fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

MUNDO - Dois ativistas tailandeses foram detidos nesta sexta-feira e podem ser condenados à prisão perpétua por "violência contra a rainha" durante a passagem de seu comboio em uma manifestação pró-democracia, uma acusação inédita desde o início dos protestos no país.

O movimento pró-democracia, no entanto, mantém o desafio ao governo e programou uma nova manifestação para esta sexta-feira, apesar da proibição de concentrações.

Ekachai Hongkangwan e Bunkueanun Paothong estavam entre os ativistas próximos ao carro em que a rainha Suthida era transportada na quarta-feira, durante uma grande manifestação em Bangcoc. Dezenas de militantes fizeram o gesto de três dedos na passagem do veículo, um sinal de resistência copiado do filme "Jogos Vorazes" e que representa um desafio à autoridade real.

As manifestações pró-democracia, que pedem a renúncia do primeiro-ministro e uma reforma da monarquia - um tema tabu no país - prosseguem, apesar da entrada em vigor de medidas de urgência para tentar frear o movimento.

Mais de 100.000 pessoas se reuniram na quinta-feira no centro da capital, apesar da proibição de reuniões políticas de mais de quatro pessoas.

"Fui acusado de tentar prejudicar a rainha, mas sou inocente. Não era minha intenção", declarou Bunkueanun Paothong, que se apresentou à polícia depois de receber uma ordem de detenção.

Ekachai Hongkangwan e Bunkueanun Paothong foram acusados com base no artigo 110 do código penal tailandês, que afirma que qualquer "ato de violência contra a rainha ou sua liberdade" pode ser condenado com entre 16 anos de detenção e prisão perpétua.

"A utilização deste texto é muito incomum", afirmou à AFP Thitinan Pongsudhirak, cientista político na Universidade Chulalongkorn de Bangcoc.

Estas são as acusações mais graves anunciadas desde o início dos protestos e implicam sanções mais severas que as do artigo 112 de lesa-majestade, que prevê de três a 15 anos de prisão por crítica ou difamação ao rei e sua família.

As detenções acontecem no momento em que os manifestantes pró-democracia continuam desafiando o governo, apesar da entrada em vigor de um decreto de urgência para tentar frear o movimento que protesta nas ruas há vários meses.

As reuniões políticas com mais de quatro pessoas e as mensagens na internet consideradas "contra a segurança nacional" estão proibidas, segundo o decreto.

Apesar da medida, quase 10.000 pessoas se reuniram na quinta-feira em Ratchaprason, um grande cruzamento no centro da capital.

Nesta sexta-feira está prevista outra manifestação na mesma área, um local simbólico onde em 2010 as forças de segurança abriram fogo contra os "Camisas Vermelhas", movimento próximo ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, o que provocou várias vítimas.

O movimento pró-democracia pede a renúncia do primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha e uma reforma da poderosa e rica monarquia, um tema tabu no reino.

Maha Vajiralongkorn, que chegou ao trono em 2016 após a morte de seu pai, o venerado rei Bhumibol, é uma figura controversa.

Ele reforçou os poderes da monarquia, em particular com o controle direto da fortuna real. As frequentes viagens para a Europa, inclusive em plena pandemia do novo coronavírus, também provocaram questionamentos.

 

 

*Por: AFP

MUNDO - Desafiando a monarquia do rei tailandês Maha Vajiralongkorn, milhares de manifestantes marcharam em Bangkok neste último domingo (20) para apresentar demandas que incluem um pedido de reformas para restringir poderes do governo.

Os manifestantes ficaram cada vez mais ousados ​​durante os dois meses de manifestações contra o palácio da Tailândia e o sistema dominado pelos militares, quebrando um antigo tabu de criticar a monarquia, o que é ilegal, segundo as leis locais.

O Palácio Real não estava imediatamente disponível para comentar. O rei, que passa grande parte do tempo na Europa, não está na Tailândia.

Os manifestantes foram bloqueados por centenas de policiais desarmados trabalhando em barreiras de controle da multidão.

Os líderes do protesto declararam vitória depois de entregar à polícia uma carta detalhando suas demandas. Phakphong Phongphetra, chefe do Departamento de Polícia Metropolitana, disse que a carta será entregue à delegacia.

Na maior manifestação em anos, dezenas de milhares de manifestantes no sábado apelaram pela reforma da monarquia, bem como pela remoção do primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha, um ex-líder da junta, e uma nova Constituição e eleições.

Pouco depois do nascer do sol deste domingo, os manifestantes colocaram uma placa perto do Grande Palácio de Bangkok, na área conhecida como Sanam Luang, ou Royal Field.

Na placa, está escrito: "Neste lugar o povo expressou sua vontade: que este país pertença ao povo e não seja propriedade do monarca, pois ele nos enganou".

 

Monarquia é criticada

O porta-voz do governo, Anucha Burapachaisri, disse que a polícia não usaria violência contra os manifestantes e que cabia à polícia determinar e processar qualquer discurso ilegal.

Autoridades tailandesas disseram que criticar a monarquia é inaceitável em um país onde o rei está constitucionalmente "entronizado em uma posição de adoração reverenciada".

Os protestos, que começaram nos campi universitários, atraíram um número cada vez maior de pessoas mais velhas. Isso inclui os seguidores de camisas vermelhas do populista deposto primeiro-ministro Thaksin Shinawatra.

Os manifestantes dizem que a Constituição dá ao rei muito poder e que foi projetada para permitir que Prayuth mantivesse o poder após as eleições do ano passado. O próximo protesto está marcado para quinta-feira (24).

 

 

*Por Agência Reuters

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Novembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30