houver a regulação do fluxo da saúde no município. “Ampliar leitos ou comprar macas demanda um espaço físico e a contratação de mais profissionais. Se houver uma organização do fluxo de atendimento na cidade, encaminhando os pacientes com demandas menos urgentes para as unidades básicas de saúde e UPAs e os casos mais complexos para a Santa Casa, a capacidade instalada do hospital seria suficiente para absorver as demandas do município e os recursos destinados à saúde seriam mais bem geridos”, explica.

Para ajudar nessa reestruturação, a Santa Casa equipou as UPAs com aparelhos de Raio-X. Além disso, a Instituição tem fornecido exames laboratoriais, que são coletados nas UPAs e analisados na Santa Casa, com apoio do serviço de motoboys que leva e traz esses exames.

Em outubro, dos 16 mil pacientes atendidos nas UPAs, apenas 30 foram submetidos a esses exames. Em novembro, dos quase 18 mil pacientes, apenas 260 fizeram os exames.

“Nós disponibilizamos motoboys 24 horas, para que todos os pacientes possam passar por atendimento médico adequado.  Mas se a gente pensar nesses dois meses em que a Santa Casa tem oferecido esse serviço, com recursos repassados pela Prefeitura, apenas 0,8% dos pacientes têm sido submetido a exames. Ou seja, a Secretaria de Saúde desembolsa recursos para tentar melhorar o atendimento nas UPAs e mesmo assim esse paciente é encaminhado para a Santa Casa. Um indicador da falta de regulação dos atendimentos em saúde no município”.

SÃO CARLOS/SP - Os professores da Rede Pública Municipal estão realizando na tarde desta quinta-feira (3) um buzinaço com mais de 200 carros, em frente a Secretária de Educação de São Carlos.

Foi colocada uma coroa de flores, em alusão a um falecimento e também foram colocadas mensagem como: Luto pela educação de São Carlos, Desvalorização dos Profissionais da Educação, Desvalorização dos Profissionais da Educação Especial, Atribuição Justa para Todos, entre outras mensagens

O objetivo deste buzinaço é mostrar em forma de protesto, que os professores da Rede Pública Municipal merecem respeito e querem diálogo, uma vez que a decisão de fechar as 48 salas de aula partiu da Secretária e não foi aberto espaço para que os professores pudessem opinar sobre tal decisão, apenas foram comunicados do fato.

Outro ponto que os professores querem discutir com a Secretária é com relação a informação que circula de que irão modificar o tempo das aulas, passando para 60 minutos, o que irá impactar na vida dos professores P3, desta forma ele querem que a Secretaria abra um diálogo com os servidores públicos da área da educação para que possam juntos chegar a um denominador comum.

A Rádio Sanca através do Repórter Maicon Ernesto acompanha este protesto e irá trazer as informações sobre o desfecho dessa história assim que tudo for resolvido.

SÃO CARLOS/SP - A Câmara Municipal aprovou em votação de primeiro turno, ocorrida nesta última quarta-feira (02), a Lei Orçamentária Anual (LOA) de São Carlos que estima um orçamento de R$ 962,9 milhões para 2021.

A LOA contém metas e prioridades para o orçamento da cidade para o exercício financeiro do próximo ano e define a aplicação dos recursos do município em obras e ações para o próximo ano, com base nas diretrizes apontadas pelo Plano Plurianual (PPA) e pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), portanto, tem grande impacto na sociedade.

Do orçamento de R$ 962,9 milhões, aproximadamente R$ 759,4 milhões são da Prefeitura, R$ 164,7 milhões do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), R$ 6,6 milhões da Fundação Educacional de São Carlos (FESC), R$ 5,1 milhões da Progresso e Habitação (Prohab) e R$ 3,1 milhões da Fundação Pró-Memória.

As pastas da Saúde e Educação, por terem orçamento vinculado à Constituição Federal, têm o maior volume orçamentário. A Saúde receberá aproximadamente R$ 231,1 milhões e na Educação serão destinados cerca de R$ 217,2 milhões.

SÃO CARLOS/SP - Na tarde de ontem, quarta-feira (2) aconteceu uma reunião com todos os diretores de todas as escolas municipais, na Secretaria Municipal de Educação, onde foram informados de que seriam fechadas 48 salas em diversas escolas e o motivo deste fechamento, seria a falta de alunos.

Os professores da rede pública municipal ficaram enfurecidos com a notícia e estão organizando um buzinaço para esta quinta-feira (3) em frente a Secretaria de Educação, às 15h, e a concentração dos professores será realizada às 14h30 no estacionamento do SINDSPAM (Sindicato dos Servidores Públicos e Autárquicos Municipais de São Carlos e Dourado).

Outra situação que enfurece os professores é que circula a informação de que irão modificar o tempo das aulas, passando para 60 minutos, o que irá impactar na vida dos professores P3.

A Secretária de Educação se manifestou sobre o caso, e afirmou que a maioria das salas afetadas são as dos bebês e que isso poderá ocorrer se em até março de 2021 as salas não estiverem com alunos matriculados, e segundo a Secretária, o motivo da baixa procura seria a indefinição do retorno as aulas presenciais no ano que vem.

Com informações do Site São Carlos Dia e Noite

SÃO CARLOS/SP - A Polícia Militar apreendeu 08 pinos de uma substância parecida com cocaína e R$1.190,00 em dinheiro, na noite desta última 4ª Feira (02), na Vila Prado, em São Carlos.

Segundo apurado, por volta das 21h30min Policiais realizavam patrulhamento pela Avenida Dr. Teixeira de Barros (Rua Larga), quando avistou um homem de bicicleta em atitude suspeita próximo a uma caçamba. O sujeito foi abordado e em busca pessoal foi localizado a substância e o dinheiro. Ao ser questionado teria informado aos PMs que comprou os pinos no Jardim Gonzaga para seu próprio consumo e o dinheiro estaria juntando durante a semana com a venda de recicláveis.

O indivíduo foi conduzido ao Plantão Policial, onde ficou à disposição do delegado. A substância foi apreendida para perícia.

SÃO CARLOS/SP - A cooperativa de crédito Sicoob Crediacisc aprovou alteração em seu estatuto e passará a funcionar como livre admissão. Qualquer pessoa poderá se associar e não mais apenas micro e pequenas empresas.

A Assembleia Geral Extraordinária realizada no último dia 28 de novembro de forma semi presencialmente, com parte dos cooperados no auditório do Palácio do Comércio, na Associação Comercial (Acisc), e parte pela transmissão da internet aprovou por unanimidade a alteração.

A assembleia também comemorou os 15 anos da inauguração da primeira unidade em São Carlos a partir da união de 30 empresários ligados a Acisc. Atualmente, são três unidades, 21 funcionários e mais de 2 mil cooperados.

“Nestes quinze anos nos fortalecemos com os micro e pequenos empresários e agora nos abrimos a um novo desafio”, comentou a presidente do Conselho de Administração da Crediacisc, Lídia Maria Mendes Lima.

A cooperativa se caracteriza por ser a única genuinamente de São Carlos, com cooperados e diretoria da cidade e operações focadas na economia local. “Essa característica nos permite dar respostas rápidas para os cooperados”, destaca Adão Luís Garcia, gerente geral da Crediacisc.

Recentemente, a Crediacisc consolidou a parceria com o Centro do Professorado Paulista (CPP) ao instalar uma sala de negócios na sede da instituição. Outras entidades como o Sindicato dos Servidores Públicos e Autárquicos Municipais (Sindispam), Ciesp e Acisc também já possuem parcerias com a Crediacisc.

Durante a assembleia foi prestada homenagem ao ex-presidente do Conselho de Administração, Hercilio Antonio de Carvalho, feito sorteios da campanha de integralização, apresentado um vídeo com o depoimento de cooperados, funcionários e fundadores e um vídeo que será veiculado na imprensa local para comemorar os 15 anos da cooperativa.

“Estamos com uma série de eventos, atividades e ações para marcar esses 15 anos”, destacou o secretário executivo da cooperativa, Marcos Martinelli. Segundo ele, a partir de janeiro a cooperativa irá expandir suas atividades para as cidades da região. “Não com unidades ainda, mas captando associados e eventualmente com salas de negócios”, observou.

Livre admissão – Desde 2003 um número cada vez maior de cooperativas deixa de operar em segmentos específicos para se tornarem de livre admissão. A Crediacisc iniciou como uma cooperativa de crédito mútuo dos micro e pequenos empresários de São Carlos. Com a alteração do estatuto passa a ser uma cooperativa de crédito mútuo. Qualquer pessoa que preencha os pré-requisitos e que concorde com o estatuto poderá se associar.

“Fazer parte de uma cooperativa é diferente de abrir conta num banco”, destaca Garcia. De acordo com ele, em uma cooperativa todos são donos do negócio, o que significa colher benefícios, mas também arcar com responsabilidades. “As taxas e as condições em uma cooperativa são melhores porque elas não visam lucro”, explica.

Além de preencher os pré-requisitos, os interessados integralizam no ato da admissão 50 quotas-partes no valor de R$ 1,00 cada e, para aumentar o capital social da cooperativa, os associados integralizam 120 quotas-partes/ano em 6 parcelas. “São R$ 20,00 por mês como integralização, não é taxa. Esse dinheiro pode ser resgatado se o cooperado deixar a cooperativa”, detalha Garcia.

As cooperativas de crédito são as instituições que mais crescem no mercado financeiro brasileiro. Atualmente, elas ocupam cerca de 4% do mercado e a expectativa é que cheguem a 10%. “Cooperar-se é uma forma de deixar de ser explorado pelos grandes bancos e aprender a fazer educação financeira”, salienta Martinelli. Conheça uma das unidades da Crediacisc – av. São Carlos, 2126, av. Sallum, 523 e rua General Osório, 412 – ou visite o site www.crediacisc.com.br.

SÃO CARLOS/SP - A defensora dos animais e presidente do ‘Patinhas Carentes Jardim Zavaglia’, Dora, encontrou um cachorro próximo ao supermercado Jaú Serve, na Rua Antônio Botelho, Vila Prado.

Segundo a cuidadora, o cachorro estava machucado, pois havia sido atropelado, ontem, 02. Dora, socorreu o animalzinho onde o levou a uma clínica, e devido ao atropelamento teve que retirar os testículos do cão.

Vejam a foto do animal e se alguém conhecer o tutor entrem em contato com a Dora no telefone (16) 99168-0063.

SÃO CARLOS/SP - O prefeito Airton Garcia, acompanhado do chefe de gabinete da Prefeitura, José Pires (Carneirinho), se reuniu na quarta-feira (02/12), em Brasília, com o senador Eduardo Gomes (MDB), líder do governo Jair Bolsonaro no Congresso Nacional.

Na ocasião, o prefeito solicitou ao senador ajuda para a liberação de recursos da União para obras contra enchentes. Na última sexta-feira (26/11), a cidade novamente foi atingida por uma tempestade, com grandes prejuízos, como alagamentos em diversas áreas residenciais e comerciais, incluindo a baixada do mercado municipal, Jardim Bicão, Lagoa Serena e Vila Carmem.

De acordo com o levantamento realizado pela Defesa Civil de São Carlos, a chuva de 138 mm, considerada de extrema intensidade, teve início às 17h30 com finalização às 18h40, acompanhada de granizo e rajadas de ventos isolados, com enxurradas e alagamentos de até 1,70 metros de altura nas regiões mais baixas da cidade. Os prejuízos ultrapassam R$ 43 milhões, contabilizados o setor privado e poder público.

Imediatamente o senador Eduardo Gomes entrou em contato com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que conversou com o prefeito Airton Garcia por telefone e marcou uma reunião pela internet com a equipe técnica do Ministério, ocasião em que a cidade vai apresentar os danos causados e os recursos necessários para as obras estruturais de combate às enchentes. Em janeiro desse ano, após a tempestade de 167,8 mm em pouco mais de 20 minutos, castigando também várias regiões da cidade, o município solicitou ao Governo Federal R$ 27 milhões, porém em virtude da pandemia, nenhuma verba foi liberada para as obras.

No período da tarde, o prefeito Airton Garcia, acompanhado do deputado federal Júnior Bozzela, foi recebido pelo secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, que entrou em contato por telefone com o diretor da Defesa Civil de São Carlos, Pedro Caballero e orientou quanto ao registro direto no sistema da instituição do Formulário de Informações de Desastre (FIDE), além de explicar ao Prefeito e ao chefe de gabinete de São Carlos, como são os trâmites no casos de desastres climáticos.

"Estamos passando o chapéu aqui no Governo Federal, vamos insistir, hoje foi somente um primeiro contato e voltaremos a Brasília quantas vezes forem necessárias. Já pedi para a minha equipe verificar em cada pasta da União o que podemos pedir de recursos. Sabemos que não vamos conseguir R$ 600 milhões para executar todas as obras, até porque esse valor é pleito de Governo do Estado e não de município, mas vamos tentar levar o máximo aqui da capital federal para tentar resolver um problema que persisti na cidade", afirma o prefeito de São Carlos.

Airton Garcia também agradeceu o deputado federal Júnior Bozzela pelo apoio que tem dedicado as causas de São Carlos. "Ele intermediou a nossa audiência imediata com o governador João Doria que aconteceu um dia após a enchente e agora está nos ajudando em Brasília. Agradeço essa valorosa ajuda".

Segundo o chefe de gabinete, José Pires (Carneirinho), todas as obras solicitadas estão ligadas a pavimentação e a drenagem. "Algumas obras que pedimos no início do ano, a RUMO se comprometeu a fazer como a passagem inferior da Praça Itália, com 4 pistas e duplicação do viaduto da Estação Ferroviária e da passagem sobre a linha na Vila Morumbi, na região da CDHU, com a construção de passarela para pedestres com três rotatórias. Um investimento total de R$ 50 milhões. Agora vamos enviar novos projetos para drenagens em outras áreas da cidade".

O prefeito solicitou, ainda, ao senador Eduardo Gomes, apoio para que o município seja incluído no novo programa habitacional do governo federal, denominado de Casa Verde e Amarela. O programa é uma reformulação do Minha Casa Minha Vida, com foco na regularização fundiária e na redução da taxa de juros, para aumentar o acesso dos cidadãos ao financiamento da casa própria.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Dezembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31