fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

RECIFE/PE - Mesmo com uma equipe considerada mista, o Palmeiras foi até Recife e derrotou o Sport por 1 a 0, na abertura da 29ª rodada da Série A. A partida foi marcada por uma polêmica nos instantes finais, quando, após consultar o árbitro de vídeo (VAR), o árbitro Dyorgines José Padavani de Andrade voltou atrás da marcação de uma penalidade para os donos da casa já nos acréscimos. O gol marcado por Willian no primeiro tempo acabou sendo suficiente para a vitória, que deixa o Verdão firme no G-6, com 47 pontos, em sexto.

Envolvido na disputa da final da Copa do Brasil e na semifinal da Libertadores, o Palmeiras enviou a campo uma escalação com algumas modificações do técnico português Abel Ferreira, principalmente a improvisação do zagueiro Emerson Santos na lateral direita e a presença do pouco utilizado zagueiro chileno Benjamín Kuscevic. Na terça-feira, o time paulista pode confirmar a vaga em uma final da Libertadores depois de quase 21 anos. A equipe derrotou o River Plate no jogo de ida, em Buenos Aires, por 3 a 0.

Em Recife, o Sport tomou mais a iniciativa, mas o Palmeiras não deixou de levar perigo ao gol de Luan Polli. Patric, com algumas investidas no começo do jogo, deixou o Verdão alerta, mas não demorou para que a equipe paulista abrisse o placar.

Aos 26 minutos, Gabriel Veron recebeu longo lançamento pela direita e cruzou rasteiro. Willian dominou já dentro da área e chutou quase sem ângulo. Com os desvio por entre as pernas do goleiro Polli, a bola acabou entrando. Foi o 18º gol do atacante na temporada. Ele é o artilheiro do time, junto com Luiz Adriano.

A partir daí, o Palmeiras assumiu mais o controle do jogo, tanto em posse de bola quanto em número de oportunidades de gol.

No segundo tempo, o time de Abel Ferreira esteve perto do segundo gol aos 15 minutos, quando o atacante Breno Lopes acertou a trave em uma jogada pela direita.

O técnico Jair Ventura queimou as cinco substituições a que tinha direito, mas o Sport ainda parecia mais distante de empatar do que o Palmeiras de ampliar. A chance de ouro pareceu vir aos 49 do segundo tempo. Rony tentou o domínio com o peito dentro da área, mas a bola acabou tocando em seu braço. Depois de apitar pênalti no campo, o árbitro recorreu ao VAR e acabou voltando atrás, sob muitas reclamações dos jogadores do Sport. Ele considerou o toque de Rony involuntário.

O Palmeiras confirmou o triunfo por 1 a 0, que mantém a equipe com três vias possíveis para uma vaga na próxima edição da Libertadores: o G-6 do próprio Campeonato Brasileiro, o título da Copa do Brasil e o da Libertadores. Já o Sport segue na briga contra o rebaixamento, com 32 pontos, quatJogo terminou com pênalti anulado após consulta ao árbitro de vídeo. Verdão se mantem na briga pelo título enquanto Sport se aproxima da zona de rebaixamento. ro a mais que o primeiro integrante da zona do rebaixamento, o Bahia.

 

 

*Por Igor Santos - Repórter da TV Brasil - Rio de Janeiro - Agência Brasil

SÃO PAULO/SP - Neste domingo, o Palmeiras recebeu o Red Bull Bragantino no Allianz Parque e venceu por 1 a 0, em partida válida pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo com uma atuação sem brilho e sendo pressionado pelos visitantes, o Verdão saiu com os três pontos graças a um gol de Luiz Adriano, que voltou a ser titular depois de mais de um mês. Focado na partida de volta da semifinal da Copa do Brasil, Abel Ferreira optou por deixar Gustavo Gómez, Raphael Veiga e Gustavo Scarpa no banco.

Com o resultado, o Palmeiras foi a 44 pontos, na quinta posição. O duelo contra o América-MG acontece na quarta-feira, às 21h30, no Independência. Já pelo Brasileirão, o próximo compromisso é contra o Sport, fora de casa, no dia 9 de janeiro (sábado). Enquanto isso, o Red Bull Bragantino estacionou nos 31 pontos, na 13ª colocação. Na próxima rodada, o time enfrenta o São Paulo, em casa, no dia 6 de janeiro (quarta-feira), às 21h30.

O primeiro tempo foi de poucas emoções no Allianz Parque. O Palmeiras chegou com perigo duas vezes, tendo marcado em uma delas. Gabriel Menino fez cruzamento preciso na cabeça de Luiz Adriano, que testou para as redes. Pouco antes do intervalo, Breno Lopes acertou uma bomba no travessão.

A segunda etapa teve um Verdão muito abaixo, sendo pressionado pelo Massa Bruta. Os visitantes criaram diversas chances de gol, acertando a trave duas vezes e parando em Weverton. Mesmo assim, o Alviverde se segurou atrás e saiu com os três pontos.

O jogo - O Red Bull Bragantino começou destemido e teve a primeira chance do jogo. Cuello levantou para a área, Empereur não conseguiu cortar e Ryller chegou batendo para fora. Com uma baixa produção ofensiva, o Palmeiras encontrou dificuldade para construir na etapa inicial. Mesmo assim, o time conseguiu abrir o placar na primeira chegada. Aos 27 minutos, Gabriel Menino recebeu pela esquerda e cruzou na medida para Luiz Adriano. O centroavante testou para o chão e Cleiton não evitou o gol.

Depois de marcar, o Palmeiras mostrou consistência defensiva e não foi mais ameaçado pelo RB Bragantino antes do intervalo. Por outro lado, Breno Lopes quase marcou um belo gol para o Verdão. Ele avançou em velocidade pela direita e finalizou forte, parando no travessão.

O segundo tempo iniciou novamente com o ritmo baixo. Na primeira chegada do Massa Bruta, Aderlan recebeu a bola invertida dentro da área e bateu de primeira. O chute foi desviado pela defesa do Verdão e passou perto da trave. Em seguida, os visitantes acertaram a trave. Após bate e rebate, Fabrício Bruno finalizou, a bola tocou em Léo Ortiz e parou no poste.

Sem conseguir atacar, o Palmeiras se viu acuado pelo RB Bragantino. Dessa vez foi Cuello quem arrancou pela esquerda, trouxe para dentro e finalizou para boa defesa de Weverton. Depois, Claudinho cruzou pela esquerda e Ytalo apareceu sozinho dentro da área para cabecear no travessão.

Sem conseguir ajustar a postura em campo, o Verdão continuou sendo pressionado. Lucas Evangelista, com chute forte de longe, e Artur, com finalização colocada da entrada da área, novamente levaram perigo. Mesmo com muito volume ofensivo, o RB Bragantino não balançou as redes e deixou o Allianz Parque derrotado.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SÃO PAULO/SP - Corinthians e Avaí Kindermann entraram em campo neste domingo, na Neo Química Arena, para disputar a finalíssima do Brasileirão Feminino. Após o empate sem gols na partida de ida, o Corinthians fez 4 a 2 e conquistou o título da competição.

Mesmo com desfalques - Andressinha, Juliete e Pâmela, que testaram positivo para covid-19 - o Timão conseguiu abrir vantagem ainda na primeira etapa e levantou o segundo caneco do Brasileiro.

Buscando o título inédito, o Kindermann começou melhor a decisão, pressionando bastante a saída de bola do Corinthians e anulando a criação adversária.

Na primeira infiltração das meninas do Corinthians, aos 27 minutos, Gabi Nunes saiu de frente com Bárbara e exigiu boa defesa da goleira. Logo em seguida, na cobrança de escanteio, após desvio no meio do caminho, a própria Gabi Nunes aproveitou para abrir o marcador.

Novamente na bola parada, agora pela esquerda, aos 32 minutos, Bárbara saiu mal e Gabi Zanotti atacou a pequena área para ampliar a vantagem.

As meninas do Avaí voltaram do vestiário e deram esperanças para a torcida logo de início - mais uma vez na bola parada, Catyellen cobrou falta e Zoio subiu para diminuir o marcador. Porém, o Corinthians revidou com o segundo gol de Gabi Zanotti.

O Kindermann voltou para o jogo de novo, agora com Lelê, aos 33 minutos. Mas a resposta a resposta foi imediata e Vic Albuquerque fechou o placar com o quarto gol do Timão.

Com a vitória, e chegando na quarta final consecutiva da competição, o Corinthians soma a conquista de 2020 ao título de 2018 e se torna bicampeão brasileiro.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA 

FORTALZEA/CE - O São Paulo voltou a vacilar na briga pela liderança do Campeonato Brasileiro. Visitando o Ceará nesta quarta-feira, na Arena Castelão, em duelo atrasado válido pela 16ª rodada, o time comandado por Fernando Diniz até saiu na frente em um bom início de jogo, mas cedeu o empate na etapa complementar e teve de se conformar com a igualdade em 1 a 1. Diego Costa balançou as redes para o Tricolor. Léo Chú igualou para o Vozão.

Esse foi o segundo empate consecutivo do São Paulo na competição. No último domingo, o Tricolor ficou na igualdade com o Vasco, pelo mesmo placar desta quarta-feira. Caso vencessem o Ceará, Daniel Alves e companhia também dependeriam de um tropeço do Atlético-MG contra o Botafogo para assumir a liderança, mas, com o empate, o plano ficou ainda mais difícil.

A partida entre Ceará e São Paulo também foi marcada por uma polêmica envolvendo o VAR. Aos 12 minutos do segundo tempo, Pablo, impedido, balançou as redes para o Tricolor. O auxiliar levantou a bandeira, porém, após revisão do VAR, o lance foi considerado normal, e a partida foi reiniciada.

De acordo com a regra, o árbitro não pode mudar sua decisão sobre qualquer lance após o jogo recomeçar. Mas, depois de o Ceará dar o pontapé inicial, o VAR voltou a chamar o juiz Wagner do Nascimento Magalhães, revendo a decisão e concordando em anular o gol de Pablo.

Agora, o Tricolor terá de correr atrás do prejuízo contra o Bahia, em Salvador, no próximo sábado. A equipe de Diniz está invicta há 13 jogos no Brasileirão, com seis vitórias e sete empates, mas precisa voltar a vencer, o que não acontece há duas rodadas.

O jogo – O São Paulo começou a partida ligado. Logo aos quatro minutos, Gabriel Sara bateu colocado, buscando o ângulo, e assustou o goleiro Richard. Depois, foi a vez de Juanfran experimentar da entrada da área, pela direita, mandando para fora. Mas, de tanto insistir, os visitantes acabaram abrindo o placar aos dez minutos. Em cobrança de escanteio de Reinaldo, Diego Costa subiu sozinho e cabeceou para o fundo das redes.

Empolgado com a vantagem, o São Paulo foi pra cima do Ceará. Aos 21 minutos, Luan soltou uma bomba, de longe, contou com o desvio na defesa adversária e forçou Richard a se esticar todo para evitar o segundo gol dos visitantes. Pouco depois, Juanfran desceu pela direita e cruzou rasteiro para Luciano, que tentou completar para o fundo do gol, mas o goleiro de Ceará fez mais uma boa intervenção.

Na reta final, o Vozão cresceu na partida. Tendo de correr atrás do prejuízo, os donos da casa por pouco não empataram aos 34 minutos, quando Lima recebeu ótimo passe em profundidade, invadiu a área, mas, cara a cara com Volpi, viu o goleiro são-paulino fechar o ângulo. No rebote, Samuel Xavier também parou no camisa 1 tricolor. Na sequência, após cobrança de escanteio, o Ceará teve outra chance de empatar, mas Reinaldo apareceu no meio do caminho para bloquear cabeçada que tinha endereço certo.

O primeiro tempo era agitado, e antes de as duas equipes irem para o intervalo o São Paulo ainda chegou com perigo mais uma vez aos 43 minutos com Gabriel Sara, que ficou com a sobra da boa jogada individual de Reinaldo e bateu no cantinho, mas a defesa do Ceará conseguiu desviar.

 

Segundo tempo

A etapa complementar começou ainda mais agitada. Logo no primeiro minuto, o Ceará aproveitou o erro de Pablo na saída de bola, e Léo Chú aproveitou o toque de cabeça de Lima para, dentro da pequena área, estufar as redes, empatando para os donos da casa no Castelão. E a virada só não veio porque Tiago Volpi fez ótima defesa em finalização de Luiz Otávio. No rebote, Léo Chú tentou novamente, mas o goleiro tricolor novamente bloqueou o chute.

O São Paulo, enfim, respondeu aos nove minutos. Após boa troca de passes, Luan de Daniel Alves sem marcação, dentro da área, mas bateu de canhota e mandou longe do gol, desperdiçando uma excelente chance. Já aos 12 minutos, Pablo até balançou as redes, aproveitando o rebote do chute de Luciano, mas, após revisão do VAR, o juiz anulou o lance, mesmo já tendo autorizado o reinício da partida antes de tudo isso. De acordo com a regra, após validar o gol, e a bola voltar a rolar, o árbitro não pode mudar sua decisão.

Nos minutos finais, o Tricolor ainda teve uma chance derradeira de sair de campo com a vitória nos pés de Vitor Bueno. Daniel Alves fez ótimo lançamento para Juanfran, que cabeceou para o meio da área, encontrando o camisa 12 do São Paulo, que bateu mascado e viu Richard fazer outra boa defesa e garantir o empate na Arena Castelão.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

RIO DE JANEIRO/RJ - O Palmeiras entrou em campo para enfrentar o Botafogo como único invicto do Campeonato Brasileiro, mas não conseguiu manter a condição no Estádio Nilton Santos. Na noite desta quarta-feira, desfalcado de cinco titulares, o time alviverde desperdiçou um pênalti e acabou derrotado por 2 a 1.

Superado após 20 jogos consecutivos sem derrota, o Palmeiras permanece com 22 pontos e cai para a quinta colocação do Campeonato Brasileiro. O Botafogo, por sua vez, volta a vencer após 10 rodadas e chega aos 15 pontos para assumir o 15º posto.

Pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras volta a campo para disputar o clássico contra o rival São Paulo às 19 horas (de Brasília) deste sábado, no Allianz Parque. Já o Botafogo encara o Sport às 18h15 de domingo, no Estádio da Ilha do Retiro.

O Jogo - O Botafogo foi superior no início da partida e criou a primeira oportunidade de gol. Bruno Henrique acabou desarmado na saída de bola e Rhuan cruzou da esquerda. Honda e Babi tentaram completar para o gol de carrinho, mas não conseguiram chegar a tempo.

O Palmeiras equilibrou a partida e também deu um susto no goleiro Diego Cavalieri ao aproveitar uma saída errada do adversário. Willian recebeu de Rony e ajeitou para Patrick de Paula. De canhota, o meio-campista bateu forte e viu a bola sair perto da trave esquerda do Botafogo.

O time comandado por Vanderlei Luxemburgo ainda voltou a assustar nos minutos finais da etapa inicial. Em cobrança de escanteio do lado esquerdo, Raphael Veiga levantou a bola na área. Willian completou na primeira trave e cabeceou com muito perigo.

Com os dois times sem alterações para o segundo tempo, o Botafogo conseguiu inaugurar o marcador ainda antes do minuto inicial. Kevin cruzou rasteiro da direita e o centroavante Pedro Raul apareceu na primeira trave para completar diante de Jailson.

Com o Palmeiras ainda grogue, o Botafogo aumentou aos 4 minutos. Victor Luis bateu falta de longe, Pedro Raul desviou e a bola sobrou para Caio Alexandre finalizar. Jailson defendeu, mas o próprio Caio Alexandre marcou no rebote. O assistente Bruno Boschilia assinalou impedimento, mas o lance foi validado pelo VAR.

Aos 31 minutos, com as cinco trocas já realizadas, Gustavo Scarpa cruzou da esquerda, Wesley desviou e Willian marcou para o Palmeiras. Quatro minutos depois, Willian recebeu de Lucas Lima e sofreu pênalti de Diego Cavalieri. Na cobrança, o próprio Willian bateu para defesa do goleiro botafoguense, perdendo a chance de empatar.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SÃO PAULO/SP - Corinthians e Santos ficaram no empate por 1 a 1, nesta quarta-feira, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Neo Química Arena. O Timão acumulou, com isso, quatro partidas seguidas sem vencer, enquanto o Peixe aumentou a série de invencibilidade para 11 jogos.

Tabela de classificação

Com a igualdade, o Corinthians chega aos 15 pontos, ainda muito perto da zona de rebaixamento, na 14ª colocação, que ainda pode mudar até o fim da rodada. Já o Santos é o quinto colocado, com 21 pontos, e também pode cair na tabela.

1º tempo

Fora de casa, sem seus principais jogadores e com o desfalque até de Cuca no banco de reservas. Nada disso foi problema para o Santos no primeiro tempo. O domínio amplo a partir do apito inicial foi coroado com um gol logo aos 10 minutos. Jean Mota cruzou da esquerda e Madson venceu Piton já dentro da pequena área.

O Corinthians, espaçado em campo, perdido, com a sexta escalação diferente em seis jogos sob o comando de Dyego Coelho, se mostrava preza fácil naquele momento.

Inexplicavelmente, o Peixe não soube aproveitar o momento e preferiu diminuir o ritmo. Assim, mesmo com enorme dificuldade, o Timão passou a ocupar mais o campo de ataque.

O castigo aos santistas veio no último lance agudo antes do intervalo. Gil ganhou de Luiz Felipe no alto, depois de cobrança de escanteio, e o goleiro João Paulo perdeu para Danilo Avelar no alto. Um gol bizarro, que gerou muita reclamação dos visitantes, consulta do VAR, mas, no fim, foi validado.

2º tempo

Na etapa final, o resultado de substituições dos técnicos foi favorável ao Corinthians, que apresentou evolução pelo que vinha fazendo em campo. O Santos se manteve organizado, mas passou a ficar mais tempo no campo de defesa, com dificuldade em chegar ao gol de Cássio.

A partida teve uma nova polêmica por causa de uma falta marcada pelo juiz em cima de Gustavo Mosquito. A princípio, a dúvida era se a infração tinha ocorrido dentro ou fora da área. O árbitro, porém, voltou atrás e não deu a falta após consultar o replay. Em tese, o VAR não pode ser usado para este fim.

A partir disso, o jogo não apresentou mais grandes emoções. Mateus Vital, nos acréscimos, exigiu uma linda defesa de João Paulo. E foi só.

O que vem pela frente

Agora, o Corinthians vai ao Castelão, em Fortaleza, enfrentar o Ceará no próximo domingo, às 20h30 (horário de Brasília). O Peixe, às 16h do mesmo domingo, vai receber o Grêmio na Vila Belmiro.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SÃO PAULO/SP - O São Paulo não tomou conhecimento do Atlético-GO na noite desta quarta-feira. Voltando ao Morumbi após quatro partidas fora de casa, o pressionado time comandado por Fernando Diniz entrou em campo precisando mais do que nunca de uma vitória, já que não vencia havia sete jogos, mas, graças aos jovens revelados em Cotia, conseguiu alcançar o objetivo com o triunfo por 3 a 0, gols de Brenner (2) e Gabriel Sara.

O nome da noite foi Brenner. Aposta de Fernando Diniz, que decidiu deixar Pablo no banco de reservas, o camisa 30 esbanjou oportunismo e não decepcionou o comandante são-paulino ao balançar as redes duas vezes e protagonizar outras boas oportunidades de gol. Além dele, Bruno Alves e Luan também foram novidades nesta quarta-feira, substituindo Léo e Tchê Tchê, respectivamente.

Com o resultado, o São Paulo não só deu fim à sequência de sete jogos sem vitória como também acabou com a sequência de dez jogos sofrendo gols. O time, que iniciou a rodada na sétima colocação, voltou a subir na tabela e agora integra o grupo dos seis primeiros colocados do Campeonato Brasileiro. O Atlético-GO, por sua vez, estagnou com 15 pontos, se aproximando da zona de rebaixamento.

O jogo – Logo aos sete minutos de partida o São Paulo teve uma grande oportunidade de abrir o placar. Luan roubou a bola no campo de ataque e Vitor Bueno saiu cara a cara com o goleiro, mas bateu no meio do gol, facilitando a defesa. No rebote, Gabriel Sara bateu de chapa, de primeira, mas mandou para fora, desperdiçando uma ótima chance.

Já aos 24 minutos, o São Paulo até balançou as redes com Brenner, que ficou com a sobra do chute de Daniel Alves e mandou para o fundo do gol, porém, o juiz marcou impedimento. Pouco depois, em cruzamento pela direita, a bola passou por todo mundo e morreu nos pés de Igor Gomes, que chutou de primeira, mas mandou por cima.

Já na reta final do primeiro tempo, sem Juanfran, que sentiu o joelho e foi substituído por Igor Vinícius, o São Paulo viu o Atlético-GO levar perigo. Primeiro aos 37, com Gilvan, que cabeceou firme após bola alçada na área, mas Tiago Volpi fez grande defesa. Depois, no minuto seguinte, Marlon Freitas arriscou da entrada da área e mandou rente ao ângulo.

Só que antes de as equipes irem para o intervalo, o Tricolor, de tanto insistir, acabou premiado com o gol. Aos 46 minutos, Brenner esbanjou oportunismo. Em cruzamento de Gabriel Sara, a zaga do Atlético-GO desviou, o goleiro fez a defesa, mas a bola sobrou nos pés do atacante, que, com um simples toque, mandou para as redes para fazer 1 a 0.

Segundo tempo

Na etapa complementar, o São Paulo teve um pênalti marcado a seu favor logo aos três minutos, quando o árbitro acusou toque de braço de Éder dentro da área. Porém, após revisão do VAR, o juizão mudou de ideia e nada marcou. Se não deu logo no comecinho do segundo tempo, melhor aos 19, quando Gabriel Sara levou para dentro e bateu com estilo, da entrada da área, mandando no cantinho, sem chances para o goleiro rival, ampliando para o Tricolor. 2 a 0.

O Atlético-GO, por sua vez, reagiu aos 22 minutos. Precisando correr atrás do prejuízo, o time comandado por Vagner Mancini por pouco não descontou com Chico, que dominou com o peito já limpando da marcação e, dentro da área, bateu firme, mas Tiago Volpi saiu muito bem para fazer mais uma grande defesa, salvando o São Paulo.

O dia era mesmo dos garotos de Cotia. Confiantes com os gols marcados, Gabriel Sara e Brenner eram os jogadores mais perigosos do São Paulo em campo. E foi dos pés de Sara que saiu o terceiro gol. O meia recebeu de Tchê Tchê pela esquerda e fez o cruzamento rasteiro para o meio da área, encontrando Brenner livre para apenas completar para o fundo das redes e praticamente sacramentar a vitória tricolor.

Antes do apito final, Brenner ainda teve a chance de sair de campo com um hat-trick. Reinaldo chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio da área, achando o atacante, que tentou completar para o gol, mas acabou furando. Assim, coube ao São Paulo se contentar com a elástica vitória por 3 a 0 no Morumbi.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SANTOS/SP - Neste sábado, Santos e São Paulo fizeram um clássico muito movimentado e empataram por 2 a 2, em partida válida pela décima rodada do Campeonato Brasileiro. Muito criticado pela torcida nos últimos jogos, Gabriel Sara marcou os dois gols do Tricolor, enquanto Madson e Marinho, de falta, balançaram as redes para Peixe.

O clássico teve um primeiro tempo eletrizante. O Tricolor iniciou o jogo dominante, marcando com Gabriel Sara logo no início e criando chances para ampliar. No entanto, na primeira chegada do Santos, Madson marcou de cabeça e deixou tudo igual. Quando o Peixe crescia na partida, o São Paulo construiu boa jogada pela direita e Sara marcou seu segundo gol.

O segundo tempo foi menos animado, mas sem cair no marasmo. O Peixe voltou melhor e mais intenso do intervalo, conseguindo chegar ao gol de empate em cobrança de falta de Marinho, contando com a colaboração de Volpi. Pouco antes, a partida foi paralisada por conta de uma falha parcial no sistema de iluminação na Vila Belmiro.

Com o resultado, o Santos chegou aos 15 pontos, na sexta posição. O próximo compromisso da equipe será contra o Olimpia-PAR, na Vila Belmiro, às 21h30, pela competição continental. Enquanto isso, o São Paulo foi aos 18 pontos, na segunda colocação. Na próxima quinta-feira, o time enfrentará o River Plate, no Morumbi, às 19h, pela Libertadores.

O jogo - O São Paulo começou melhor em campo e levou perigo desde o início. Primeiro, Reinaldo avançou com liberdade e finalizou em cima de João Paulo. Logo em seguida, aos sete minutos, Luan Peres tentou sair jogando e foi desarmado por Gabriel Sara, que invadiu a área e tocou na saída do goleiro para abrir o placar.

Mesmo com a vantagem no placar, o Tricolor continuou no campo de ataque, conseguindo recuperar diversas bolas na intermediária ofensiva. Além de chutes de Vitor Bueno e Hernanes facilmente defendidos por João Paulo, Igor Vinícius perdeu grande chance ao receber lançamento de Tchê Tchê dentro da área e chutar para fora.

Mesmo acuado na partida, o Santos conseguiu empatar aos 29 minutos da primeira etapa. Sánchez bateu escanteio com precisão pela direita e Madson subiu entre dois defensores para testar e balançar as redes. Pouco depois, quase a virada: após escanteio da esquerda, Gabriel Sara desviou contra a própria meta e exigiu boa defesa de Volpi.

O Santos voltou a ter grande chance com Soteldo, que fez fila na entrada da área, entortou Léo e finalizou rasteiro, exigindo boa defesa de Volpi. No entanto, aos 37, o Tricolor conseguiu uma boa escapada e voltou a marcar. Gabriel Sara fez belo lançamento para Igor Vinícius, que avançou pela direita e cruzou rasteiro para o meia que iniciou a jogada. Sara chegou batendo de primeira e fez seu segundo gol no jogo.

Cuca mexeu duas vezes no intervalo e o Santos voltou mais intenso, levando perigo logo no início. Diego saiu jogando errado pela direita, Soteldo roubou a bola e cruzou na medida para Sánchez que testou livre à esquerda da meta de Volpi. O jogo esfriou nos minutos seguintes e o Peixe só voltou a chegar nos 20, quando Lucas Lourenço arriscou chute perigoso de fora da área.

Como o sistema de iluminação da Vila Belmiro teve uma queda, a partida ficou paralisada por cerca de 15 minutos. Logo no retorno, Marinho sofreu uma falta na intermediária e ele mesmo bateu. Volpi decidiu inverter a barreira e, na finalização forte do atacante do Peixe, ficou sem reação no meio do gol, aceitando o chute. 2 a 2 no placar.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SANTOS/SP - O Santos venceu o Atlético-MG por 3 a 1 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. A partida marcou o reencontro do Peixe com Jorge Sampaoli.

Os gols do Alvinegro foram marcados por Arthur Gomes e Marinho (2). O Galo fez o dele com Franco. A expulsão do goleiro Rafael, aos 15 minutos do primeiro tempo, facilitou as coisas para o Santos, que teve 11 desfalques e Jobson improvisado como zagueiro.

Com a segunda vitória consecutiva, o Santos pula para a sexta colocação, com 14 pontos, um a menos que o Atlético-MG, o quarto na tabela.

O Peixe voltará a campo para o clássico contra o São Paulo, sábado, novamente na Vila Belmiro. O Atlético-MG receberá o Red Bull Bragantino no domingo, no Mineirão.

O JOGO

O primeiro tempo foi muito movimentado na Vila Belmiro. E o Atlético-MG dominou as primeiras ações e teve diversas chances para abrir o placar.

Aos 3, João Paulo salvou em finalização de Eduardo Sasha. No rebote, Felipe Jonatan evitou o gol de Savarino. No minuto 5, Marrony teve duas chances de chutar e foi travado.

Quando o placar marcava sete jogados, o Santos respondeu. Soteldo fez jogada individual e cruzou para Marinho. O atacante chutou travado e a bola passou perto da trave.

Aos 12, a melhor oportunidade do Galo. Savarino e Eduardo Sasha, quase na pequena área, chutaram para grandes defesas de João Paulo.

No minuto 15, tudo mudou. Mariano recuou mal, Rafael saiu desesperado do gol e foi expulso por falta dura em Marinho. Sem o goleiro, Jorge Sampaoli precisou tirar Marrony e recompor a defesa com Victor.

Sem ritmo de jogo, o goleiro reserva falhou. Arthur Gomes rabiscou e chutou fraco no meio. O experiente atleticano aceitou por baixo das pernas. 1 a 0 para o Peixe aos 21.

No minuto 25, Eduardo Sasha apareceu de novo. Ele aproveitou erro de Jobson e finalizou, mas o próprio volante (improvisado como zagueiro) consertou na linha.

Aos 28, nova polêmica com a arbitragem. Arthur Gomes tenta driblar Júnior Alonso, que intercepta com o braço. O juiz teve o auxílio do VAR e mandou seguir.

Com 34 jogados, o Atlético empatou. Jobson errou passe infantil, Sasha armou o contra-ataque e serviu Franco. A bola desviou em Alex e matou João Paulo. 1 a 1.

Mesmo com um a mais, o Santos não conseguiu controlar a partida, mas foi efetivo. A resposta veio rápido, aos 38, quando Sánchez lançou Madson. O lateral-direito cruzou para Marinho aparecer como um centroavante e desempatar. 2 a 1.

Ainda deu tempo para Madson ter gol bem anulado por impedimento e Eduardo Sasha ficar perto de novo empate em finalização cruzada nos acréscimos.

SEGUNDO TEMPO

A etapa final começou com muito menos intensidade (e chances claras de gol). O Santos melhorou a marcação e ofereceu menos espaços ao Atlético-MG.

A emoção só voltou ao jogo no minuto 26. Marinho recebeu sozinho, avançou e fez o gol. A arbitragem marcou o impedimento e confirmou a decisão depois de demora no VAR.

Uma discussão na área técnica fez Arzul, preparador de goleiros do Santos, e Pablo Fernández, preparador físico do Atlético-MG, serem expulsos. Jorge Sampaoli levou o cartão amarelo e está suspenso para a partida contra o Red Bull Bragantino.

Nos minutos finais, o Santos conseguiu administrar a partida e confirmou a vitória com gol de pênalti de Marinho, nos acréscimos após auxílio do VAR. O Peixe terminou o jogo com cinco da base: João Paulo, Derick, Wagner Leonardo, Ivonei e Arthur Gomes.

 

 

*POR: Lucas Musetti Perazolli / GAZETA ESPORTIVA

SANTOS/SP - O Santos empatou em 2 a 2 com o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Peixe foram de Lucas Veríssimo e Marinho. O Cruzmaltino empatou com Fellipe Bastos e Cano.

O Alvinegro sofreu novamente com o VAR – contra o Flamengo, dois gols foram anulados. O gol de Fellipe Bastos foi invalidado corretamente por impedimento. A consulta ao vídeo fez o lance ser validado após cinco minutos.

No segundo tempo, os visitantes empataram com pênalti convertido por Cano. O juiz não havia marcado a penalidade. Ao olhar a tela, apontou toque no braço de Alison – a bola bateu antes na cabeça do volante.

Com mais um tropeço em casa, o Santos vai para a 11ª colocação, com oito pontos. O Vasco é o terceiro, com 11 somados na tabela.

O Peixe voltará a campo para enfrentar o Ceará, sábado, no Castelão. O Vasco receberá Athletico no domingo, em São Januário.

O JOGO

O Vasco criou a primeira chance do jogo. E com menos de um minuto! Felipe Jonatan errou na saída de bola, Cano invadiu a área e acertou o travessão.

O Santos só teve uma oportunidade de gol quando abriu o placar. Soteldo recebeu uma sobra de escanteio, entortou a marcação e cruzou na cabeça de Lucas Veríssimo aos 20 minutos. 1 a 0.

O jogo estava truncado e com pouco espaço nas defesas. Até que o Cruzmaltino aproveitou bem a bola parada. Fellipe Bastos recebeu no segundo pau e marcou. A princípio, a arbitragem marcou impedimento. Cinco minutos depois, o VAR confirmou o empate dos visitantes.

Soteldo domina bola na entrada da área, pelo lado esquerdo, e dança na frente do marcador. Vai para lá, vem para cá e cruza na área. Lucas Veríssimo cabeceia muito bem e abre o placar.

Defesa do Santos erra a saída e deixa Cano em boas condições. Centroavante do Vasco acerta o travessão do gol defendido por João Paulo.

SEGUNDO TEMPO

O Santos voltou para a etapa final com Luan Peres na vaga de Jobson. Cuca “corrigiu” a escalação após entrar com Alison como zagueiro.

O Peixe teve um início melhor. Aos dois minutos, Pará bateu de fora da área com perigo. No minuto 4, Soteldo cobrou falta e Fernando Miguel fez boa defesa.

Aos 13 minutos, o Santos desempatou. Marinho cobrou falta com perfeição. O goleiro Fernando Miguel nem se mexeu. 2 a 1 na Vila.

Quando o placar marcava 22, Alison afastou cobrança de escanteio com toque na braço (antes ele tocou com a cabeça). Após nova consulta no VAR, a arbitragem marcou pênalti. Cano converteu aos 17. 2 a 2.

Pilhado com os gols sofridos e bem marcado, o Santos não criou nenhuma chance clara até o apito final. O Vasco administrou o empate e quase virou no fim, com Carlinhos.

 

 

*Por:Lucas Musetti Perazolli /  GAZETA ESPORTIVA

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral