fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Segundo a neuroftalmologista Márcia Lúcia Marques, doença prejudica os nervos oculares e deve ser tratada logo no início com acompanhamento de médico especialista.

 

SÃO PAULO/SP - A esclerose múltipla atinge cerca de 2,3 milhões de pessoas no mundo, sendo que no Brasil, sua prevalência pode variar de 1,36 a 27,7 casos por 100.000 habitantes, de acordo com a região. Para promover a disseminação de informações sobre a doença, no dia 30 de agosto é celebrado o Dia Nacional de Conscientização Sobre a Esclerose Múltipla.

De acordo com a neuroftalmologista Márcia Lúcia Marques, a esclerose múltipla é uma doença considerada desmielinizante, ou seja, por motivos ainda não identificados as defesas do corpo ‘atacam’ a bainha de mielina que envolve os nervos, fazendo com que eles fiquem desprotegidos e desencadeando inflamações.

“O nervo ótico é um exemplo de nervo revestido por essa bainha de mielina. Ele é o responsável pela condução da nossa visão ao cérebro e, como em qualquer processo inflamatório de células nervosas, ele não se regenera depois de comprometido. Por isso, a neurite ótica é uma urgência oftalmológica e pede que o caso seja investigado e tratado o mais rápido possível”, explicou.

Segundo a neuroftalmologista, quando a doença e o comprometimento do nervo ótico são identificados logo no início, é mais propício que o paciente tenha a recuperação da visão com nenhuma ou poucas sequelas. Caso contrário, a neurite pode causar a perda definitiva ou parcial do olho atingido pela inflamação.

“A perda da visão é um problema que a esclerose pode trazer de maior impacto, porque acaba sendo bastante incapacitante para o paciente”, explicou.

 

Sintomas e diagnóstico

O diagnóstico da esclerose múltipla é feito, principalmente, de forma clínica, com apoio de uma série de exames complementares, como a ressonância magnética do encéfalo e da coluna vertebral e a coleta de liquor para análise.

De acordo com Márcia Lúcia, os principais sintomas que levam os pacientes a procurarem ajuda médica são formigamentos, dormência e perda de força muscular, na maioria das vezes, em membros inferiores e nas mãos. Já em relação aos olhos, a doença pode dar sinais como a perda de visão súbita e dor ocular.

“Às vezes o paciente não tem sintoma nenhum da doença, mas ele apresenta uma baixa de visão súbita, de um dia para o outro, dor na movimentação dos olhos e, em alguns casos, a pessoa pode ter estrabismo”, explicou.

 

Tratamento

O tratamento da esclerose múltipla é feito de forma aguda para combater a inflamação do nervo ótico, com acompanhamento de um neurologista especializado na doença.

De acordo com a neuroftalmologista, inicialmente os danos causados aos nervos podem ser reversíveis, desde que o tratamento seja feito logo no início da presença da inflamação.

“Uma vez identificada a inflamação no nervo ótico, o tratamento correto deve ser iniciado logo em seguida. Dessa forma, dependendo do grau de inflamação e do início do tratamento, as sequelas podem ser reversíveis”, disse.

 

Conscientização

A campanha Agosto Laranja busca ampliar o debate sobre a esclerose múltipla para promover a conscientização não só das pessoas que são portadoras, mas também de seus familiares, amigos e pessoas que nunca tiveram contato com a doença.

“Principalmente os familiares dessas pessoas, que acabam tendo uma chance maior de desenvolver a doença, porque existe uma certa herança genética. Então é importante que as pessoas saibam identificar os sintomas e conheçam quem são os profissionais indicados para o tratamento”, disse.

Para a neuroftalmologista, o mês de conscientização também é necessário para que as pessoas mais propensas a desenvolverem a doença conheçam os sintomas. De acordo com os estudos mais recentes, a doença atinge pessoas jovens e, em sua maioria, mulheres.

“Muitas vezes, a paciente já tem algum sintoma da doença por anos sem perceber que aquilo pode ser um início da esclerose múltipla. Quanto antes a pessoa desconfiar do problema e procurar um médico especializado, mais fácil é a prevenção das sequelas que ela pode trazer”, disse.

 

Quem é Dra. Márcia Lúcia Marques?

Médica oftalmologista formada pela faculdade de medicina do ABC com mais de 15 anos de experiência. Especialista em glaucoma clínico e cirúrgico e neuroftalmologia.

É doutora em neurooftalmologia e doenças neurodegenerativas, com estudos em doenças como esclerose múltipla, doença de Parkinson, ataxias e doença de Alzheimer.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31