fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

SÃO CARLOS/SP - A Vigilância Epidemiológica de São Carlos confirma nesta quarta-feira (02/12) mais uma morte por COVID-19 no município, totalizando neste momento 61 óbitos.
Trata-se de uma mulher de 87 anos, internada em 29/11 com resultado positivo para COVID-19 e óbito ocorrido nesta quarta (02/12).
Uma mulher de 77 anos, da cidade de Dourado, internada em hospital de São Carlos desde 13/11 também morreu nesta quarta (02/12). Como estabelece o protocolo do Ministério da Saúde o óbito será contabilizado para a cidade de origem da paciente.
São Carlos contabiliza neste momento 4.454 casos positivos para COVID-19 (62 resultados positivos foram divulgados hoje), com 61 óbitos confirmados e 92 descartados.
Dos 4.454 casos positivos, 4.123 pessoas apresentaram síndrome gripal e não foram internadas, 3 óbitos sem internação, 328 pessoas precisaram de internação devido a COVID-19, 252 receberam alta hospitalar e 58 positivos internados foram a óbito. 4.171 pessoas já se recuperaram totalmente da doença. 17.056 casos suspeitos já foram descartados para o novo coronavírus (114 resultados negativos foram divulgados hoje).
Estão internadas neste momento 42 pessoas, sendo 24 adultos na enfermaria (11 positivos, 6 suspeitos e 7 negativos). Na UTI adulto estão internadas 15 pessoas (13 positivos, 1 suspeito e 1 negativo). Na enfermaria 2 crianças estão internadas com resultado negativo para COVID-19. Na UTI pediátrica 1 criança está internada com suspeita da doença. Oito pacientes de outros municípios estão internados em São Carlos. A taxa de ocupação dos leitos especiais para COVID-19 de UTI/SUS está hoje em 46,4% (13 pessoas estão internadas em leitos de UTI/SUS). Na enfermaria/SUS estão internadas 16 pessoas. Na rede particular 10 pessoas estão internadas na enfermaria e 3 na UTI.

NOTIFICAÇÕES – Já passaram pelo sistema de notificação de Síndrome Gripal do município 23.461 pessoas desde o dia 21 de março, sendo que 20.871 pessoas já cumpriram o período de isolamento de 14 dias e 2.590 ainda continuam em isolamento domiciliar.
A Prefeitura de São Carlos está fazendo testes do tipo PCR em pessoas que passam em atendimento nos serviços públicos de saúde com Síndrome Gripal (quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre - mesmo que referida -, calafrios ou dor de garganta ou dor de cabeça ou tosse ou coriza ou distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos), sendo que 14.119 pessoas já realizaram coleta de exames, sendo que 11.213 tiveram resultado negativo para COVID-19, 2.849 apresentaram resultado positivo (esses resultados já estão contabilizados no total de casos). 280 aguardam resultado de exame.
O boletim emitido diariamente pela Vigilância Epidemiológica de São Carlos contabiliza as notificações das unidades de saúde da Prefeitura, Hospital Universitário (HU), Santa Casa, rede particular e planos de saúde.

Ministro da Saúde destacou, em audiência no Congresso Nacional, que primeiro lote terá 15 milhões de doses e, ao longo do ano, serão 260 milhões

BRASÍLIA/DF - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quarta-feira (2) que o Brasil vai receber, entre janeiro e fevereiro, 15 milhões de doses da vacina contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Em audiência no Congresso Nacional, Pazuello destacou que o contrato prevê, com a AztraZeneca, o escalonamento da produção que disponibilizará 100 milhões de doses ao país e transferência tecnológica. Isso permitirá ao Brasil produzir no segundo semestre de 2021 mais 110 milhões a 160 milhões de doses. O valor do contrato é de R$ 1,9 bilhão.

"Entre janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses da Aztrazenica Oxford com a Fiocruz", disse Pazuello. "No primeiro semestre, chegaremos a 100 milhões. No segundo semestre, já com a tecnologia transferida, podemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí, são 260 milhões de doses", explicou.


Mais 42 milhões de doses

O ministro destacou a participação do Brasil no consórcio Covax Facility, no valor de R$ 2,5 bilhões, que reúne dez laboratórios e que pode garantir ao país mais 42 milhões de doses, totalizando mais de 300 milhões de doses de vacinas já acordadas e comercializadas.

Pazuello destacou que poucos laboratórios internacionais têm condições de atender a alta demanda do Brasil.

 "São muito poucas as fabricantes que têm a quantidade de cronograma de entrega efetivo para o nosso país. "Os números são pífios", disse Pazuello. "A maioria fica com número muito pequeno para o nosso país."

O ministro ressaltou que o governo só vai aplicar vacinas que forem aprovadas pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária).

 Início da pandemia

Segundo Pazuello, à medida em que forem encontradas soluções melhores, mais eficazes comprovadamente para salvar mais vidas com mais eficiência no tratamento, a pasta não tem medo de mudar.

“Aprendemos com os erros do início da pandemia, quando foram fechadas as UBSs [Unidades Básicas de Saúde], deixando de atender a população desde o início dos sintomas. Em vez de fazer a triagem correta, havia o medo de contaminação. O que é preciso é triar pessoas com sintomas para um lado, pessoas com outras doenças para outro lado, com os médicos e as equipes médicas paramentadas, tomando seus cuidados. Deixamos, com isso, de atender a população desde o início”, disse.

Na avaliação do ministro, o acompanhamento precoce, o diagnóstico clínico do médico, mudou muito o resultado final do tratamento. “E isso não é demérito de A e mérito de B. É aprendizado do sistema, é aprendizado dos nossos médicos e dos nossos gestores, que estão vendo”, advertiu.

Pazuello considerou o lockdown em várias cidades como um erro. Para o ministro, a medida foi implementada sem planejamento, sem conhecimento real da pandemia, somente com base no medo. “Isso também não pode ser condenado. As pessoas não tinham o conhecimento de tudo, os gestores não tinham o conhecimento de tudo. Nós vemos que hoje se toma muito mais cuidado em se fazer um lockdown, em se fazer um afastamento social mais agressivo. É o conhecimento”, disse.

Validade de testes

Questionado sobre os testes RT-qPCR para o diagnóstico da doença, estocados no Aeroporto de Guarulhos, com validade entre dezembro deste ano e janeiro de 2021, o ministro esclareceu que a validade de itens que compõem esses kits vão além desse prazo e podem chegar ao final de 2023.

“Sobre a caixa do kit, quando chegou, à época foi feito um registro inicial com a Anvisa e a empresa, dando uma validade pequena de oito meses, emergencial, para iniciar o uso. Essa validade inicial seria e será renovada, porque todos os componentes dos testes, como foi apresentado na Comissão Externa da Câmara, têm a validade muito mais estendida. Nós sempre soubemos disso. Isso não é uma novidade”, explicou Pazuello, acrescentando que o processo de revalidação já começou há muito tempo e que as discussões com a empresa e com a Anvisa são anteriores, não são de agora.

O Ministério da Saúde nega que sejam 6,68 milhões de testes estocados como divulgado pela imprensa. Segundo a pasta, 2,8 milhões de testes terão o período de validade estendido.

Por R7

Evento será online nos dias 3 e 4 de dezembro, aberto a todas as pessoas interessadas

 

SÃO CARLOS/SP - Nesta semana, nos dias 3 e 4 de dezembro, acontece a "VII Jornada de Estudos em Gerontologia - estratégias de promoção do envelhecimento ativo", realizada pelo Observatório do Envelhecimento Ativo, programa de extensão da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O evento é online, gratuito e aberto a todas as pessoas interessadas. O tema central dessa edição será "Desafios do envelhecer em tempos de pandemia" e contará com convidados da própria UFSCar e de outras instituições.
Além de ser um espaço de reflexão e disseminação da cultura acadêmica sobre o processo de envelhecimento ativo, a Jornada propõe, no contexto da pandemia de Covid-19, o diálogo entre diferentes públicos sobre as estratégias de promoção dos processos de envelhecimento ativo e saudável, em áreas como trabalho, tecnologia, esporte, arte, cultura e lazer, dentre outras. 

Programação
Todas as atividades serão transmitidas pelo YouTube, a partir das 9 horas, com intervenções artísticas. No dia 3 de dezembro, as palestras começam às 9h15 e as apresentações "Conselhos de direitos das pessoas idosas" e "Desafios do cuidado à saúde em tempos de pandemia" poderão ser acompanhadas neste link (https://bit.ly/2V5NNNi). Já palestra "Universidades sênior em tempos de pandemia" acontece neste link (https://bit.ly/3q51wlO), a partir das 17 horas.
No dia 4, as palestras "Impactos da Covid-19 na população idosa" e "Estratégia Brasil Amigo da pessoa idosa" estarão disponíveis neste link (https://bit.ly/33jPn2J), a partir das 9h30, e a roda de conversa "Contribuições dos bacharéis em Gerontologia para os tempos de pandemia" poderá ser acessada aqui (https://bit.ly/3mbblMr), às 17 horas. A programação completa e os palestrantes estão no site do evento (https://jornadageronto.wixsite.com/7edicao).
Não há necessidade de inscrições prévias e a organização disponibilizará link para confirmação de presença e emissão de certificado em cada atividade.
A promoção do evento conta com o apoio do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Gerontologia Social (NIEPGS/CNPq), do Departamento de Gerontologia (DGero), da Secretaria Geral de Educação a Distância (SEaD) e da Pró Reitoria de Extensão (ProEx) da UFSCar.

Especialista FGV debate aspectos econômicos que influenciam nas tendências de consumo

 

SÃO PAULO/SP - O ano de 2020 trouxe uma série de desdobramentos, que resultaram em uma nova realidade devido a pandemia, sobretudo em relação ao varejo, que fechou as portas por quase cinco meses ou migrou rapidamente para o e-commerce.

Segundo um levantamento da agência Boa Vista, as vendas encolheram 41% no Dia das Mães em 2020 se comparado à mesma data festiva do ano passado. “O Dia dos Namorados, em 2020, também trouxe resultados parecidos com as quedas apresentadas no Dias das Mães”, analisa o professor Victor Corazza Modena, da IBE Conveniada FGV.

Em dados apresentados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o comércio deve contratar 20% menos colaboradores temporários do que no Natal de 2019.

Para o professor, as contratações em menor número refletem a demanda inferior à do ano anterior. Porém, ele avalia que o mercado virtual pode ser o contraponto na tendência negativa de consumo. “É o mesmo cenário que nas datas anteriores: a loja física apresenta uma queda, e o e-commerce um aumento”, pontua.

O especialista em finanças analisa que “há uma tendência negativa em relação às vendas como um todo e às contratações temporárias para postos físicos de trabalho, ainda que exista uma tendência positiva de crescimento do mercado online”.

Segundo pesquisa realizada pelo Score Group e pelo Hibou, mais de um terço da população não vai chamar muita gente pra cerimônia de Natal e 48% vai abdicar de viagens. “E além disso, os presentes não devem passar de quatro ou cinco por comprador, com preço médio de R$100 por presenteado”, avalia Modena.

Ainda segundo o levantamento, o brasileiro está cada vez mais se sentindo confortável com compras em ambiente online e o uso do celular para realizar tais compras está em ritmo crescente. “Um ponto que chama muito a atenção é que 19% dos consumidores vai comprar de marcas que se posicionaram durante a pandemia, ou seja, é o propósito da marca chamando a atenção para um quinto da população”, coloca o professor.

“Os presentes mais baratos ganham preferência (roupas, sapatos e acessórios), enquanto o queridinho dos Natais passados, o smartphone, andou perdendo espaço”, pontua o especialista, que opina que “de uma forma geral, o consumidor deve gastar menos dinheiro que nos Natais anteriores. Os compradores estão muito afetados pelo contexto da pandemia e pelas incertezas do mercado, incluindo as dúvidas econômicas”.

Modena conclui dizendo que trocar experiências por produtos também é uma realidade, uma vez que o distanciamento social barra muitas possibilidades que envolvem deslocamento.  “No cenário brasileiro indicando crescimento constante no número de inadimplentes, o Natal de 2020 parece ser retomada de seu verdadeiro significado: nascimento, amor, união e família”, finaliza.

 

SÃO PAULO/SP - Anúncio de volta de restrições vai diminuir horário de funcionamento e capacidade de estabelecimentos. Programação de volta às aulas segue igual

Com o retorno de todo o Estado de São Paulo para a Fase 3 - Amarela do Plano São Paulo, os estabelecimentos comerciais no estado de São Paulo fecharão mais cedo a partir desta quarta-feira (2). A medida, porém, não alterará a programação de volta às aulas, e as escolas não serão fechadas. 

O anúncio da reclassificação aconteceu nesta segunda-feira (30), um dia depois das eleições municipais, durante coletiva de imprensa com o governador João Doria (PSDB). A medida foi tomada diante do aumento de internações e casos,  registrado desde o início de novembro.

Com base na reclassificação, a decisão final de abrir ou fechar serviços e comércios em casos mais graves ficará sob responsabilidade das prefeituras. Na capital, nem mesmo cinemas ou teatros serão fechados com a reclassificação. 

Veja as regras da fase amarela

Shoppings centers

Ocupação máxima limitada a 40% da capacidade do local.

Horário reduzido (10 horas).

Praças de alimentação (ao ar livre ou em áreas arejadas).

Adoção dos protocolos geral e setorial específico.

Comércio e serviços

Ocupação máxima limitada a 40% da capacidade do local.

Horário reduzido (10 horas).

Adoção dos protocolos geral e setorial específico.

Bares e restaurantes

Somente ao ar livre ou em áreas arejadas.

Ocupação máxima limitada a 40% da capacidade do local.

Horário reduzido (10 horas).

Consumo local até 17h.

Consumo local até as 22h (se a região estiver a ao menos 14 dias seguidos na fase amarela).

Adoção dos protocolos padrões e setoriais específicos.

Salões de beleza e barbearias

Ocupação máxima limitada a 40% da capacidade do local.

Horário reduzido (10 horas).

Adoção dos protocolos geral e setorial específico.

Academias

Ocupação máxima limitada a 30% da capacidade do local.

Horário reduzido (10 horas).

Agendamento prévio com hora marcada.

Permissão apenas de aulas e práticas individuais, mantendo-se as aulas e práticas em grupo suspensas.

Adoção dos protocolos geral e setorial específico.

Eventos e atividades culturais

Ocupação máxima limitada a 40% da capacidade do local.

Obrigação de controle de acesso, hora marcada e assentos marcados.

Venda de ingressos de eventos culturais em bilheterias físicas, desde que respeitados protocolos sanitários e de distanciamento.

Assentos e filas respeitando distanciamento mínimo.

Proibição de atividades com público em pé.

Por R7

SÃO CARLOS/SP - A Vigilância Epidemiológica de São Carlos confirma nesta segunda-feira (30/11) mais uma morte por COVID-19 no município, totalizando neste momento 60 óbitos.

 

Trata-se de um homem de 76 anos, internado em 27/10 e óbito suspeito em 29/11. O exame foi divulgado nesta segunda-feira com resultado positivo para COVID-19.
São Carlos contabiliza neste momento 4.300 casos positivos para COVID-19 (68 resultados positivos foram divulgados hoje), com 60 óbitos confirmados e 92 descartados.
Dos 4.300 casos positivos, 3.970 pessoas apresentaram síndrome gripal e não foram internadas, 3 óbitos sem internação, 327 pessoas precisaram de internação devido a COVID-19, 252 receberam alta hospitalar e 57 positivos internados foram a óbito. 4.075 pessoas já se recuperaram totalmente da doença. 16.698 casos suspeitos já foram descartados para o novo coronavírus (230 resultados negativos foram liberados hoje).
Estão internadas neste momento 44 pessoas, sendo 23 adultos na enfermaria (10 positivos, 8 suspeitos e 5 negativos). Na UTI adulto estão internadas 16 pessoas (13 positivos, 2 suspeitos e 1 negativo). Na enfermaria 4 crianças estão internadas, todas com suspeita da doença. Na UTI pediátrica 1 criança está internada também com suspeita da doença. Sete pacientes de outros municípios estão internados em São Carlos. A taxa de ocupação dos leitos especiais para COVID-19 de UTI/SUS está hoje em 50% (14 pessoas estão internadas em leitos de UTI/SUS). Na enfermaria/SUS estão internadas 19 pessoas. Na rede particular 8 pessoas estão internadas na enfermaria e 3 na UTI.

NOTIFICAÇÕES – Já passaram pelo sistema de notificação de Síndrome Gripal do município 23.139 pessoas desde o dia 21 de março, sendo que 20.504 pessoas já cumpriram o período de isolamento de 14 dias e 2.635 ainda continuam em isolamento domiciliar.
A Prefeitura de São Carlos está fazendo testes do tipo PCR em pessoas que passam em atendimento nos serviços públicos de saúde com Síndrome Gripal (quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre - mesmo que referida -, calafrios ou dor de garganta ou dor de cabeça ou tosse ou coriza ou distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos), sendo que 13.888 pessoas já realizaram coleta de exames, sendo que 10.855 tiveram resultado negativo para COVID-19, 2.736 apresentaram resultado positivo (esses resultados já estão contabilizados no total de casos). 297 aguardam resultado de exame.
O boletim emitido diariamente pela Vigilância Epidemiológica de São Carlos contabiliza as notificações das unidades de saúde da Prefeitura, Hospital Universitário (HU), Santa Casa, rede particular e planos de saúde.

Outro detalhe que chama a atenção é que São Carlos está em 18º entre os 62 municípios onde mais cresce o número de contamidanos pelo COVID-19, veja na foto abaixo.

Seminário online acontece entre 8 e 10 de dezembro; inscrições estão abertas

 

SÃO CARLOS/SP - Entre os dias 8 e 10 de dezembro, o InformaSUS, projeto de extensão da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), promove o seminário online "O SUS e a Atenção Primária em Saúde: o que aprendemos com a pandemia?". A atividade é gratuita, aberta a todo o público e as inscrições já podem ser realizadas. 
A pandemia de Covid-19 tem feito milhões de vítimas ao redor do mundo e, no Brasil, são mais de 5 milhões de casos e 170 mil mortes ocorridas em decorrência da doença, segundo o consórcio de veículos de imprensa do País. Nesse contexto, o Sistema Único de Saúde (SUS) vem sendo desafiado a cumprir seu papel de cuidador universal, respeitando-se a acessibilidade e equidade de atendimento a todos os brasileiros, mas muitas de suas dificuldades também têm sido expostas diante da pandemia.
Frente a esse cenário, o evento tem o intuito de discutir os desafios postos para o SUS e, principalmente, para a Atenção Primária à Saúde (APS) no Brasil durante o trabalho desenvolvido em rede com as demandas advindas da pandemia. O evento é uma parceria entre o InformaSUS da UFSCar e docentes das universidades federais Fluminense (UFF), da Grande Dourados (UFGD), do Oeste do Pará (Ufopa), Rural do Semi-Árido (Ufersa), de Santa Maria (UFSM), da Universidade de São Paulo (USP) e do Núcleo de Pesquisa e Estudos em Saúde Coletiva (Nupesco) da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP-USP).
Os temas apresentados ao longo do seminário estão em três grandes eixos: Micropolítica do trabalho em saúde e os desafios frente à pandemia de Covid-19; Processos de reorganização dos serviços de APS, acerca da constituição das equipes, dos processos de educação permanente em saúde, a produção de cuidados individuais e coletivos; e os Grandes desafios postos, como as redes de atenção, o processo de formação de profissionais para a APS e o financiamento do sistema. Toda a programação e mais informações estão no site do InformaSUS (www.informasus.ufscar.br).
O evento será transmitido pelo canal do InformaSUS no YouTube (https://bit.ly/3l8D6E6), das 13h30 às 18 horas. Interessados devem se inscrever em formulário online disponível no site.
O seminário também é parte do projeto de extensão "Experiências da Atenção Primária em Saúde no SUS: invenção e resistência em tempos de pandemia" (https://bit.ly/39fjf3V) e conta com apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP. Dúvidas podem ser esclarecidas pelos e-mails Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

SÃO CARLOS/SP - O Conselho da Comunidade Negra de São Carlos, em parceria com a Secretaria de Cidadania e Assistência Social, por meio do Departamento de Direitos Humanos, realiza nesta sexta-feira (27/11), das 15h30 às 17h, uma transmissão ao vivo pela internet (live) dentro do programa “Diálogos Online Mês da Consciência Negra” uma para discussão com o tema “Movimento negro e seu papel na visibilidade de demandas sociais no contexto da pandemia da COVID-19”.

A mediação será da professora Carmelita Maria da Silva com a participação do professor doutor Dagoberto José Fonseca da UNESP de Araraquara, do assistente social Benedito Elson da Silva e de Valetim Donizete de Camargo do Projeto PROARA.

Para participar da transmissão da live basta clicar no link http://meet.google.com/qre-pntz-abd.

Em comemoração ao Dezembro Laranja, de conscientização sobre o câncer de pele, equipe irá realizar uma live, no dia 8, e orientações sobre prevenção nas principais entradas do HAC e de clubes da cidade, durante o mês

 

   JAÚ/SP - Com a chegada do Dezembro Laranja, de conscientização sobre o câncer de pele, é importante lembrar que os cuidados com a saúde não podem ficar de lado. Mesmo com o atual cenário de incertezas e profundas mudanças, por conta da pandemia, é essencial manter hábitos saudáveis para prevenir a doença e ficar atento aos sinais que podem levar ao diagnóstico precoce. Para ressaltar o assunto, o Hospital Amaral Carvalho (HAC) promove atividades especiais neste mês. 

   O Programa de Prevenção do Melanoma – tipo de câncer de pele mais agressivo, está atendendo a população com horário marcado por telefone e respeitando as orientações de precaução da Covid-19. Apesar da redução no número de atendimentos (queda de 65% de janeiro a outubro, comparado a 2019), sete casos de melanoma foram detectados pela equipe neste ano. "Considerando que suspendemos as triagens por três meses e que muitas pessoas estão deixando de comparecer, talvez por acharem que não tem problema esperar a pandemia passar, o número é alto", afirma a enfermeira do Programa Carla Turini.

   De acordo com a profissional, caso haja qualquer alteração nas pintas é importante procurar o serviço. "Estamos seguindo todas as medidas preventivas da Covid-19, como espaçar os atendimentos para evitar aglomeração no Instituto de Prevenção. Todos da equipe usam máscaras, disponibilizamos álcool gel 70% para frequente higienização das mãos e, na entrada, é avaliada a temperatura do paciente. Portanto, é seguro vir até aqui", enfatiza.

   Com o surgimento de uma pinta diferente no rosto, Sueli Conduta Pinto (62) achou mais prudente buscar a avaliação profissional e descartar qualquer suspeita. "Fiquei preocupada, mas mesmo com todas as restrições por conta da pandemia, preferi vir. É menos arriscado que deixar pra lá", comentou.

   O esposo Sebastião (63) a acompanhou na consulta e também aproveitou para fazer uma avaliação. "Conhecemos o HAC há anos e sabemos da importância desse programa. Hoje em dia, as pessoas não dão muita atenção aos sinais e quando vão procurar ajuda, às vezes é tarde e não há possibilidade de cura", disse.

   No Instituto de Prevenção, o casal recebeu orientações de prevenção e cuidados com a pele. Carla também reforçou os sinais que podem levar ao diagnóstico do melanoma.

  

Regra do ABCDE

   Para ajudar a identificar uma lesão que pode ser melanoma, existe uma regra conhecida como ABCDE. Cada uma das letras corresponde à inicial de um sinal relacionado à doença:

Assimetria – uma metade da pinta não se parece com a outra;

Bordas irregulares – as bordas são recortadas, pouco definidas;

Cor – sombras de marrom, preto e, às vezes, branco ou vermelho na mesma pinta;

Diâmetro – maior que 6mm (equivalente ao de um lápis);

Evolução – mudança de aspecto.

   A enfermeira afirma que, não é porque estamos em uma fase de pandemia, com alterações importantes na rotina, que podemos abandonar hábitos como o uso diário de protetor solar e roupas que protejam o corpo o máximo possível, como braços, pescoço e nuca, por exemplo. "Também devemos evitar a exposição ao sol entre 10h e 16h".

 

Ações especiais

   O Programa de Prevenção do Melanoma funciona durante o ano todo, mas em dezembro, para reforçar as orientações em Jaú, a equipe irá realizar ações especiais. Além de postagens com dicas nas redes sociais, no dia 8, a dermatologista coordenadora do Programa, Ana Gabriela Salvio, e a enfermeira Carla apresentam live sobre o tema. A transmissão será pelo canal do Hospital Amaral Carvalho no Youtube, às 17h15.

   Nos três primeiros sábados de dezembro, profissionais de enfermagem estarão nas portas de clubes da cidade esclarecendo dúvidas dos sócios. Às quartas-feiras, a ação será nas principais portarias do HAC. "O foco das nossas atividades é detectar as lesões precocemente para garantir maiores chances de cura e falar sobre prevenção, um hábito que fazemos questão de incentivar", completa Carla. 

Pesquisa convida voluntários, a partir de 20 anos e de todo o Brasil, para responderem questionário online

 

SÃO CARLOS/SP - Uma pesquisa desenvolvida no Departamento de Gerontologia (DGero) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está buscando voluntários para avaliar se as pessoas usam a tecnologia na intenção de atingir hábitos saudáveis diante do distanciamento social, necessário em virtude da pandemia de Covid-19. O estudo "Uso de tecnologias para atingir hábitos saudáveis durante a pandemia da Covid-19" é realizado por Letícia Fernanda Belo, graduanda em Gerontologia da UFSCar, sob coordenação das professoras Grace Angélica de Oliveira Gomes e Paula Costa Castro, ambas do DGero. 
O objetivo é investigar se as pessoas estão recorrendo à tecnologia para melhorar seus hábitos relacionados a atividade física, alimentação, controle de estresse, interação e diminuição do consumo de bebidas alcoólicas e do tabaco. Em caso afirmativo, a ideia é levantar também quais tecnologias estão sendo utilizadas.
De acordo com as pesquisadoras, o isolamento social pode interferir na saúde das pessoas e a importância deste projeto está na análise do impacto do distanciamento no estilo de vida da população com mais de 20 anos. Além disso, a pesquisa permitirá o conhecimento sobre o uso de tecnologia durante a pandemia, inclusive para atingir hábitos saudáveis, o que mostrará o quão recorrente é o uso de ferramentas digitais no dia a dia. 
A expectativa é que os resultados possam auxiliar na elaboração de políticas públicas voltadas à manutenção do estilo de vida e envelhecimento saudáveis, além da possibilidade da inserção de ferramentas e-health em prol da saúde da população, visando promoção de bem estar e prevenção de agravos. "Nossa expectativa é atingir indivíduos residentes de outros estados do Brasil, bem como indivíduos de diversas idades em uma amostra diversificada que permita a análise, comparação e desfechos de dados para o nosso grande número de variáveis", declaram as pesquisadoras.
Para realizar o estudo estão sendo convidados voluntários, homens ou mulheres, a partir de 20 anos, de qualquer região do Brasil. Os participantes devem apenas responder este questionário online (encurtador.com.br/yHIKL), que tem duração média de 10 minutos, e que ficará disponível até o dia 30 de novembro. Mais informações sobre a pesquisa podem ser solicitadas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Dezembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31